Miriam Leitão e a sombra da vara torta (Resposta de Aldo Rebelo)

*Aldo Rebelo
Em dois artigos recentes, a jornalista Miriam Leitão voltou ao tema do Código Florestal: acusou o debate de medíocre, talvez olhando no espelho as colunas que escreve, repetiu ataques pessoais ao relator e lançou as ameaças do apocalipse caso a legislação atual seja tocada. Nenhuma palavra sobre o fato de um decreto presidencial manter suspensa parte da legislação em vigor e as multas decorrentes dela, exatamente em razão dessas normas deixarem fora da lei quase 100% dos pequenos e médios agricultores do País.

Miriam Leitão sabe que a essência desse debate não se situa em torno de Reserva Legal e metragens de proteção de rios, e que seus amigos do Greenpeace estão se lixando para essa questão no resto do mundo. Estão preocupados com baleias na Argentina ou golfinhos em algum oceano do planeta. Os temas da Reserva Legal e Área de Preservação Permanente sequer são encontrados nos parlamentos ou na mídia dos países que financiam e acolhem as ONGs internacionais que aqui atuam com a desenvoltura que não se conhece por lá.
Área consolidada – Se pesquisasse minimamente, a colunista não diria que o projeto de reforma do Código Florestal “criou a figura da “área rural consolidada”, uma expressão traduzida da inglesa “consolidated area” e que se tornou uma categoria do urbanismo e das ciências do meio ambiente para nomear zonas urbanas ou rurais já ocupadas intensamente pelo homem.
Pequenos x grandes – Ao negar que o projeto privilegia os pequenos proprietários (4,3 milhões em um universo de 5,2 milhões), a colunista ignora que só a eles se destina a isenção de recuperação da Reserva Legal, que permanecerá a existente na propriedade até 2008. Aos pequenos, a exigência de Reserva Legal nos termos atuais, significa custo incompatível com sua renda e brutal confisco da terra já minúscula que utilizam para a sobrevivência e produção de alimentos. 
Anistia – Quando pergunta se “é a lei que joga na ilegalidade ou quem desrespeita a lei que entra na ilegalidade?”, a resposta deve ser dada pelo conselheiro Acácio: qualquer lei com efeito retroativo joga na ilegalidade quem agia dentro da lei. Todos sabem, ou deveriam saber, que não há crime sem lei anterior que o defina. A minha proposta não anistia crimes ambientais como diz Miriam Leitão, apenas copia o decreto em vigor que suspende multas até a regularização das propriedades. É bom insistir que a lei trata como “criminosos” todos aqueles que estavam na legalidade e que dela foram retirados por portarias, medidas provisórias e resoluções do Conama.
Definições técnicas – A colunista ironiza a linguagem técnica das definições utilizadas no projeto. Não sabe que é da boa técnica legislativa descrever os institutos de forma inequívoca, sem permitir ambiguidades. Daí a lei ter de fixar com exatidão o que é Reserva Legal, APP, Restinga, Vereda, para que, neste último caso, por exemplo, um colunista açodado não confunda uma fitofisionomia específica com um bolero mexicano nem com várzea de rio, acepção que também encerra em algumas regiões do País. “Ainda bem que li Guimarães Rosa, senão jamais saberia o que é uma vereda,” diz a colunista. Se leu Sagarana, deveria saber que “sapo não pula por boniteza, mas porém por precisão.”
Interesse social – Em ato falho, a colunista repudia a inclusão da “produção de alimentos” no instituto do “interesse social”. Se a produção de feijão, arroz, milho, mandioca, trigo, soja, carne, hortifrutigranjeiros não for de interesse social, o que será? Interesse social é boicotar a segurança alimentar do povo brasileiro? É importar feijão-preto da Argentina, arroz da Ásia, mandioca da Nigéria? Interesse social seria obrigar um severino do Nordeste, onde metade das propriedades têm menos de cinco hectares, a destinar boa fatia de seus sete palmos de terra à proteção de um riacho que escorre na chuva, quando chove, e some na estiagem? Interesse social é fazer uma lei linear para todos os diferentes biomas do território nacional e impor que as propriedades de cinco hectares sigam as mesmas exigências das que têm 10.000 hectares?
Faço tais considerações em atenção aos leitores, pois, nesse assunto de veredas, sei muito bem que tortuosidade natural não se corrige. É preciso reconhecer que as ideias de Miriam Leitão têm lastro em grandes intelectuais como Thomas Malthus, aquele que achava que não havia lugar para os pobres no banquete da natureza. Foi duramente atacado por Marx que qualificou a ideia do monge inglês de “libelo contra a raça humana”; e ironizado por Engels que escreveu que para Malthus o mundo já estaria superpovoado quando tinha um único habitante. O Clube de Roma, uma ONG de magnatas do primeiro mundo retomou a teoria segundo a qual a natureza já estava esgotada por eles e que os pobres passassem a poupar energia. A mesma coisa proclama Al Gore no panfleto A Terra em Balanço. Não discutem o consumo conspícuo das nações ricas, mas o direito dos pobres a almoçar, jantar e cear.
Presto esses esclarecimentos sem a ilusão de mudar os conceitos de Miriam Leitão, pois no caso sigo o provérbio português, ao nos ensinar que “não se endireita a sombra da vara torta”.
*Aldo Rebelo é deputado federal (PCdoB-SP), relator do Código Florestal, presidiu a Câmara dos Deputados e foi Ministro de Relações Institucionais no governo Lula

