Reforma do Código Florestal está nas mãos de Sarney, o pai

Entrega simbólica do projeto de reforma do Código Florestal ao presidente do Senado, José Sarney. Texto será votado amanha, quarta, 30 de setembro no plenário da casa.
Em ato simbólico, os relatores do projeto de reforma do Código Florestal Luiz Henrique da Silveira e Jorge Viana entregaram ao presidente do Senado, José Sarney, o pai, os pareces aprovados pelas quatro comissões temáticas que examinaram a proposta.

O senador Jorge Viana, relator na Comissão de Meio Ambiente (CMA), agradeceu aos líderes partidários, à presidência da Casa e aos presidentes das comissões temáticas pelo apoio recebido e afirmou que a proposta é fruto de diálogo intenso dos senadores. "Essa matéria é suprapartidária", disse o senador ressaltando que o projeto aprovado pela CMA na última quinta-feira (24) mantém a rigidez do código atual e contribui para reflorestar o país.

O senador Luiz Henrique, relator nos demais colegiados, destacou também que o projeto é resultado de diálogo com a sociedade civil e com o governo. "Realizamos dezenas de audiências no Senado e em todo o Brasil para discutir o Código Florestal. Ouvimos também o governo e recolhemos o pensamento médio dos brasileiros sobre o assunto", destacou.

O presidente Sarney também afirmou que o projeto pode não ser o ideal, mas é o "possível". "Acho que é um trabalho excepcional desta Casa. A política é a arte do possível e esse projeto é justamente a capacidade de harmonizar os conflitos", disse Sarney pai.

Sarney recebeu a matéria junto com uma solicitação de urgência para sua tramitação no plenário da casa.

Em reunião na manhã de hoje entre Sarney e os líderes partidários houve um acordo para votação da matéria em Plenário nesta quarta (30). O requerimento de urgência será lido nesta tarde em Plenário. Depois de votado pelo Plenário, o projeto deverá retornar à Câmara, para que os deputados se pronunciem sobre as mudanças feitas pelos senadores.

Com informações da Agência Senado

Comentários

João Lima disse…
Na última vez que um Sarney botou as mãos no código florestal deu a maior cagada.

Tomara que agora seja diferente.
João Lima disse…
hehehe, dificil evitar...

vejam que o Código é realmente uma religião qualquer: depois do pai e do filho agora só falta o espírito.
Ciro Siqueira disse…
Deve ser o espírito de porco.