Ciência Séria: Cientistas de Embrapa se recusam a participar do circo das ONGs

A Embrapa recomendou que seus pesquisadores que compuseram o Grupo de Trabalho dos cientistas mortos não participassem do circo armado pelos ambientalistas na última terça feira. Segundo o órgão, houve uma "orientação" para que os cientistas evitassem falar "em nome da Embrapa" sobre o tema.

A Embrapa fez parte do grupo de trabalho constituído em julho pela SBCP (Sociedade Brasileira para a Conservação dos Paradigmas) e pela ABC (Academia Brasileira de Ciências) para examinar o Código Florestal. O grupo revisou mais de 300 publicações buscando justificar o Código Florestal vigente e ainda não finalizou um relatório. No encontro da última terça, convocado por diversas ONGs verdes, pesquisadores da SBCP e ABC foram expostos feito feras de circo em nome do lobby ambiental.

O diretor-presidente da Embrapa, Pedro Arraes, orientou os cientistas da instituição a tomar "cuidado com posicionamentos". Assim, evitariam dar "conotação política" ao trabalho da Embrapa. "Nós não conhecemos o que estava sendo discutido naquela reunião, e eu tenho de zelar pela parte técnica."

Aprendam cientistas mortos! É assim que se comporta quem tem compromisso com o método e não quer ser usado feito palhaço de circo.

Comentários

Luiz Prado disse…
AS ONGs financiadas com dinheiro externo e as outras menores continuam "analisando" o meio ambiente como se houvesse um mundo sem seres humanos.... a única espécie que para elas não importa.. aqui no Brasil.
Luiz Henrique disse…
Eu não entendo pode existir leis ambientais que se dizem basear em dados científicos, ou melhor, feitas por técnicos que nunca fizeram pesquisa in loco e se dizem pesquisadores.
Não consigo entender como um rio mais largo tem que ter uma APP maior que um estreito, já que este ultimo é mais propicio a ocorrer assoreamento e como não é levado em conta nestes casos o declive e estrutura do solo.
Não consigo entender como só é permitida em certas épocas a pesca de determinadas espécies de peixe a partir de um determinado tamanho, sendo que estes maiores sim é que teriam de ser protegidos, pela maior qualidade e quantidade da ovulação e é claro que também por ter uma melhor qualidade genética, só pegar os maiores e devolver os menores causa uma degeneração da espécie.
Não consigo entender como é proibida, mesmo em temporadas para controle, a caça de certas espécies que depois de estarem sem predador natural se tornaram praga, prejudicando outras espécies e o próprio homem.
Não consigo entender como um produtor rural que sempre cumpriu a lei ambiental, passa a ser criminoso por retroatividade quando esta lei é mudada.
Não entendo como o Brasil é tão passivo em aceitar interferência externa em assuntos internos.
Não consigo entender como pode passar na cabeça de alguém, em uma região que representa mais da metade do território nacional, deixar 80% de reserva Legal.
São tantos os outros pontos que não entendo que acho melhor parar por aqui......
André disse…
Ok... falando em método. Não existe cientista sem método. A ciência, desde Descartes e Popper produz-se à partir do método claro, conciso e replicável. Caso contrário, não há ciência, portanto não há cientistas. Criticar cientistas dizendo cientistas sem métodos é como não dizer de cientistas. É como dizer de um religioso que não acredita em deus, é impossível!
Agora, se existem outras soluções que possam unir as questões econômicas e ambientais, elas devem estarem em sinergia. Não há o porquê de uma queda de braço, não há o tudo ou o nada. Pois acredito que os eficientes métodos da agronomia devem suprir com primor a necessidade de grande produção em pequena escala. Aliás, acredito que esta deveria ser a grande discussão em um local como este. Com um grande agrônomo como moderador deste blog, ao invés de medo da ciência, este deveria estar dizendo: -"Há uma solução viável, estudei e sou formado para isto." Pois se o mérito do método entra em questão, devemos abordar qual é o mais parcimonioso nos amplos aspectos que temos como relevância! Caros amigos, o ledo engano de pensar que a responsabilidade da preservação ambiental é apenas do governo, nos faz esquecer de que somos a NAÇÃO BRASILEIRA, o governo nada mais é que a representação de uma nação, e se o governo tem que se responsabilizar pelas áreas de proteção ambiental, isto quer dizer que ela representa uma nação responsável pelas áreas de proteção ambiental. Não podemos jogar a nossa responsabilidade para os outros ou mesmo para nossos políticos corruptos e ambiciosos. A ambição deles não os deixará pensar em vocês, em mim ou em qualquer outra pessoa que não o auto beneficie.
Se os cuidados ambientais não forem responsabilidade da NAÇÃO BRASILEIRA, vejamos o exemplo de Paragominas em seu site (nota: Paragominas é a cidade do blogueiro): http://www.paragominas.pa.gov.br/index.php?mod=article&cat=DadosGeogr%C3%A1ficos&article=73
Onde diz (na íntegra):
"Vegetação:

A vegetação originária do Município era representada pela Floresta Densa da sub-região dos Altos Platôs do Pará-Maranhão, pela Floresta Densa de Planície Aluvial e dos Ferraços. Entretanto, os constantes desmatamentos, provocados pelo avanço da agropecuária na região, reduziram, drasticamente, as grandes áreas cobertas pela floresta original, dominadas, hoje, por extensas áreas de Mata Secundária (Capoeira nos seus diversos estágios de desenvolvimento."
(ver: http://www.oeco.com.br/reportagens/22788-mudanca-na-fronteira-)

Meus amigos, eu acredito que com inteligência, sem rebeldia iremos nos unir em pró do BRASIL. Preservem as águas, as terras, as matas, nossa bela diversidade BRASILEIRA que compõe o maior bem como NAÇÃO que temos. Usem dos bons métodos para beneficiar a todos, lembrem-se que a água que passa em suas terras também abastecem cidades, crianças, pessoas mais a jusante. Não existe uma única causa. E podem ter certeza que os cientistas verdadeiros, aqueles com bons métodos estarão lutando pela NAÇÃO como um todo, não serão seus inimigos, irão representar-nos internacionalmente e criar os melhores professores para os filhos e netos de nossa sociedade. Os bons agrônomos estarão se preparando para a nova ordem mundial, a do consumo consciente e da preservação dos recursos naturais. Não tem como evitar mais isto. Tenho certeza que iremos em uníssono procurar os bons conselhos, não apenas daqueles que usam algum título de qualquer área para dizer que é o mlehor a se ouvir, mas aqueles que teem o compromisso com a verdade e com o PROGRESSO de todos. Sem imediatismos de lucro fácil, mas com a formação de uma produção segura, lucrativa e PERMANENTE!
Saudações de um brasileiro preocupado
RTBK disse…
Parem e pensem !....como uma tese pode ser considerada oficial se não foi comprovada? Efeito estufa ? Aquecimento global? tudo tese, tudo especulação para que os ricos continuem controlando os chamados "terceiro mundo"... aonde está escrito que já foi comprovado cientificamente? nem os cientistas querem colocar a mão no fogo...mas os "verdes" estão desesperados porque senão perdem o dinheiro das ONGS então o grande teatro global !!! ai ai aii me façam o favor !!!