Comentários

COMUNICADO AS AUTORIDADES BRASILEIRA‏:

Gostaria de lhes comunicar que a comunidade que produz comida para vocês e para suas famílias, está de saco cheio da necessidade de cumprir leis desnecessárias no que se refere a APPS em encostas e topos de morros, como se todos as montanhas estivessem para desabar, o que não é verdade, pois isso só acontece em áreas mais sensíveis ao excesso de chuva, daí a necessidade de usar o bom senso em acabar com estas estúpidas leis que estão criando muitos problemas para pequenas propriedades localizadas em regiões acidentadas.

A única APP que faz sentido é a mata ciliar, mesmo assim, não há necessidade de 30m para um rio de meio metro de largura, como é hoje exigido no nosso remendado Código Florestal.

Quanto a Reserva Legal, digo que compete ao Governo usar suas terras públicas para manter nossos biomas, e então ficaria a critério da propriedade privada em manter ou não tal reserva, visto que essa exigência de RL, APPS, não se vê em países onde o povo tem melhor educação, pois eles sabem que isso é tolice, mas incentivam os países pobres a fazerem isso.

Não vejo este tipo de bizarrices desnecessárias nos Estados Unidos, por exemplo, e a vida continua sem problema. O que está acontecendo, é um amontoado de leis (junk laws), algumas boas, outras que são verdadadeiros lixos que só contribuem para trazer instabilidade e tensão no campo, uma vez que estas leis foram criadas sem que houvesse qualquer estudo de impactos sociais, e e' aí que está havendo falhas por parte do Governo.

"A TERRA VAI QUEIMAR, O PUM GADO CAUSA TORNADOS, AS NOSSAS FLORESTAS VÃO DESAPARECER, AS MINHOCAS ENTRARÃO EM EXTINÇÃO , AS GELEIRAS DERRETERÃO , ETC."

Deixo um alerta tammbém que é de fundamental importância por parte do Governo de não se deixar levar por propagandas exageradas e importadas como vista acima, mas é hora de comecar a trabalhar com maior racionalidade e inteligência. Sinceramente, sinto bastante desconfortável em estar envolvido com um país como o Brasil, que possui excesso de leis ambientais que só servem de empecilhos ao curso normal do desenvolvimento.

Para concluir:

Vocês congelaram a Amazônia e limitam o desenvolvimento dela...O que vocês vão fazer com ela? Embrulhar e dar de presente para os países ricos?

Muito obrigado pela atenção!

by osenhor
Flávia e Wagner disse…
"Não se endireita a sombra da vara torta".

Ilustríssimo Aldo, esse momento é histórico e não tenho nenhuma dúvida de que você está mudando o ditado medieval que diz: "Nossos ídolos são martires que ainda não nasceram". Mirian, de uma forma mais translúcida e toda a GLOBO, de forma velada, são xifópagos dos atores do ecossocialismo da miséria - ditadura do século 21.
O tempo passou, mas pouca coisa mudou e ainda vemos a espada e a cruz de mãos dadas com os mesmos interesses: Prata/ouro/açucar no passado ou nióbio/tântalo/ouro/uranio/tório/titânio no século 21.
A América Latina não suporta outros 500 anos de solidão e exploração.

