Começou a guerra santa contra as mudanças no Código Florestal

Um bando de cerca de 50 jovens urbanos bem vestidos e bem alimentados, os Mujahidin do Ambientalismo Fundamentalista, fez uma manifestação genial ontem em frente ao Congresso Nacional, em Brasília, contra a reforma do Código Florestal, cuja votação no Senado deverá ocorrer nos próximos meses. Os Mujahidins plantaram mudas de árvores protegidas por lei, como copaíba e aroeira, no gramado em frente à sede do Legislativo e deixaram as autoridades no mato sem machado. As jovens árvores são protegidas por lei e não podem ser cortadas, por outro lado o Plano Diretor do plano piloto de Brasília não permite a permanência das árvores no local.

Sabe o que o Código Florestal tem a ver com isso? Absolutamente nada. As normas que proíbem o corte de algumas espécies não estão no Código Florestal e o projeto de lei em debate no Senado não as afeta. O Ministério Público deveria denunciar a jihad verde dos majahidin do ambientalismo fundamentalista por infringir o plano diretor de Brasília cujos monumentos, Congresso Nacional incluso, são tombados pelo patrimônio histórico e não podem ser maculados. Ao plantar as mudas diante do Congresso a jihad violou o direito (difuso) do povo brasileiro de ter sua capital preservada da forma como foi concebida.
Em tempo, um leitor do blog já sugeriu por mensagem enviada a mim que produtores rurais fizessem uma manifestação semelhante na Marginal do Tietê. A idéia do leitor era plantar mudas de espécies protegidas por lei no meio da marginal, que está na APP do Rio Tietê, e deixar o caos se instalar na capital paulista uma vez que as árvores não poderiam ser cortadas para o restabelecimento do trânsito já que é proibido desmatar em APP. Tem radical de todo lado e todos são muito divertidos.
Alahu akbar!!!

Comentários

Cássio Marcon disse…
Você sabia que a campanha "sou agro" também paga para aparecer na TV, revista ou qualquer outro meio??

A WWF não pode pagar por publicidade, mas o agronegócio pode??

Podes responder?
Ciro Siqueira disse…
Quem disse que não pode? Eu?
Luiz Henrique disse…
Caro Marcon, posso até não concordar com suas ideias, mas as respeito, como brasileiro que é tem todo direito de opinar sobre tudo que acontece em seu país, só não posso concordar com interesses externos que muitas destas ONGs Ambientais externas estão representando e defendendo, podes acreditar que estes interesses não são os mesmos que os seus, com o avanço de seus estudos e a maturidade ira perceber isto. Saudações.
Cássio Marcon disse…
Segundo suas palavras: "Fique alerta. O WWF paga ao Google por destaque nas buscas para ludibriar você sobre o Código Florestal. O anúncio acima é pago."

Fazes um grande alerta sobre o anúncio da WWF, chegando a dizer que ela paga para ludibriar a mim sobre o código.

Enquanto sobre a campanha "sou agro" tu alega ser "uma excelente iniciativa".

Como vc mesmo diz: "Com um aporte de R$ 13 milhões (até agora) e contando com a adesão de nomes como Cargill, Sindirações, ABCZ, Aprosoja, Inpev, Abag, Bunge, Monsanto, OCB(...)"

E agora eu pergunto.

Qual das duas campanhas defende os interesses do Brasil e qual defende os "interesses externos" que Luiz Henrique cita??

Bunge?? Cargill?? Monsanto???

Essas empresas defendem os interesses nacionais??

Bunge: multinacional com origem em Amsterdã e hj com sede nos EUA.

Cargill: multinacional americana.

Monsanto: multinacional com sede nos EUA que produzia o agente laranja usado na guerra do vietnã.

Isso só pra começar a brincar....

Agora diz? Quem defende os interesses do Brasil???

Essas empresas defendem apenas seus interesses e estão pouco se lixando para o Brasil.
Ciro Siqueira disse…
Minha pergunta continua válida e sem resposta. Eu não disse que eles não podiam, disse?

Quem está fazendo referência a essas empresas é você. Fazendo referência e reduzindo burramente um processo complexo ao interesse de algumas empresas. Elas são parte de uma cadeia de produção que envolve na ponta o cara que produziu o teu almoço ou contrabalenceou a importação do computador que tu usas.

O WWF, o Greenpeace é que não defendem o interesse do Brasil.
Cássio Marcon disse…
A questão verdadeira e realmente importante não é dizer que eles não podiam, mas sim aplicar um juízo de valor totalmente deturpado.

Não brinque comigo. Já passamos dessa fase.

Eu não preciso simplificar o processo.

