Radical contra radical na guerra do Código Florestal

Vejam abaixo a opinião do Grupo Bandeirantes de Comunicação sobre o atual estágio do processo de reforma do Código Florestal.



Em tempo, se alguém assumir a ponta de cá desse cabo de guerra que pulo pro meio da confusão e fico moderado. Minha opinião é diferente da do grupo bandeirantes. Acho que radicalizar rebuscando a emenda 164 agora forçará a presidente Dilma a veta-la o que dará ares de vitória aos xiitas do marinismo fundamentalistas.

Repetindo o que disse no último post. O que está em jogo não é uma metro pra lá ou pra cá, ou um grau de inclinação nessa ou naquela encosta. O que está diante de nós é a oportunidade de derrotar o fundamentalismo ambiental dando à presidente Dilma a possibilidade de sancionar o texto sem veto.

Todas as baterias dos xiitas de meio ambiente estão voltadas para a não reforma, para forçar um veto presidencial. Se a presidência sancionar vem vetos os xiitas ficaram completamente derrotados, isolados em seu fundamentalismo, em sua irresponsabilidade com as consequências da lei que querem sobre o setor rural nacional.

Ao contrário da Rede Bandeirantes acho que a emenda 164 não deve ser restabelecida no texto. Acho que devemos tentar mais algumas mudanças como o artigo 1º, por exemplo. O que vier é lucro se o Executivo sancionar sem veto.

Comentários

O Pastor disse…
Eu concordo com o grupo bandeirantes, mas se for para a presidente dilma vetar, aí realmente é melhor deixar do jeito que está. Claro deve-se mudar o Art 1° como sugere o admin desse bolg.
Att.
Cristiana disse…
O Pensamento reacionário e atrasado que a direita conservadora do Brasil assume em relação ao Código Florestal brasileiro é que a garantia da manutenção das Áreas de Preservação Permanents, é um entrave ao desenvolvimento. Socorro!
Jean Carlos disse…
"Em suma, este blogger pensa que não deve haver Reservas Legais em propriedades privadas (...)"
E é assim que foi e vai embora nossa Mata Atlântica.
É certo que o código florestal precisa sim passar por reformas, mas retroceder em termos de conservação das nossas florestas em prol da produção de alimentos é no mínimo ingenuidade, pra não dizer jogo político.
Temos sim que sempre avançar na produção de alimentos, mas por que cortar o que resta de nossas florestas, se temos em nosso país milhões de hectares improdutivos? A reforma agrária não seria uma saída para o problema da produção de alimentos?
Ciro Siqueira disse…
Prezado Jean Carlos,

Começastes bem, mas degringolastes em estultices.
Este bloger tem convicção que Reserva Legal em propriedade privada é um caminha equivocado de se buscar proteção de biodiversidade ou preservação florestal.
Mas não implica que o blog ou o bloger advoguem desmatamento e destruição ambiental.
Isso é uma dedução apressada e meio burra.
Esse blog defende que as florestas devem SIM serem preservadas, mas não sob ônus privado.
Isso é totalmente diferente de dizer que as reservas legais devem ou podem ser desmatadas.

Sds,
Ciro Siqueira
ERNANI disse…
Se a gerenta vetar pior para ela que vai perder milhões de voto e vai se tornar a mão da fome e a Marina Selva, a rainha da fome.
Ciro Siqueira disse…
Se a gerenta vetar pior será pro produtor rural.
Tuflos Andros disse…
Jean, tem um vídeo do lado direito, 3.49 minutos, bem rápido, mas profundamente ilustrativo. Dê uma olhada, acho que vc entenderá melhor o imbróglio.
Luiz Prado disse…
Essa turma tem horror da tal da democracia, da decisão no voto. Os Vacarezzas da vida só admitem a existência de um Congresso Nacional se ele for manso, obediente, como foi o Senado. E zumbientalista, então, nem se fala - logo eles que defendem um "código" nunca votado e remendado com medidas provisórias nunca votadas. Se eles explicarem onde no mundo existem APPs e RLs já seria bom.
Braso disse…
Para se ter ideia, na minha região que é no sul de Minas onde a Mata Atlântica é mantida em grandes proporções pela maioria, não pode abrir mão das áreas consolidadas em APPs, isso significa a erradicação de 80 % de nossas pastagens e lavouras de café banana e outras frutas, então estou de acordo com o grupo Bandeirantes é pagar para ver, então truco.
Braso disse…
Não sou conservador e nem da direita, já sofri com a ditadura, fui preso e escurracado, então ser a favor do editorial da Bandeirantes não é ser radical e nem pouco inteligente é um direito de um cidadão já com 66 anos que não foge a luta, se for necessário começaremos uma nova luta pela democracia no Brasil.

Assinado: Paulo de Tarso Pereira Gomes
Eu sou moderado e busco a Conservação onde os seres humanos possam conviver com a Natureza de forma sustentável.
Porém, o "novo" Código Florestal, mesmo que fosse mantido o texto aprovado antes na Câmara com a emenda 164, já é uma vitória dos falsos ambientalistas, pois mantém praticamente todas as irracionalidades e falta de fundamentos técnico/científicos como, por exemplo, impor 80% de preservação na Amazônia, ou impor o mesmo tipo de preservação para geologias diferentes, etc, etc.
O Pagamento pelos Serviços Ambientais,mesmo que não seja retirado ou vetado, dificilmente será efetivado.
De qualquer forma é apenas um quebra-galho para não causar uma catástrofe imediata. Os falsos ambientalistas já ganharam e, no futuro, o Brasil continuará tendo problemas sérios causados por este radicalismo que usa a bandeira ambiental para defender interesses inconfessáveis.
Qual seria o problema se os Deputados recolocassem a emenda 164?
A Presidenta vetaria só a emenda ou vetaria todo o código?
Aliás, por que a Presidenta vetaria?
Por causa da "imagem" do Brasil?
A tal imagem do Brasil não podia ser pior uma vez que somos campeões de desigualdades sociais, corrupção, criminalidade, matança dos brasileiros por falta de segurança, condenação dos pobres a uma vida miserável pela falta de educação de qualidade, matança dos pobres na "saúde" do SUS, etc.
Este argumento da imagem do Brasil não tem nehum fundamento.
Só pode estar de brincadeira ou então há interesses inconfessáveis...