Wagner Salles
Cássio Marcon disse…
Se muitos rios hoje possuem meio metro de largura e secam na época da estiagem é por que lhes foi tirada as matas ciliares.

E não só estas. Toda floresta produz chuva, produz água. Produz solos férteis.

As florestas são um elo fundamental na rede da natureza, onde está também a agricultura.

A agricultura depende das florestas.

Ou vcs acham que todo o nordeste sempre foi assim tão seco??

Perguntem aos portugueses como era grande parte do nordeste quando estes pisaram pela primeira vez aqui.

Sem as matas muitas áreas do Brasil virarão desertos. A desertificação é um processo que já ocorre em muitos lugares.

O que provoca a desertificação? O desmatamento.

O que o texto fala? Que a desertificação está expulsando o trabalhador do campo.

Ou seja. O desmatamento expulsa o trabalhador do campo. Não as florestas.

Vamos preservas para produzir.

Ter florestas para plantas alimentos.

Isso é Brasil.

Não vamos copiar o resto do mundo.

Se os EUA não tem reserva legal o problema é deles.

Somo o país com mais florestas tropicais do mundo. Não podemos nos comparar a ninguém.

Sejamos soberanos e tomemos a melhor decisão para o Brasil.
Cássio Marcon..

Se muitos rios hoje possuem meio metro de largura e secam na época da estiagem é por que lhes foi tirada as matas ciliares.

AMIGO CÁSSIO,

PARA COMEÇAR,UM CERTO VOLUME DE ÁGUA CORRENDO NUM CANAL DE MEIO METRO NÃO É CHAMADO DE RIO, MAS DE CÓRREGO, E CÓRREGO NORMALMENTE ALIMENTAM RIOS, MAS CÓRREGOS TAMBÉM SE TORNAM RIOS EM ALGUNS CASOS, MAS EM MUITOS CASOS NÃO SE TORNAM RIOS.

CÓRREGOS PODEM VARIAR A TODO O MOMENTO, DE VOLUME DE ÁGUA, DE LARGURA, DE PROFUNDIDAMENTE, DE COMPRIMENTO, ETC.

DIFÍCIL DE ACREDITAR, NEM TODOS OS CÓRREGOS PRECISAM NECESSARIAMENTE DE MATA CILIAR PARA SOBREVIVER, POIS PARA TAL, VAI DEPENDER ONDE ESTÁ LOCALIZADO, NUMA SERRA, NUMA REGIÃO QUENTE, NUMA REGIÃO FRIA,SE O VOLUME DE ÁGUA É GRANDE OU PEQUENO, QUAL O PERCURSO A PERCORRER, ETC.

DESERTIFICAÇÃO EM ALGUNS CASOS É POR CAUSAS NATURAIS, SECA-SE UM CÓRREGO AQUI, BROTA-SE OUTRO ACOLÁ, E NÃO VEMOS ISSO COM FREQUÊNCIA NO BRASIL E NEM EM OUTROS PAÍSES QUE NÃO TÊM CÓDIGO FLORESTAL TÃO RÍGIDO COMO O NOSSO.

A MATA CILIAR TEM A SUA FUNCÃO EM CERTAS REGIÕES MAIS QUENTES. POR EXEMPLO, EM MINAS EXISTEM CÓRREGOS SEM MATAS CILIARES POR ANOS E ESTÃO FORTES COMO NUNCA, PORQUE SAO CURTOS, TEM PROFUNDIDADE, ETC.

(GERALMENTE A BEIRA DESTES PEQUENOS CÓRREGOS FORMAM "MATOS" QUE SEMPRE AJUDAM E NÃO PRECISAM TER 30 METROS DE CADA LADO).

O QUE VAMOS GANHAR EM TORNAR O BRASIL MAIS SELVA DO QUE JÁ É?

SE OUTROS PAÍSES RICOS NÃO TÊM RESERVA LEGAL PORQUE NA VERDADE ELES NÃO SÃO TOLOS COMO NÓS, PORQUE PODE CHEGAR A UM MOMENTO QUE A NOSSA AGRICULTURA PODERÁ ESTAGNAR POR TERMOS AJUNTADO TANTAS "LEIS DE PROTEÇÃO AO MEIO AMBIENTE" QUE NA REALIDADE NÃO PASSAM DE LIXOS DESNECESSÁRIOS, MAS QUE OS TOLOS COLOCARAM NAS CABECINHAS DELES QUE DEVERÍAMOS MOSTRAR AO MUNDO QUE SOMOS O MELHOR, MAS AS CONSEQUÊNCIAS NEGATIVAS DISSO, SERÁ NÓS QUE VAMOS SOFRER, COM CERTEZA, IMPORTANDO MUITOS TIPOS DE PRODUTOS AGRÍCOLAS.

