Ambientalistas de Vênus podem entender ruralistas marcianos

Apolo surpreendendo a promis-
cuidade de Vênus e Marte na
obra de Hendrik de Clerk 
Há umas duas semanas assisti um seminário em Paragominas financiado pelo Fundo Vale com a participação de ruralistas e ambientalistas. Em um determinado momento o biólogo, professor e ambientalista Ricardo Rodrigues, da Esalq, fez uma palestra sobre um projeto que ele vem desenvolvendo em Paragominas junto COM os ruralistas.

A equipe de professor Ricardo Rodrigues entra nas fazendas dos ruralistas, com a anuência destes, e faz um diagnóstico preciso da situação ambiental dos imóveis. Com esse diagnóstico em mãos a turma do professor traça estratégias de adequação das imóveis à lei ambiental.

O ambientalista Ricardo Rodrigues apresentou vários dos diagnósticos que fez até agora de imóveis rurais no município de Paragominas. Em todos os imóveis apresentados por Rodrigues a área explorada em desacordo com o Código Florestal era superior a 10%. O ambientalista Ricardo Rodrigues apresentou os números surpreso e empolgado. Segundo ele o problema das fazendas de Paragominas é pequeno e muito mais fácil de ser solucionado do que ele jamais havia imaginado.

Eu ouvi o ambientalistas Ricardo Rodrigues dizer isso e fiquei sorrindo lá fundo do auditório. Menos de cinco anos atrás quando um ambientalista e/ou fiscal do Ibama, ou emepéio do Ministério Público, entrava nas mesmas fazendas e encontrava os mesmos problemas inferiores a 10% da área imóvel, ele multava, difamava na imprensa, embargava, e promovia todo tipo de achaque ao produtor rural.

Repare o leitor que o problema é exatamente o mesmo: menor do que 10% das áreas estudas até agora. Mas ontem os ambientalistas atacavam, multavam e embargavam os produtores rurais e hoje eles trabalham juntos para resolver o problema. Sabe onde está a diferença?

A diferença está no soldo. O município de Paragominas, cheio de royalties pagos por uma mina de bauxita, seus produtores rurais e a Vale S.A., que está plantando eucalipto e dendê na Amazônia através no Programa Vale Florestar, assinaram diversos termos de cooperação com ONGs ambientalistas (Imazon e TNC) e universidades. Através desses termos de cooperação as entidades bombeiam vastas somas de dinheiro para os ambientalistas que atacavam os produtores rurais e o município.
Clique na imagem para ver ampliada e ler o destaque.
O resultado imediato é que os ambientalistas param de atacar, de embargar, de achacar e de difamar os produtores rurais e passam a fazer o contrário, elogiar, desembargar, construir parcerias e procurar caminhos convergentes. Ambientalistas venusianos podem entender ruralistas marcianos se forem pagos para isso.

Os americanos chamam isso greenwashing. Em tradução livre o termo significa "Demão de Verde", que é título de um livro interessante escrito pela jornalista canadense Elaine Dewar e que explica e exemplifica bem o fenômeno.

Enquanto você lê esse post há diversas ONGs construindo "pesquisas" para criarem ou ressaltarem problemas ambientais para depois oferecerem o silêncio ou parcerias para a solução dos mesmos problemas criados ou ressaltados em troca de um gordo "termo de cooperação". Enquanto isso, problemas ambientais sérios como saneamento básico, efetivação de unidades de conservação, despoluição de rios, fome na Somália, ficam de fora da pauta das grandes ONGs porque não há quem pague por eles.

Antigamente, houve nos Estados Unidos um fenômeno social parecido. Grupos, em geral recortados por etnias, entravam em estabelecimentos comerciais em um determinado bairro e solicitavam gentilmente um pagamento semanal em troca de segurança. Aqueles comerciantes que decidiam não pagar a taxa tinham seu estabelecimento depredado pelo mesmo grupo e eram assim convencidos a dar sua cota. O nome que a sociedade americana deu para isso foi máfia. Era crime e foi duramente perseguido pela polícia e pelos jornais.

O nome que nós damos a isso no Brasil é ambientalismo e nem a polícia, nem os jornais perseguem.

Esse texto é uma continuação do texto Agricultores são de Marte, ambientalistas são de Vênus.

Comentários

É isso mesmo cara, mais direto, claro e verdadeiro impossível.
Uma pena que muita gente (não tão bem intencionada) ganhe bastante dinheiro com isso em troca de segurar o desenvolvimento de nossa região.
Se Reserva Legal Particular, que é apenas ônus ao produtor fosse tão bom como se prega por aí, todo país dito desenvolvido teria instituído a sua.
Nós, brasileiros, com a Lei mais avançada do mundo, continuamos e vamos continuar, por um bom tempo, a ser apenas o quintal dos gringos. Pena pra nós... Bom pra eles.
Ciro Siqueira disse…
Há alguns dias, sob a suposta alegação de eu usava o blog para "falar mau da Vale" o pessoal do Fundo Vale me criou sérios problemas no meu trabalho.
Sempre fiz um esforço para separar meu trabalho cotidiano das minhas opiniões no blog, mas a turma do Fundo Vale me fez o desserviço de misturar tudo.
O leitor habitual do blog sabe que jamais falei nada sobre a Vale ou sobre o Programa Vale Florestar aqui no blog.
Uma vez que já venho sofrendo retaliações por supostamente fazer o que eu não faço, não há mais nenhuma razão para não fazê-lo.
Trabalhei no Programa Vale Florestar por dois anos e sem bem o que eles fizeram nos verões passados.
Doravante o leitor habitual do blog encontrará textos sobre como a Vale burlou o Código Florestal para plantar, com bênção das ONGs, mais de 200 mil hectares de eucalipto e dendê em plena floresta amazônica. Verá também, o leitor habitual, textos sobre a estratégia da Vale S.A. de bombear recursos privados para ONGs ambientais em troca de silêncio ou anuência para seus projetos na Amazônia.
SHAMI disse…
Alô Ciro
A Vale vai se petetizando,ao inves de peletizar!.
Vem muito mais ONGs por aí.
abraços

shami
Luiz Prado disse…
Zumbiantalista diz o que o cliente quer ouvir. Nada de excpectional. A Vale paga, a Vale pode. O exemplo da máfia aplica-se com perfeição ao caso.
Braso disse…
Só não entendo é como a Senadora Katia Abreu não denuncia a mafia através do CNA que ela representa também(cala te boca rsrssr).