Próxima safra de grãos deve ultrapassar 170 milhões de toneladas

A próxima safra brasileira de grãos deve crescer em relação ao resultado registrado na temporada anterior, apontam levantamentos da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), vinculada ao Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), e do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

De acordo com ambas as pesquisas, a produção deve ficar acima das 170 milhões de toneladas de grãos. Para a Conab, a safra se situará entre 176,82 e 181,55 milhões de toneladas, aumento de 6,4% a 9,3% frente a anterior. Segundo a Conab, a soja deve registrar o maior destaque entre as culturas em termos de crescimento de produção, com um acréscimo estimado entre 13,71 milhões e 16,61 milhões de toneladas em comparação com o período anterior. Já o milho primeira safra apresentou uma elevação entre 216,6 mil e 1,52 milhão de toneladas, enquanto que o feijão primeira safra sofreu uma variação de – 1,4 mil a 49,3 mil toneladas.

O motivo se deve aos altos preços do grão no mercado, devido à quebra de safra dos principais países exportadores. Por sua vez, o IBGE ancora sua previsão de avanço da safra, principalmente na perspectiva de recuperação da produção no Sul e na manutenção dos resultados da região Centro-Oeste.

Área plantada

O levantamento da Conab prevê uma área cultivada entre 50,89 e 52,22 milhões de hectares, um aumento de 2,6% frente à temporada passada. A soja foi o único grão que apresentou crescimento de área, em comparação com o estudo das culturas de algodão, arroz, feijão primeira safra e milho primeira safra. A variação é de 5,5% a 9,3% acima do obtido em 2011/12.

Mais produção sem desmatamento

Em 2011 o Brasil apresentou a menor taxa de desmatamento de florestas na Amazônia dos últimos 23 anos. Foi a menor taxa desde que o instituto começou a fazer a medição, em 1988. Houve uma redução de 8% em relação ao mesmo período em 2009 e 2010. Há a expectativa de que o desmatamento observado em 2012 seja ainda menor. O número oficial deve ser apresentado nos próximos dias.

Crescimento da produção agrícola com redução no desmatamento da Amazônia. 
Caso a expectativa de elevação na produção da Conab e de quenda no desmatamento do Ministério do Meio Ambiente se confirmem será o quarto ano consecutivo de elevação da produção agrícola com queda no desmatamento.

Durante anos o ambientalismo ecotalibã acusou o Agro brasileiro de desmatar a Amazônia para aumentar a produção. Esse sofisma foi defendido pelas ONGs e comprado pela sociedade urbana, tanto no Brasil, quanto no exterior. Esses recordes consecutivos expõem o erro das ONGs e ambientalismo fundamentalista.

A foto é de Antônio Cruz, da Agência Brasil.

Comentários

Tio Uepa disse…
Enquanto o Brasil usa de seu território para abastecer o mercado internacional, o número de Brasileiros, afetados direto ou indiretamente pelos danos causado por agrotóxicos, só cresce.

O mundo da agricultura convencional está longe de um dia conseguir erradicar a fome..
Caso a expectativa de elevação na produção da Conab e de queda no desmatamento do Ministério do Meio Ambiente se confirmem será o quarto ano consecutivo de elevação da produção agrícola com queda no desmatamento.

ENTENDO, mas até quando vamos conseguir produzir sem ocupar novas áreas?

Chegará a um ponto que certos tipos de produções vão estagnar por falta de novas áreas, principalmente a soja e a produção de carne.

Se ainda temos áreas disponíveis, por que não ocupá-las?

Se depois de ocupar estas áreas ainda disponíveis, por que não expandir um pouco mais se ainda temos grandes áreas preservadas?

O que vamos fazer com todo esse mato preservado?

Não corremos o risco de termos grandes áreas preservadas?

Certamente que sim!

Infelizmente nem os nossos governantes percebem o risco que corremos, quanto mais os cidadãos comuns.
Ei TIO, que papo é este de abastecer o mercado internacional?

Segundo certas fontes, nós só exportamos 30% daquilo que produzimos, 70% é consumido dentro de nosso País.

Fala-se muito que o Brasil será o celeiro do mundo, mas é difícil de acreditar, principalmente um país que tem, além de APPS, RL, etc, ainda tem pessoas como você que lutam contra o nosso desenvolvimento.





jerson disse…
por isso que agricultor se ferra, quanto mais o governo aperta, mais ele produz, daqui a pouco estaremos produzindo arroz dentro de bacia d'água nos fundos de casa.
Carlos A. A. disse…
Deixa eu esclarecer uma coisa para o Tio: Houve uma grande evolução na formulação dos agrotóxicos, onde muitos já foram banidos do mercado, conferindo assim uma maior segurança a saúde humana. Os agricultores hoje trabalham com EPIs e tratores gabinados que lhes conferem muito mais segurança. Existe um mito muito grande em ligarem tudo de mal que acontece na saúde humana com os agrotóxicos. Se isso fosse verdade, todos os agricultores que no passado tiveram contatos muito mais diretos com os agrotóxicos mais perigosos e sem proteção nenhuma estariam todos doentes ou mortos. Houve sim alguns casos mais graves devido intoxicações. Agora o que NINGUÉM SE DÁ CONTA é dos conservantes, corantes, acidulantes, umectantes, espessantes e mais uma grande quantidade de química que está ATIVA dentro dos alimentos das prateleiras que ingerimos no dia a dia. Especialistas dizem que uma bolacha recheada tem 15 tipos de produtos químicos e nossas crianças ingerem isso junto com refrigerantes desde seus primeiros anos de vida. Será que não está aí a causa das doenças? Acontece que não são os agricultores que patrocinam os meios de comunicação por isso essa informação não chega a muitos.
kkkk É bem isso Jerson!

Lamentável que a situação chegou a este ponto num País que mais tem mato.

Excelente depoimento do senhor Carlos.

A alimentação hoje em dia é muito processada, além de não sabermos o que já pode estar acontecento em termos de mudanças genéticas nos alimentos , pois há rumores que querem reduzir a população do mundo a qualquer custo.

Com tais manipulações genéticas, poderão introduzir um "gene maligno" que poderá levar ao óbito milhares ou milhões ao redor do mundo sem que ninguém perceba.

Inclusive, podem até "abrir um leque" de vários genes mortíferos.

Viva a Monsanto!!



emanuel disse…
> Esse "osenhortodopoderoso" não se apresenta, não mostra sua identidade! Suma!!! Do que tem medo?