PARA SE PROTEGER O MEIO AMBIENTE PRECISAMOS DE MEDIDAS SIMPLES E EFICAZ...SIMPLES ASSIM, SEM DITADURA!.

EXISTEM LOUCOS QUE SUGEREM ATÉ QUE COMAMOS MENOS PARA "AJUDAR" O PLANETA...QUE FAÇAMOS XIXI EMBAIXO DO CHUVEIRO PARA GASTAR MENOS ÁGUA...E POR AÍ VAI...LOUCURA QUE NÃO TEM LIMITES.

SE SOMOS O PAÍS COM MAIORES FLORESTAS DO MUNDO, ENTÃO TEMOS AINDA ESPAÇO PARA TORNAR ESTAS ÁRVORES EM ALIMENTO, POIS NO CASO DA AMAZÔNIA, SE NÃO OCUPARMO-LA, VAMOS PERDÊ-LA E AS PESSOAS NÃO LEVAM ISSO A SÉRIO, POIS ACHAM QUE VAMOS SEMPRE TER SOBERANIA SOBRE A MESMA POR MUITO TEMPO.

QUANTA INGENUIDADE!!

QUANTA ESTUPIDEZ!!!

OS PAÍSES RICOS DÃO RISADA, E VÃO DAR MAIS RISADA AINDA QUANDO A ONU, A FAVOR DESTES PAÍSES RICOS COLOCAR UMA LINHA IMAGINÁRIA NUMA PARTE DA FLORESTA E BRASILEIROS NÃO MAIS PODERÃO ENTRAR.
osenhordashostes disse…
Marina suspeita por apoiar lobby estrangeiro.


Parlamentares no Congresso ameaçam denunciar a senadora Marina Silva (PV-AC) ao Conselho de Ética, por sua associação ao lobby de ONGs estrangeiras contrárias ao novo Código Florestal.

Grande parte dessas ONG é financiada sobretudo por produtores agrícolas dos Estados Unidos, que temem uma maior competitividade do Brasil no bilionário negócio de produção e exportação de alimentos.

Muito suspeito

Marina Silva usou seu prestígio para forçar uma audiência de ONGs estrangeiras com autoridades como o ministro Antonio Palocci.

