Presidente do WWF é flagrado caçando elefantes na África

Presidente do WWF caçando elefantes em Botsuana
Juan Carlos I, rei da Espanha e presidente de honra da ONG internacional WWF, foi flagrado caçando elefantes em Botsuana, na Africa. A traquinagem do ambientalista, que ocupa a presidência do WWF desde sua fundação em 1968, só foi descoberta porque Juan Carlos caiu e fraturou o quadril enquanto aterrorizava os elefantes africanos. A necessidade de explicar as circunstâncias do acidente do rei trouxe a público a episódio.

O presidente do WWF desembarcou na segunda-feira em Bostuana. Na sexta-feira, sofreu uma fratura no quadril ao tropeçar na residência em que se hospedava. De volta à Espanha, foi internado no Hospital San José, em Madri, que informou que o paciente se se recupera de maneira positiva e já caminha e se levanta sozinho, usando muletas.

Não é a primeira vez que o presidente da ONG que luta pela preservação no olho dos outros se envolve em episódios como esse. Em 2006, o jornal russo "Kommersant" divulgou a participou de Juan Carlos numa caça a urso junto com o então presidente da Rússia, Vladimir Putin.

No fundo isso é um espelho do interesse das ONGs na preservação ambiental de países como o Brasil. Eles, que se desenvolveram às expensas da exploração dos seus recursos naturais, agora querem que os países periféricos não se desenvolvam para manter seus recursos naturais para, quem sabe, um safarizinho no futuro.

Leia também: A grande farsa do Greenpeace

10 comentários:

Flávia e Wagner disse...

Ciro,

com todos os meus sentimentos pelo mamífero abatido, que foto maravilhosa! Eles estão tão confortáveis e cientes da nossa ignorância e incapacidade para reagir, que deixam claro seus reais objetivos intrínsecos na "proteção" da biodiversidade do planeta não industrializado. Logo logo estarão caçando e abatendo aborígenes e pobres que não conseguem consumir a tecnologia deles.

Ana disse...

Então, o rei nos coloca como seus súditos:preservem as capivaras aqui que eu mato elefantes lá.Palavra de rei é assim, faça o que mando e não o que faço. E que tamanho de elefante o rei arrumou...

Ana disse...

Então, o rei nos coloca como seus súditos:preservem as capivaras aqui que eu mato elefantes lá.Palavra de rei é assim, faça o que mando e não o que faço. E que tamanho de elefante o rei arrumou...

osenhortodopoderoso disse...

kkkkkkkkkkkkkk

osenhortodopoderoso disse...

kkkkkkkkkkkkkk

Braso disse...

WWF, porque vocês no te calas como o Chaves. rsrsr

jerson disse...

quem diria, de onde deveria vir o exemplo o cara apronta uma dessas, só falta o grenpeace estar caçando baleias nas nossas
aguas territoriais, e quem vai saber disto, essas ongs só servem para isso querer nos impor regras e leis e elas próprias descumrirem achando que somos idiotas.

Maria Estelita - PT do B - Angra disse...

Sendo isto verdade, cadê as ONG's? Cadê os movimentos em defesa da natureza? Abater covardemente um animal magnífico como o elefante a troco de quê? O Rei por vaidade perdeu a vergonha de se equiparar ao que mais detestamos na espécie humana. Não merece a mínima reverência dispensada a um Rei.

Ciro Siqueira disse...

Ambientalista é um bicho engraçado. Fosse a Katia Abreu caçando um tatu já estaria fazendo estardalhaço, mas omo é um Presidente do WWF aí já fala que "sendo isso verdade".
Pior, não faz referência ao safado ser presidente de ONG ambiental. Chama apenas de rei.
Não é mais pilantra o cara que atira do elefante do que o cara que mata a verdade com tiros de sofismas.

Maria Estelita - PT do B - Angra disse...

Desculpe se o ofendi com a minha opinião. Não sou ambientalista como sugerido, mas entendo que a figura do Rei é mais importante qua a figura do presidente do WWF. Um Rei é a síntese de uma nação e não de uma corrente de pensamento. Lamento a postura de Juan Carlo, que me ofende pela insensibilidade à vida, como me ofende a insensibilidade de nossa classe política em relação ao homem do campo. "Sendo isso verdade", como me referi ao episódio, vem da minha desconfiança natural do que rola por aí na internet. Este é um fato grave demais para ser tratado de maneira tão tímida, por ambientalistas ou não.