Juiz condena empresa a destruir agricultura para plantar mato

O juiz da 2ª Vara Cível, Alceu Correa Junior condenou a empresa Agropecuária Arakaki Ltda de Fernandópolis a arrancar parte deu plantio de cana para recuperar parte do do passivo de legal em uma de suas propriedades. A empresa terá que nominar, cercar e averbar em cartório 20% de propriedade onde cultiva cana para produção de biocombustível sobre pena de multa. A ação foi motivada pelo Ministério Público de Fernandópolis. A empresa tem 120 dias para destruir parte dos seu cultivo sob pena de multa diária de R$ 1.000,00. A condenação ainda prevê obrigação de averbar a reserva legal junto à matrícula do imóvel no prazo de 90 dias, a contar da data da aprovação do projeto perante o órgão competente, sob pena de multa diária de outros R$ 1.000,00;

Outras empresas relacionadas ao Grupo Arakaki possuiu outros processos na Justiça por crime ambiental

Informação do portal Região Noroeste

Em tempo, enquanto a justiça no Brasil faz a felicidade do fundamentalismo ambiental mandando destruir áreas agrícolas a crise humanitária na Somália segue matando dezena de crianças todos os dias.
Esse é o ambientalismo do Greenpeace e de Dona Marina Silva.

Comentários

Luiz Prado disse…
Mas esses emepéios da área ambiental tem que justificar os seus salários!!! Eles não sabem por que fazem isso - exceto por estar escrito na lei -, e deixam coisas muuuuito mais grave passarem. Algum deles alguma vez processou uma concessionária de água e esgoto por jogar esgoto bruto nos rios e lagoas? Algum deles já processou uma refinaria da Petrobras por poluir TUDO? Que nada...
delanof disse…
E essa cana toda era pra alimentar a população. Entendi.

Faça-me o favor.
Ciro Siqueira disse…
Não. Era para alimentar o paladar por adocicado da população e os carros da população que, de outra forma, serão alimentados com combustível fóssil.

Eis o favor.