Código Florestal: Folha de São Paulo admite que mentiu sobre o Relatório de Aldo Rebelo

No dia 16 de janeiro, no calor da contagem dos corpos da tragédia do Rio de Janeiro, a Folha de São Paulo trouxe na primeira página, uma manchete de duas linhas onde se lia: “Novo Código Florestal amplia risco de desastre”. Abaixo da manchete podia-se ver uma imagem de soldados do Exército usando máscaras e carregando um caixão. A foto ocupou mais da metade da página e ilustrou a reportagem de Vanessa Correa e Evandro Spinelli que garantiam que o Relatório Rebelo causaria mais tragédias como aquela e mais cadáveres como aquele. O jornal afirmou que a proposta de atualização do Código Florestal libera a construção em encostas.

No jornal de ontem, domingo (13), praticamente um mês depois, a Folha publica na seção “Erramos”, longe da primeira página e sem foto, estas linhas:


"Diferentemente do publicado na reportagem “Revisão do Código Florestal pode legalizar área de risco e ampliar chance de tragédia” e na manchete “Novo Código Florestal amplia risco de desastre” (Primeira Página), o substitutivo do deputado federal Aldo Rebelo (PC do B-SP) ao projeto que altera o Código Florestal brasileiro não libera a construção de casas em encostas."

Depois de acusar equivocadamente na primeira página com manchete e foto o Relatório do Deputado Aldo Rebelo, o jornal corrige a mentira com um eufemismo de poucas linhas tímidas. A manchete da Folha teve conseqüências. Foi repetida amiúde pelos idiotas úteis do ambientalistmo e hoje há quem acredite que a mentira do jornal é verdade. O lobby verde, que tem interesses inconfessáveis na nossa agricultura tropical usará o factoide do prestigiado jornal para dirigir a opinião pública a seu favor.

Não satisfeitos, a Folha tentou preencher a pauta do dia sobre o Código Florestal com outras reportagens e entrevistas sobre o tema. Dessa forma a atenção de todos foi desviada da publicação do erro crasso (ou mentira deliberada) do jornal para sua abordagem do tema Código Florestal. A Folha deveria encontrar uma forma mais honesta de desfazer seu sofisma. É a credibilidade do jornal que está em jogo.

Esse episódio mostra ainda um outro problema determinante das distorções no debate do Código Florestal. Admitamos, que os repórteres Vanessa Correa e Evandro Spinelli não tenham agido de má fé e construído o sofisma deliberadamente. O conteúdo falso que eles puseram no matéria denota a perda do compromisso com a verdade e com a imparcialidade. Os jornalistas tomaram partido. Quase tudo o que se escreve hoje sobre o Código Florestal evidencia a morte da imparcialidade. Até as academias de Ciência brasileiras vem assassinando o método para defender um dogma.

Os produtores rurais estão numa esparrela. Precisam lutar contra repórteres parciais e cientistas sem método. Não é uma luta justa, mas é a única que há.

Comentários

Felipe Nery disse…
Meu Deus do Céu ! "...idiotas úteis do ambientalismo...". Este blog falando em imparcialidade ?? (vamos ver se você vai publicar minha opinião, mantendo a tão aclamada imparcialidade.)
André disse…
"Ciêntista sem método?" O que vc sabe sobre método? Vc por acaso conhece os cientistas que debatem o código florestal? Por um acaso estas pessoas publicariam na Nature se não detivessem bons métodos para isto? Vc já leu a Nature? Vc sabe o que é ciência? Meu caro, vc na certa é mais um ambicioso inescrupuloso querendo lucrar imediatamente sem ter em mente a consciência nas futuras gerações. Na certa malha a terra e a esgota sem pensar nos recursos naturais não renováveis que desvalorizam seu método de cultivo. Por um acaso vc é consciente de seus próprios métodos? Será que eles são os melhores para sua a minha e a vida de seus filhos e netos? Ou os são apenas para o seu bolso? Esta bancada ruralista egoísta deste país já passou da hora de ser desbancada!
Saudações biológicas!!!
Ciro Siqueira disse…
1. Sim.
2. O suficiente para ter um dissertação de mestrado aprovada por unanimidade.
3. Sim.
4. Sim.
5. Sim.
6. Vide resposta 2.
6. Isso é um pré julgamento seu que, por sinal, está redondamente errado.
7. O erro da 6. torna 7 outra idiotia.
8. Idem anterior.
9. Concordo.
10. Grato por sua particpação.
A legislação ambiental e florestal de um país como o Brasil é uma necessidade real, constituindo-se em uma questão das mais sérias e devendo, portanto, ser discutida com clareza, aprofundamento, seriedade e boa vontade... o que deve prevalecer são os interesses e benefícios sociais coletivos, com foco na sustentabilidade humana e de outras formas de vida, em detrimento dos ganhos individuais ou dos interesses de pequenos grupos ideológicos, econômicos ou políticos (mesmo que mais influentes, poderosos ou ricos). Nessa discussão não se deve esquecer que, em Ecologia, considerada aqui como uma Ciência e não como uma bandeira ideológica, é um equívoco tratar esta questão sob o enfoque exclusivo das necessidades da espécie humana.
soulfabbio disse…
Ciro,

As suas palavras são notadamente direcionadas aos seus próprios interesses, e sua crítica ao sofismo da Folha de São Paulo, você mesmo pratica. No alto da sua página tem uma contagem referindo-se ao "Dias para criminalização do Ruralista Brasileiro". O código não vai criminalizar os ruralistas brasileiros, isso é alarde demais da sua parte. Vai criminalizar aqueles que realmente praticam crimes contra as florestas, que vem trabalhando pensando em lucro fácil. Mais do que novas áreas para plantar precisamos é desenvolver mais ciência, para aumentar nossa produtividade nas áreas que já utilizamos, fazer cultivos utilizando a técnica de agrofloresta, aprendendo mais com inteligência e perfeição que se manifestam na própria natureza. A intervenção do homem nas leis da natureza até hoje não nos rendeu nada de produtivo. Retire o homem de cima da face da terra e natureza se recuperará e florescerá como nunca antes. Retire a natureza da terra e veja se o homem sobrevive? A natureza é superior a raça humana pq não depende de nós. Nós é que dependemos dela.
Ciro Siqueira disse…
Caro, Fabio, agradeço sua participação, mas você está mais por fora do bumbum de curumim.

A contagem regressiva do blog não se refere a criminalização dos ruralistas brasileiros. Se refere a criminalização da agricultura nacional.

O código Florestal vigente não criminalizará apenas quem cometeu crime. Ele criminalizará também gente que agricultou áreas LEGALMENTE quando as exigências legais eram diferentes.

A Folha de São Paulo não sofismou. Ela mentiu claramente. São coisas diferente. A Folha é um jornal, que precisa, por força do jornalismo, tentar manter alguma imparcialidade. Meu blog é um blog de opinião. Todas as postagens refletem a minha leitura do tema. Também são cosias distintas.

A reforma do Código Florestal não vista a expansão da fronteira agrícola. Isso o Código Florestal vigente autoriza. A reforma visa a preservação da área agrícola existente hoje.

O homem só passou a ser homem depois que aprendeu a interferir na natureza. Antes disso era só mais espécie de macaco. Se o Sr acho que era melhor ser macaco, pode tentar, falta pouco.