Que não vá parar nas ONGs: Izabella Teixeira quer dinheiro do pré-sal para o meio ambiente

Ministra quer royalties do pré-sal.
Hora do setor rural de mover e apoiar a Ministra do Meio Ambiente. Um dos grandes problemas para o estabelecimento de pagamentos por serviços ambientais é determinar a fonte de recursos. O pré-sal pode muito bem ser uma dessas fontes, mas será preciso cuidar para que o dinheiro não vá parar nos orçamentos das ONGs de ecólatras.

O jornal Valor Econômico acabe de informar o movimento da ministra do Meio Ambiente, Izabella Teixeira, de participar dos debates sobre a repartição dos royalties de petróleo. Segundo o jornal, Izabela Teixeira, de quem este blogger virou fã, buscará “o maior número de recursos possível” para a questão ambiental. A Lei 9.478, de 1997, conhecida como a Lei do Petróleo, já prevê uma parcela de recursos oriunda da extração de óleo para investimentos relacionados ao meio ambiente.

A discussão da regulamentação para a redistribuição dos royalties do pré-sal está acontecendo no Congresso Nacional enquanto você lê post. “Vamos agora fazer a regulamentação e na regulamentação vamos buscar o maior número possível de recursos”, disse a ministra ao Valor.

Com informações do Jornal Valor Econômico. A foto é de Wilson Dias, da Agência Brasil.

Comentários

jerson disse…
desculpe Ciro, virar fã dessa mulher. que ao meu ver fez tanto contra os agricultores rss. me poupe.
Luiz Prado disse…
No Rio de Janeiro, o Fundo Estadual de Conservação Ambiental - FECAM foi criado há uns 20 anos, ficou com 20% dos royalties do petróleo, e não adiantou NA-DA!
Muito justo. Nenhum ambientalista de verdade pode ficar contra isto.

A localização, perfuração, extração, transporte, processamento, distribuição, etc, e queima deste petróleo causa Impactos Ambientais, portanto haverá um Custo Ambiental – CA para compensar estes Impactos.

Portanto, este CA deve ser considerado na formação do preço e os recursos referentes advindos do CA devem ser dirigidos ao Pagamento pelos Serviços Ambientais aos possuidores de áreas preservadas, pois são estas que irão prover os Serviços Ambientais necessários para compensar o Impacto Ambiental.
Braso disse…
Vivendo e aprendendo, até entendo o pensamento do bloqg, para quem tem o ministro da agricultura que temos, melhor que ele, " até a dona Isabella'. rsrsrsr
Braso disse…
Brincadeira com coisa séria não dá, mas pelo ministro da agricultura que temos, só podemos levar tudo na gozacão.
Carlos A. A. disse…
Cuidado, não confiem muito nessa mulher, quando diz em buscar dinheiro para investimentos relacionados ao meio ambiente, pode muito bem ser para empregar nos orgãos para nos fiscalizar e ferrar e não para pagamento por serviços ambientais prestados por nós agricultores.
Ciro Siqueira disse…
Tem toda razão. Por isso é devemos ficar do lado. É melhor ter um inimigo tramando na sua frente do que nas suas costas.
e1000 disse…
E' o capitalismo PeTista em açao.. ao inves de deixar o mercado livre para desenvolver o pagamento por serviços ambientais, resolveram obrigar o produtor a preservar por lei, e como ninguem vai se interessar em pagar serviçø ambiental de quem ja e' obrigado a preservar.. empurra-se a conta para a Petrossauro.. rs...

A incompetência do Governo PeTista e' capaz de quebrar ate' a Casa da Moeda..