Fonte: site do Cláudio Humberto
emanuel disse…
Essa Mirian Leitão detesta produtor rural... também, coitada, A GLOBO a faz (ou ela o faz espontaneamente)opinar sobre fusão nuclear, o pulo da perereca, economia alemã, as tendencias do pensamento do Islã...enfim, é uma pessoa que não vale a pena escutar.. mudem de canal quando do seu comentário
emanuel disse…
> Senhores!
> Nunca vi uma classe aceitar tão passivamente o confisco de 20, 35 e 80% de seu patrimonio! As ONGs, financiadas pela Europa e Estados Unidos, com certeza, estão rindo de nossa bestialidade uma vez que estes percentuais são pontos pacíficos. Esta questão de meio ambiente é puramente, economica e deveríamos estar brigando por remuneração de serviços ambientais, de acordo com a tonelagem de carbono existente no bioma de cada propriedade, reserva georreferenciada, o produtor tendo a opção de decidir se preserva a vegetação nativa existente ou replanta determinada area, ou planta milho, soja ou arroz, sempre avaliando economicamente. O mundo, que já não tem mais reserva, ao invés de vir aqui, como estão fazendo - e conseguindo!!!!!!!!! - nos pressionar é deveriam estar sendo pressionados a criar um fundo internacional para remunerar nossos serviços ambiemtais sob pena de sucumbir todos! Eles possuem padrão de vida elevadissimo e nós ficaremos condenados a servir de jardim para a humanidade sem ter quem pague pelo pão e leite de nossos filhos! E tem mais: quem conseguiu abrir sua area, CONSOLIDAR, esta numa boa porem quem adquiriu uma propriedade recentemente só conseguirá trabalhar em parte dela! É injusto! Vejam a proposta de moratoria por 5 anos: como ficam estados como o Ma, To e Pi que só recentemente começaram a se desenvolver? Este Codigo Florestal, no pé que está, será aprovado com acordos e serão altamente prejudiciais ao nosso agronegócio! Os produtores rurais deveriam agir com mais inteligencia, ficar 99% na ilegalidade em 12/06/2011, plantar na safra 2011/2012 apenas o necessario para sua subsistencia, sem gerar excedentes para exportação causando com isso queda brutal do PIB, queda na venda de insumos e petroleo, desemprego, inflação de alimentos, etc... ai nós iríamos ver o governo brasileiro - e estrangeiro - valorizando nosso serviço! Colheiriamos os frutos nas safras posteriores, certamente!
> Fico triste quendo vejo reuniões com ONG de boizinhos, que nunca sujaram as mãos de terra e nem viram uma vaca de perto, juntamente com Antonio Palocci e outros que nada entendem de agronegocio decidirem nosso destino politicamente quando a questão deveria - pois é - puramente tecnica, a politica servindo para as negociações comentadas.
> É a minha opinião
Braso disse…
Miriam Leitão é uma mineira de caratinga, filha de pais envangelicos e teve uma educação de berço voltada a respeitar a bandeira Americana, talvez isso justifique sua obsessão em defender os produtores dos USA e Europeus, mas no meu conceito ela não passa de uma caipirinha que ainda não se identificou como pessoa urbana ou caipira da roça, que são as piores espécies de cidadãos, no meu caso sou caipira e sinto orgulho de ser um caipira e não sou hipócrita como ela.
Flávia e Wagner disse…
Braso,
parabéns pela leitura. É provável que Mirian nem saiba o porque da sua "defesa do meio ambiente" porque, hoje, no bom dia Brasil ela elogiou a produção de alimentos do nosso país daí, percebe-se que ela não sabe que grande parte da produção de alimentos do nosso país está, de acordo com o ATUAL CÓDIGO FLORESTAL ilícita porque ocupam espaços ilícitos.


Wagner Salles
Flávia e Wagner disse…
Braso,
parabéns pela leitura. É provável que Mirian nem saiba o porque da sua "defesa do meio ambiente" porque, hoje, no bom dia Brasil ela elogiou a produção de alimentos do nosso país daí, percebe-se que ela não sabe que grande parte da produção de alimentos do nosso país está, de acordo com o ATUAL CÓDIGO FLORESTAL ilícita porque ocupam espaços ilícitos.

Wagner Salles
Flávia e Wagner disse…
Cássio,
você é graduado em qual área do conhecimento? Com certeza não é a de Ciências Ambientais - "Conjunto de conhecimentos sistematizados, obtidos mediante a aplicação da observação e do método experimental científico, tendo como objetivo a biodiversidade".

Mesmo assim quero parabenizá-lo porque você entra no blog, emite suas opiniões e assina sua postagem.

Wagner Salles
ANTONIO disse…
Dizer que os que reivindicam mudanças no código florestal são os que produzem 80 % da nossa comida é brincadeira ....os que produzem Arroz, Feijão verduras e frutas são os pequenos produtores...os grandes produzem soja, sorgo, cana de açúcar...prestem atenção.....

Antonio carlos
Eng. Florestal.
Cássio Marcon disse…
Wagner,

Eu me formo este ano em Ciências Biológicas na Universidade Federal de Santa Catarina.

Abraços.
Cássio Marcon disse…
Caro osenhortodopoderoso,


Você entende o conceito de desertificação??

Seca um córrego aqui, brota outro acolá? O que isso quer dizer?

Segue abaixo informação retirada do seguinte trabalho científíco:
"BREVES REFLEXÕES SOBRE O DESENVOLVIMENTO GERADO PELA
AGROINDÚSTRIA NO MUNICÍPIO DE RIO VERDE, GOIÁS, BRASIL." de autoria de Heliton Leal Silva e Lúcia Cony Faria Cidade.

"No entanto, a ocupação desenfreada no passado deixou profundas marcas ambientais nos dias
atuais. O desmatamento para a retirada da cobertura vegetal dificulta a infiltração da água fluvial.
Assim, o abastecimento dos lençóis freáticos, diminui drasticamente. Mais de 300 pequenos rios
já secaram nos domínios do cerrado. Sem falar nas erosões e na compactação do solo, em função
da pesada mecanização. Esses problemas ambientais podem ser vistos em áreas de cerrado, onde
as atividades agropecuárias são expressivas, como é o caso da microrregião do Sudoeste Goiano."

