Greenlie: Justiça concede à JBS liminar contra Greenpeace

Capa do relatório mentiroso do
Greenpeace
Juiz determina que a ONG Greenpeace suspenda a veiculação de relatório contendo informações falsas e difamatórias sobre a companhia.

A Justiça brasileira determinou que a Organização Não Governamental (ONG) Greenpeace suspenda imediatamente a veiculação do relatório difamatório produzido contra a JBS e divulgado às vésperas da Rio +20. A ONG terá que retirar o documento e todo o conteúdo de seu website e não poderá veiculá-lo em nenhum formato, seja ele eletrônico, físico e até mesmo falado. A decisão judicial determina ainda que o Greenpeace deixe de endereçar o relatório aos clientes e fornecedores da companhia.

Caso não cumpra a decisão judicial, a ONG deverá pagar uma multa diária de R$ 50 mil até que a determinação esteja atendida.

A decisão da Justiça ocorre menos de uma semana após a JBS identificar uma série de falhas no documento divulgado pelo Greenpeace. Após uma análise da equipe técnica da companhia de todos os pontos levantados pela ONG ficou evidente que o relatório estava eivado de mentiras.

Essa análise culminou na produção e divulgação de um relatório por parte da direção da JBS, demonstrando que todas as informações publicadas pela ONG radical estavam integralmente equivocadas. Esse relatório pode ser acessado aqui.

A própria ONG já havia reconhecido que o relatório divulgado contra a JBS continha erros. Procurada por alguns dos principais jornais do país, após o posicionamento da companhia, o Greenpeace foi obrigado a reconhecer que as informações difamando o trabalho da JBS estavam equivocadas.

Siba mais nem O ambientalismo irresponsável do Greenpeace: A guerra contra a empresa brasileira JBS. Repare que o Greenpeace já retirou do ar do relatório.

Comentários

Flávia e Wagner disse…
Em um país onde um Juiz do Supremo Tribunal Federal (leia Luiz Fux) lava as mãos em matéria que abre precedente do poder do Presidente (Executivo) sobre o Congresso (Legislativo), o que podemos esperar de "justiça contra mentiras" que beneficiam uma instituição chefe da ditadura ambiental mundial para o 3º mundo?

Wagner Salles
Braso disse…
Como leigo entendo que seria o caso do governo brasileiro expulsar essa ONG do território Brasileiro, quem mais saiu prejudicado com as mentiras são os produtores da região objeto, o governo aceitar e tolerar esses fatos é no minimo falta de patriotismo.