Apenas estou dizendo que as alterações no código florestal, assim como a campanha "sou agro", são muito mais do interesse de grandes empresas, muitas das quais multinacionais que só querem lucrar e não se preocupam nenhum pouco com os "interesses do Brasil", do que do pequeno produtor que produziu meu almoço.
Luiz Henrique disse…
Vamos separar o Joio do Trigo, é logico que Bunge, Cargill, Monsanto entre outras estão aqui por interesse financeiro, mas em contrapartida ajudam o desenvolvimento e produção, se não fosse empresas como estas, hoje a cesta básica no Brasil não estaria tão barata, agora o que faz ONGs como o WWF e o Greenpeace entre outras, estão aqui para produzir algo? Intitulam-se defensores da natureza, mas se é assim por que não lutam pelas mesmas causas em seus países de origem, por que brigam por APPs de até 500 metros de largura e Reserva Legal de até 80% de uma propriedade? Porque só no Brasil e não em seus países?
Já vivi o bastante para perceber que por trás de toda atividade só existe interesse financeiro, mas existem interesses que contribuem com o desenvolvimento e outros que só procuram atravancar. O que devemos pensar é em como proteger a biodiversidade brasileira e deixar o país em igualdade de competividade com o resto do mundo.
Ciro Siqueira disse…
Engano seu, meu caro. Só porque vc sonha não implica se seja verdade. E a pergunta que seu início a tudo continua sem resposta.
Brasileiro disse…
quanto a campanha "sou agro" uma campanha direta e barata em comparação com a lavagem celebrar feita pelas 'ongs'...
Hoje você liga a televisão e não da 5 minutos tem uma propaganda dizendo que quem derruba uma arvore e um monstro e quem se acorrenta nas arvores são heróis...
Não e raro achar filmes que os produtores rurais são monstros/bandidos...
Esses são apenas uns pequenos exemplo.
Agora eu pergunto quem esta gastando dinheiro com propaganda?????
quanto essas empresas multinacionais elas estão apenas garantindo a sobrevivência de seus ovos de ouro...Mais não significa que elas estejam Erradas
Luiz Prado disse…
O "endowement" do WWF US é superior a US$ 22 bilhões. Esse dinheiro não foi levantado com doações de verdotes! O presidente (CEO) do WWF US ganha um selário anual da ordem de US$ 350.000. Isso é ONG ou uma empresa?
Selso disse…
É incrível o que a lavagem cerebral fez no povo brasileiro ! As pessoas ficam sem o mínimo senso de lógica e de proporções!
Obviamente as multinacionais defendem seus interesse. Isto é lógico, mas não perceber que a sobrevivência dos produtores rurais, que são seus clientes e portanto sua fonte de recursos, é de vital importância para eles, é de uma estreiteza mental impressionante. Talvez seja a falta de literatura - o brasileiro está deixando de ler até "A Galinha dos Ovos de Ouro" e obras do gênero. O cidadão que pede para que não brinquem com ele de fato não só não passou "desta fase", como ainda nem chegou a ela.
Se o interesse das empresas multinacionais é o mesmo que o de 99% dos produtores brasileiros, qual o problema? Agora, se eles se posicionassem como as ONGs, que também são multinacionais, aí deveriam ser combatidos também.
Aliás, quanto ao wwf leiam :
http://www.grupoinconfidencia.com.br/fatorwwf.php
Quanto ao agente laranja, deveriam ter produzido o triplo! O cidadão que se acha brincalhão, poderia brincar de matemática e descobrir que número implica em maior quantidade: os 30 mil mortos na guerra (ou seja,estando armados dos dois lados) ou os 3 milhões de CIVIS (ou seja, desarmados) mortos pelo regime comunista contra quem lutavam os americanos ?
Flávia e Wagner disse…
Selso, aproveitando o seu último parágrafo, em oito anos foram registrados mais de 2,5 milhões de acidentes no Brasil, com 254 mil mortes segundo a ABMT e o povo brasileiro, além de perder este quantum de vidas, perdem R$28 bilhões por ano do dinheiro público gasto pelo governo com acidentados (fonte: http://g1.globo.com/Noticias/Brasil/0,,MUL107911-5598,00.html).

Qual a relação disto com o tema?
O Greenpeace e a WWF e outras ONG são favoráveis e investem em: 1) Manter o código florestal como está (fomentado por eles ao longo das duas últimas décadas); 2) Criação de novas UCs; 3) Ampliação de terras indígenas (TI); 4) Dupla afetação das TIs criadas/ampliadas com as UCs; 5) Efetivação dos mosaicos de áreas protegidas; 6) Efetivação dos corredores ecológicos da Mata Atlântica/Mantiqueira/Cerrado/Caatinga/Amazônico.

Pois bem, meus caros, segue a pergunta: Porque não apóiam, ao invés de dificultar com questionamentos a EIAs/RIMAs, impedimentos judiciais, etc., as duplicações de BRs construídas nos anos 60/70? Porque não financiam construção de anéis viários e viadutos? Porque não financiam metrôs? Linhas exclusivas para motocicletas nas grandes cidades, entre outras obras?

Se o meio ambiente é um bem das presentes e futuras gerações (art.225 da C.F.), qual o verdadeiro objetivo deles na defesa do meio ambiente em detrimento do povo???

Após nossa vitória, junto com Aldo, devemos rever outros planos deles, porque somos brasileiros.

Wagner Salles