ATERRO do flamengo abrigará ativistas ambientais durante a Rio+20

A Cúpula dos Povos, encontro de ONGs que será realizado paralelamente à Rio+20, será realizada no Aterro do Flamengo.

Como o próprio nome revela, o Aterro do Flamengo é um aterro. A partido do início do século XX dois morros que atrapalhavam o funcionamento da cidade do Rio do Janeiro, o morro do Castelo e o morro de Santo Antônio, foram desmanchados e o entulho (solo, pedras e restos de obras) foi jogado no mar, entupindo-o e formando o aterro.

O aterro abrigou o encontro que reuniu mais de 17 mil ecoativistas durante a Eco-92, há 20 anos. Desta vez, são esperadas mais de 30 mil participantes para a reunião das ONGs, de 15 a 23 de junho. Ficarão todos juntinhos sobre o escombros de morros desmanchados e entulhados no mar entupido.

De acordo com Carlos Henrique Painel, do Comitê Facilitador, a escolha do aterro do flamengo é uma reivindicação das próprios redes, organizações e movimentos sociais que participarão do encontro.

"Nas últimas semanas, as ONGs vinham negociando a utilização do Aterro do Flamengo com a Prefeitura do Rio, mas o principal nó das negociações era encontrar um local para alojar cerca de 10 mil pessoas que devem ficar acampadas durante a realização do evento", diz Painel.

Em tempo, é como eu sempre digo aqui no blog, preservar o meio ambiente no dos outros é refresco. Até para os ativistas de meio ambiente, quando a coisa aperta, dane-se o meio ambiente.

5 comentários:

  1. Ativistas ambientais falando sobre preservação da natureza em cima de um aterro, só pode ser sátira.Embora o local tenha uma visão linda provocada pelo homem,a escolha do local contraria os princípios ambientalóides de que a natureza deve permanecer intocável.Ô gente cínica! Que piada!

    ResponderExcluir
  2. Hipocrisia total que prova que o objetivo não é preservar o meio ambiente e sim prejudicar a agricultura brasileira.

    Cabe lembrar que pelo Código Florestal junto com a resolução Conama 303/2002, nas restingas é considerada APP a faixa mínima de trezentos metros, medidos a partir da linha de preamar máxima.

    Eles vão exigir a recomposição dos morros, do aterro e das restingas?

    Ou será que serão omissos e coniventes e ainda vão passear nas APPs do Pão de Açucar, Cristo Redentor, Lagoa Rodrigo de Freitas, etc.

    Seria muito interessante levantar a pegada ecológica de cada um destes falsos, ambientalistas, ONGs e eventos.

    Só o impacto causado pela queima de combustíveis para transportar estes falsos via aviões e veículos deve ser enorme.

    ResponderExcluir
  3. Não apenas um aterro sobre o mar! Um aterro dentro da baía de Guanabara! E que se transformou numa das mais belas áreas do Rio de Janeiro! Eles vão adorar a paisagem do aterro na baia de Guanabara... além de estragar os jardins de Burle Marx, que são tombados.

    A arrogância vazia sem fim! "Cúpula dos Povos" - ha, ha, ha. No máximo, uma "cópula dos hippies velhos".

    ResponderExcluir
  4. Essa é a grande hipocrisia dos neoambientalistas, essa corja logo vão desaparecer, pois não a bem que não se acaba e nem mal que perdure.

    ResponderExcluir
  5. ainda vão deixar suas mer....cadorias na baia, latas de coca-cola , papéis, preservativos;
    e toda sorte de dejetos e ainda se intitulam ambientalistas, a torloni, o minc e a marina deverão esta lá, quando lixo ha ha ha

    ResponderExcluir

Não escreva seu comentário em caixa alta. Só quem pode gritar aqui sou eu.
Comentários com links para outras páginas terão grande chance de serem recusados.