Mea culpa: MMA e ONG reconhecem abusos do Ibama

Depois de passarem anos fazendo vistas grossas para os abusos do Ibama na cobrança das leis ambientais, ONGs e MMA começam a reconhecer os excessos. A ministra da Meio Ambiente, Izabella Teixeira, disse que o produtor rural não pode ser penalizado pelas mudanças feitas na legislação ambiental nos últimos anos. "Não pode ser tratado, o produtor rural, o pequeno produtor rural, como um bandido, como um criminoso. Isso não é justo. Têm pessoas que removeram, desmataram de acordo com a lei e agora a lei mudou e eles não podem ser penalizados", afirmou a ministra, em entrevista à rádio Band News FM, no último dia 24 de março.

O ambientalista do Instituto Socioambiental (ISA), Raul Telles do Valle, seguiu na mesma linha, durante audiência pública realizada no dia 23 de março pela Comissão de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável da Câmara dos Deputados. Ele criticou a criminalização dos produtores rurais prevista no Código Florestal e a forma como é feita sua fiscalização. "A fiscalização abusiva é um equívoco. Ninguém quer ver os produtores rurais multados, impedidos de produzir", afirmou. O ISA sempre foi uma das ONGs mais virulentas na cobrança pela ação de polícia do Ibama.

Comentários

Luiz Prado disse…
Quando a derrota se aproxima, eles mudam de posição para ficar "bem na fita".
Luiz Henrique disse…
Deus te ouça Luiz! Deus te ouça!
Vanessa disse…
Como se mudam os discursos... bem, ao menos foram reconhecidos os absurdos.. falta somente agora o aceite do Código Florestal de Aldo Rebelo. E que seja feita a votação!!!
Ana disse…
A mudança de posição varia conforme o interesse.Sabendo-se perdedores,mudam o discurso como quem finge que se preocupa, como se nunca soubessem dos absurdos mais torpes e reles que um grupo pode praticar contra outro em nome de um interesse mesquinho e desumano, quando o que conta é o dinheiro. Este fingir-se compreensível pelas conquistas dos opositores é somente para conquistar a simpatia dos ingênuos para continuarem a estudar estratégias para destilarem seus venenos de serpentes demoníacas. Quem teve a infelicidade de cruzar com um desses pelo caminho, roga a Deus que nunca mais torne a reencontrá-lo, desprezando-o como o animal mais ínfimo e peçonhento da face da terra.
Ana disse…
A mudança de posição varia conforme o interesse.Sabendo-se perdedores,mudam o discurso como quem finge que se preocupa, como se nunca soubessem dos absurdos mais torpes e reles que um grupo pode praticar contra outro em nome de um interesse mesquinho e desumano, quando o que conta é o dinheiro. Este fingir-se compreensível pelas conquistas dos opositores é somente para conquistar a simpatia dos ingênuos para continuarem a estudar estratégias para destilarem seus venenos de serpentes demoníacas. Quem teve a infelicidade de cruzar com um desses pelo caminho, roga a Deus que nunca mais torne a reencontrá-lo, desprezando-o como o animal mais ínfimo e peçonhento da face da terra.