terça-feira, 24 de abril de 2012

O Código Florestal é maior do que o PT

A frase é do líder do PMDB na Câmara, deputado Henrique Eduardo Alves. Para Alves o PT é apenas um dos partidos da base aliada que sustentam o governo, não o único. “O Código Florestal é uma questão muito maior do que o PT. São vários partidos que estão na base. O governo somos nós”, disse Alves ao Porta iG.

PT e PMDB entraram em rota de colisão após o relator da matéria, deputado Paulo Piau, alterar o texto aprovado no Senado em defesa de pequenos agricultores com os quais o PT não se importa. Pela regra aprovada no Senado, produtores rurais, grandes e pequenos, deveriam recompor com recursos próprios 15 metros de vegetação nativa para cursos d’água com até dez metros de largura tendo, para isso, que destruir cultivos eventualmente existentes nesses locais.

O relatório de Piau conta com apoio não apenas da bancada da agropecuária, mas também de Alves, do PMDB, PSD, PSDB, DEM e de diversos partidos da base e da oposição. “O PT tem direito de discordar. A democracia tem dessas coisas”, assinala o líder do PMDB, Henrique Eduardo Alves.

“Mas o PMDB vai acompanhar o voto do seu relator. Até porque dentro do próprio governo tem posições diferenciadas. É o caso do Aldo Rebelo”, lembrou Alves, referindo-se ao ministro do Esporte, que foi relator do projeto na Câmara no ano passado e que apoia qualquer medida que venha em defesa da pequena agricultura nacional, com os quais, nem o ambientalismo, nem o PTistas urbanos, se importam.

O líder do PT na Câmara, Jilmar Tatto, da ala urbanóide do PT, afirmou que o ParTido prepara um destaque para fazer valer o texto aprovado no Senado. “Não importa o PMDB”, bravateou (sem) Tatto. “Não aceitamos a anistia aos desmatadores. Vamos apresentar um destaque para garantir que se vote o conteúdo do texto aprovado no Senado”, disse. Tatto só não completou que garantir o texto do Senado implica em destruir cerca de 33 milhões de hectares de terras agrícolas e a expulsão de milhares de pequenos agricultores do campo.

A votação do Código Florestal está marcada e confirmada para hoje. No início da tarde, antes do início da sessão extraordiária, haverá uma reunião do colegiado de líderes partidários que provavelmente confirmará a votação e definirá os procedimentos regimentais da sessão.

Reveja o discurso de Henrique Eduardo Alves no dia da primeira votação do Código Florestal na Câmara:


Veja que este blogger já alertou para a importância de Alves na aprovação final da reforma do Código Florestal: Henrique Eduardo Alves. Guardem esse nome. Ele pode salvar a agricultura brasileira.

4 comentários:

  1. O deputado Paulo Piau entregou de bandeja para o Planalto a consolidação das APPs. Quer dizer que ele prefere deixar o Planalto decidir -leia-se ministra Isabela Teixeira - do que ele próprio definir quem será beneficiado pela consolidação. Essa atitude do deputado Piau revela bem que o compromisso que tem com a classe rural é apenas da boca para fora.

    ResponderExcluir
  2. Hoje espero que grande parte dos Ptistas votem com os agricultores, do contrario é suicídio politico, vem ai as eleições municipais e na maioria dos municípios pelo interior do Brasil que em sua maioria esmagadora dependem da renda da agricultura, o PT poderá ter uma derrota acachapante e voltar ao seu estado inicial de inimigos de quem produz.

    ResponderExcluir
  3. O deputado Paulo Piau entregou de bandeja a consolidação das APPs para o Planalto. Ele preferiu deixar a ministra Isabela Teixeira decidir sobre a questão do que ele próprio definir quem seria beneficiado pela consolidação. Que ruralista é esse, meu Deus do céu?Essa atitude do deputado Piau revela bem que o compromisso que tem com a classe de produtores rurais é apenas da boca para fora.

    ResponderExcluir
  4. Esses petistas gostam mesmo é de anistiar os grandes devedores do INSS. Se fizerem mais um REFIS, aprovam na hora.

    ResponderExcluir

Não escreva seu comentário em caixa alta. Só quem pode gritar aqui sou eu.
Comentários com links para outras páginas terão grande chance de serem recusados.