segunda-feira, 17 de outubro de 2016

Vaquejadas: proibição é avanço? Não parece. Por Levi Vasconcelos

Dizem os especialistas em evolução humana que lá um dia o homem chegará a um estágio que considerará prática desprezível o ato de comer animais. Ou, como dizem os mais caústicos, de fazer do estômago túmulo, pela selvageria, mesmo sofistificada em ambientes requintados, que isso enseja. Os vegetarianos já seriam o embrião dessa tendência. Seria o ato do STF de proibir as vaquejadas o lado institucional do mesmo caminho?

Não é o que parece. A decisão, em essência, diz que as vaquejadas impõem sofrimento aos animais e, por tabela, fere os princípios constitucionais de preservação do meio ambiente.

Ora, bolas. Por aí, derrubar o boi pelo rabo como fazem os vaqueiros nas vaquejadas, é judiar do boi. Mas matar para comer, como se faz com tantos bichos, pode. Nada a ver com evolução da humanidade, portanto. Parece mais coisa da burocracia jurídica que do alto do seu pedestal fica forjando interpretações para a lei desprezando as incoerências que elas ensejam. Por agora, ficamos com os vaqueiros.

Publicado no jornal A Tarde

Um comentário:

Proteja as florestas disse...

Que estupidez, torturar os animais em nome da diversão não é a mesma coisa que o abate para o consumo feito de forma legal e humanizada. Argumento deveras fraco para um complexo tema que merece uma análise melhor. Não fica claro qual seria o benefício dos legisladores ao proibir.

Postar um comentário

Reflexões sobre meio ambiente, pecuária e o mundo rural brasileiro. Deixe seu comentário.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...