Brasil se compromete no exterior com o sacrifício de seu setor rural

Tem algo muito errado na política externa brasileira. Nossos negociadores tiram números da cartola sem nenhuma noção das consequências. Leio agora na Agência Estado que o governo anda fazendo simulações para estimar as consequências das mudanças no Código Florestal.

De acordo com essas simulações a reforma do Código Florestal exigirá a recuperação de 32.400.000 hectares de matas agricultados dentro das propriedades rurais do País. Segundo a Agência de notícias a área é 30% maior do que o território do Estado de São Paulo. Convertida em emissão de gases responsáveis pelo aquecimento global, a recuperação dessa área representará, por baixo, quase seis vezes o compromisso de redução de emissões assumido pelo Brasil no exterior.

Segundo as contas do secretário nacional de Mudanças Climáticas, Eduardo Assad, a recuperação do deficit de RL levará a um corte de emissão de 8,8 bilhões de toneladas de carbono equivalente. "É um resultado absolutamente extraordinário, avalia Assad. O cenário com que ele trabalhou leva em conta a recuperação de 2.4000.000 hectares.

O que o Secretário Assad não diz, o repórter bitolado da Agência Estado não enxerga, é que essa recuperação será feita sobre áreas que hoje estão ocupadas com agricultura e pecuária. O Brasil está fazendo conta com a recuperação de florestas imposta pelo Código Florestal sem considerar que para que essa recuperação ocorra, o produtor tem antes que arrancar os pés de feijão, de arroz, de soja, o pasto, o milho.

Quando o secretário de Mudanças Climáticas fala em recuperar a floresta sequestrando carbono equivalente em 32,4 milhões de hectares o que ele está dizendo é que o Brasil vai destruir 32,4 milhões de hectares de agricultura e pecuária.

Nem o secretário Assad, nem o repórter bitolado da Agência, consideram que o custo dessa reforma. As florestas não se plantam sozinhas num passe de mágica. É preciso comprar mudas, preparar a terra, abrir covas, adubar, combater formigas, plantar as mudas, conduzir o plantio, combater incêndio. Quem vai pagar isso?

O compromisso do Brasil no exterior considera que é o produtor rural brasileiro quem vai ter que arcar com esse custo. Afinal, a lei manda, não manda? O produtor que cumpra.

Eles assumem esses compromissos assim, num átimo, sem ponderar as consequências, como se fossem factíveis, como se fossem fáceis. Tem algo de muito errado na política externa brasileira.

Comentários

Selso disse…
a mentira do tal "aquecimento global" está ligada a outras mentiras "ambientais", pois isso favorece o controle que os governos tem sobre o cidadão !!!
Está errada a política externa, interna, de cima, de baixo etc...
Estes caras são uns traidores da pátria !!
Luiz Henrique disse…
A corda sempre arrebenta do lado mais, fraco; neste caso, o lado mais forte, mas EXTREMAMENTE DESUNIDO, se a boiada soubesse da força que tem unidos, jamais subiriam no caminhão. Lamentável!!!!!
emanuel disse…
ja disse muitas vezes que o produtor é burro! É só passar um ano agricola planatando só o essencial para manter a propriedade, deixando o resto em pousio, que teremos um caos total: PIB caindo, desemprego, alimentos subindo, etc, etc. Ai, seremos valorizados!!! Dimunui a oferta e vê em dá!
Braso disse…
Caro Emanuel, concordo com você, venho pregando isso, mas ninguém ouve, finalmente alguém do meio levanta as questões, vamos parar sim, vamos fazer de conta que foi as intempéries da burrice de nossos governantes e lideranças que ocasionaram o "desplantio".