O que me diz??

Isso que nem se fala na redução do próprio volume de chuvas provocado com o desmatamento.

Não defendo que o Brasil deva ser 100% floresta como já foi.

Defendo que possamos conciliar a produção agropecuária com a preservação das florestas, da água, dos ciclos naturais.

A lavoura depende da água, que depende da floresta, que depende dos animais, que dependem da água.

Todos estamos ligados. Todos somos um.
Cássio Marcon disse…
Segundo notícia do site cafépoint de 2008.

"Devido à estiagem dos últimos 2 anos, secaram alguns rios e represas no Espírito Santo, faltando água para a irrigação dos cafezais - situação como essa é vivida por muitos cafeicultores capixabas."
osenhordashostes disse…
ANTONIO

Dizer que os que reivindicam mudanças no código florestal são os que produzem 80 % da nossa comida é brincadeira ....os que produzem Arroz, Feijão verduras e frutas são os pequenos produtores...os grandes produzem soja, sorgo, cana de açúcar...prestem atenção.....

ANTÔNIO,

SIM, OS PEQUENOS AGRICULTORES SÃOS OS RESPONSÁVEIS PELA PRODUÇAO DA MAIOR PARTE DE NOSSA COMIDA, E SÃO ESTES OS QUE MAIS PRECISAM QUE ESTE CÓDIGO REMENDADO SEJA ATUALIZADO.

O NOVO CÓDIGO, SE APROVADO, BENEFICIARÁ MUITO MAIS OS PEQUENOS DO QUE OS GRANDES.

INFELIZMENTE OS GRANDES AGRICULTORES ESTÃO SENDO MAL INTERPRETADOS POR PARTE DAS ONGS INTERNACIONAIS E SÃO VISTOS COMO BICHO-PAPÃOS QUE QUEREM ENGOLIR A EUROPA.
Petterson disse…
Meu Senhor, o Antônio é a prova cabal de que esse povo não sabe sequer onde encontrar um pequeno agricultor. Acho que se eles um dia precisarem conversar com um vão procurar o número de telefone na internet......

Antônio, veja bem: pequeno agricultor é mais contra esta estapafúrdia lei ambiental do que eu, que sou um grande pecuarista. Mas não acredite no que te digo só porque eu estou dizendo. Vá conversar com eles. Mas não procurando na internet. Pegue o seu carro bem cedinho, 5:30 AM, dirija até uma cidade pequena, com menos de 20 mil habitantes, digamos; pare no boteco, peça um pingado, e preste atenção nas pessoas; se não tiver um pequeno agricultor por alí, pergunte ao dono do boteco onde tem um. Ele vai te indicar uma propriedade rural perto dali. Pronto. Vá lá e bata um papo. Faça isso outras 5 vezes e depois nos reporte o que eles disseram.
Boa sorte!
GEASA disse…
Meu pai era pedreiro, minha mãe era enfermeira, meus avós trabalhadores rurais, um tio é bancário, outro é pedreiro, a maioria operário; meus primos são operários, só um é pescador. Eu, estagiário.
Na família não temos empresários, mas que conste que na sociedade tem empresários na área metalurgica, rural, de tecnologia, etc. Na sociedade também tem os profissionais liberais nas mais distintas áreas. Quase nenhum desses citatos se especializou em produzir alimentos, mas todos precisam de alimentos.
Na sociedade complexa, da divisão social do trabalho, posso afirmar que o proprietário rural depende de cada um dos profissionais do país, de forma direta ou indireta, para se manter e suprir suas distintas necessidades.
Assim sendo, é interesse social que o proprietário rural produza alimentos com qualidade e com eficácia, assim como todos os outros profissionais do país executem suas atividades com qualidade e eficácia. E dentro da Lei!
Proprietários Rurais, essa chorumela de que vcs são o status quo social é uma distorção. A sociedade depende do serviço de vocês assim como vcs dependem dos serviços que a sociedade oferece.

Chega de choro, e continuem fazendo o que devem, que é produzir, e dentro da Lei.

Essa reforma proposta é um absurdo. Não tem buscado resolver seus verdadeiros problemas, mas sim favorecer criminosos.