Passaralho: Greenpeace troca toda sua diretoria no Brasil

Monte de bosta em rua de Brasília.
Foto: Roosewelt Pinheiro/ABr
Depois da derrota humilhante que os ecotalibãs do Greenpeace levaram na discussão do Código Florestal se isolando numa luta contra a agricultura brasileira, a ONG trocou toda sua diretoria no Brasil. Segundo os dirigentes a receita de bolo que orienta a atuação do Greenpeace "está desgastada".

Com 20 anos de atuação no Brasil, a sucursal brasileira da ONG internacional também quer elevar as doações no país. O Brasil conta com a metade do número de colaboradores da vizinha Argentina, por exemplo.

Nas últimas semanas, três ativistas do alto escalão foram realocados ou afastados do cargo. Paulo Adário, diretor da campanha Amazônia caiu pra cima. Deixará seu bunker em Manaus para se tornar um líder global em florestas tropicais. Virou uma espécia de Raoni branco sem botoque.

Ano passado Adário foi nomeado pela ONU como herói da floresta. Não se sabe ainda se o Greenpeace vai dar um uniforme de capitão planeta a ele, mas deve exibi-lo pelo mundo pedindo dinheiro como os circos faziam antigamente com bestas exóticas.

Sérgio Leitão deixa a direção de campanhas e Kiko Britto deixa a direção de comunicação da ONG. De acordo com o Greenpeace, nenhum nome foi escolhido ainda para ocupar esses cargos.

"Entramos em nova fase: a de um mundo rápido e integrado, que requer novo aprendizado organizacional", diz Marcelo Furtado, diretor-executivo e mentor das mudanças, que deseja buscar no mercado "gente nova", que formará os quadros sucessórios da ONG

As mudanças vêm no momento em que o escritório brasileiro da ONG está sendo processado por ter mentido no mundo inteiro sobre a empresa brasileira JBS. A JBS nega as acusações e uma liminar da justiça impede o Greenpeace de comentar o assunto. Para alguns ativistas, o fato ajudou a precipitar a troca de cadeiras na ONG.

Em tempo, repare que este bloggueiro já andou anunciando a morte do ambientalismo ecotalibã: relembre clicando aqui, ou clique na foto da Marina Silva aí do lado.

Relembre algumas das patacoadas que o Greenpeace fez no Brasil e que foram mostradas aqui no blog:
A grande farsa do Greenpeace

Entenda porque este blogger é duro com algumas ONGs

O ambientalismo irresponsável do Greenpeace: A guerra contra a empresa brasileira JBS

Greenlie: Justiça concede à JBS liminar contra Greenpeace

Comentários

E' DEUS operando!!

Que continue a cair a justiça de DEUS sobre eles, para que possa frear as obras malignas deles.
jerson disse…
Ciro não entendi, o monte de bosta é o que esta em cima ou o que esta embaixo.
Ciro Siqueira disse…
É o monte lato sensu
jerson disse…
agora entendi, os de cima são bosta mesmo o debaixo é genérico
Luiz Prado disse…
Muito bom post!

Por isso eu sempre chamo essas porcarias aqui de "franchises" de ONGs. Não atingiu as metas, rua! Nada de ideários próprios! Nada de realidades locais. O "doador" estrangeiro - cujos nomes são sempre omitidos - querem assim, faça-se assim. É o que vende alívio do sentimento de culpa e gera dim-dim.