Sem tempo nem acordo na Câmara, votação da reforma do Código Florestal fica para 2012

Com o prazo apertado e sem acordo sobre o texto do novo Código Florestal aprovado pelo Senado, deputados de várias legendas se reuniram hoje (13) na Câmara para debater o assunto. Após a reunião de líderes ficou acertada a votação da reforma do Código Florestal nos dias 6 e 7 de março de 2012.

Texto do Senado rachou a bancada da agropecuária

O deputado Ronaldo Caiado reiterou suas críticas ao texto do novo Código Florestal aprovado pelo Senado. Para o deputado, os produtores rurais terão de enfrentar “altos custos” para regularizar suas propriedades e inscrevê-las no Cadastro Ambiental Rural (CAR). O que, segundo ele, torna “impraticável” a aplicação da nova lei.

“O custo da recomposição ambiental é, em média, mais de R$ 5 mil por hectare. O valor bruto de produção agrícola no Brasil é R$ 162 bilhões. Haverá perda de receita anual para termos de recompor”, disse Caiado, que integrou a mesa redonda cujo texto do código foi assunto principal. “Como o cidadão vai arcar com o custo de implantar isso? E agora, com a exigência do CAR, o custo deverá triplicar”, acrescentou.

O deputado Valdir Colatto (PMDB-SC) disse ainda que o texto do novo Código Florestal poderá prejudicar a agricultura e a pecuária do país. “Nós plantamos 56 milhões de hectares e temos mais 170 milhões de pecuária. É absolutamente inviável termos que recuperar 65 milhões de hectares e ainda assim continuarmos produzindo. O Brasil, os estados e os municípios precisam saber desse impacto”, disse.

Pergunta que não quer calar:

Se o texto da reforma do Código Florestal aprovado no Senado era tão bom para os ruralistas como diziam os fundamentalistas de ½ Ambiente, por que os ruralistas inveterados (Caiado, Lupion, Lorenzoni, Colatto, Heinze) da Câmara o recusaram?

Comentários

O custo da recomposição ambiental é, em média, mais de R$ 5 mil por hectare...


ONDE ESTAVAM AS LÍDERANÇAS RURALISTAS QUE NÃO FIZERAM NADA PARA MUDAR ISSO QUANDO O ASSUNTO ESTAVA AINDA EM DISCUSSÃO NO SENADO?

PARABÉNS, DONA KÁTIA ABREU!!

OBRIGADO POR NÃO TER FEITO NADA!

OBS. AINDA BEM QUE HOUVE INTERVENÇÃO DE CAIADO E VALDIR COLLATO, ANTES DESTA BOMBA ESTOURAR.
Luiz Prado disse…
Parabéns aos deputados! Jorge Viana volta, agora, a ser o ilustre desconhecido (no plano nacional) que sempre foi e está predestinado a ser. Tentou a conciliação do inconciliável para ver se arranjava uns votinhos verdolengos e perdeu. Sai da história com a mesma facilidade que entrou: pela porta dos fundos.
Braso disse…
Sem analisar mas com uma pulga atrás da orelha, acho sensato o adiamento da aprovação, só de ver os fundamentalistas do meio ambiente relativamente conformados, já é motivo para desconfiar que o código esta cheio de pegadinhas, contra os agricultores é claro, então vamos ver como esta para ver como fica.
E AGORA LIDERANÇA RURALISTA, O QUE VOCÊS VÃO FAZER PARA QUE ESTA BOMBA NÃO ESTOURE NA CABEÇA DOS INGÊNUOS AGRICULTORES?

SHAME ON YOU!!!
Ciro Siqueira disse…
O texto pode cair novamente na mãos das ONGs em razão do ego do Caido e vc não tem rosto par gente culpar depois.
ERNANI disse…
Não gostei mas o lado bom da coisa ruim é ninguem vai poder dizer que a votação foi atropelada e que não houve tempo para apreciação. O vexame, de assinar novamente a suspensão das multas, só aumenta - se é que eles tem vergonha.
Outro ponto favorável (aos agropecuários) é que o mundo tá se lixando para o meio ambiente e o Brasil lidera o assunto. NÃO HÁ MOTIVO DE PREOCUPAÇÃO COM RIO +20 POIS ELES NÃO TEM MORAL PARA EXIGIR COISA ALGUMA. Plante que o código garante.