Carta aberta aos produtores, presidentes de Sindicatos Rurais, de Federações Estaduais e da Confederação Nacional

Este ano de 2011 será decisivo para o futuro da produção rural brasileira. Nos próximos meses haverá uma movimentação intensa em Brasília em torno da votação do relatório do Deputado Aldo Rebelo que altera o Código Florestal. Todos conhecemos os efeitos que o Código Florestal vigente por meio da Medida Provisória 2.166/67 de 2001 causa nos produtores rurais e sabemos a importância de adequá-lo à realidade.

Clique aqui e faça download e acesse o documento.

Comentários

Ju disse…
SÓ POSSO DIZER QUE ESSE BLOG, ASSIM COMO ESSA IDÉIA HIPÓCRITA DE MUDANÇAS NO NOSSO CÓDIGO FLORESTAL, É O CUMULO DO ABSURDO. ENQUANTO AS PESSOAS IGNORANTES COMO VC (POIS SEI QUE NÃO VAI POSTAR MEU COMENTÁRIO)NÃO SE DEREM CONTA DO QUE REALMENTE É IMPORTANTE, NÃO SÓ PARA O SER HUMANO COMO PRA TODOS SERES, ESSA BARBARIE CONTINUARÁ. TU REALMENTE ACHA QUE GANHAR DINHEIRO AUMENTANDO A ÁREA DESTINADA À AGRICULTURA VAI TE DAR MAIS QUE DINHEIRO??? E O QUE É DINHEIRO PRA VC, TUDO???
DEVE REVER SEUS IDEAIS E REFLETIR SOBRE UM FRASE QUE EU, PARTICULARMENTE, CONSIDERO A MAIS PURA REALIDADE:
VIVER É COISA RARA, A MAIORIA DAS PESSOAS APENAS EXISTE. EXISTE... EM BUSCA DA REALIZAÇÃO FINANCEIRA E ESQUECE DE VIVER.
CRITICAR AS PESSOAS QUE ESTÃO INDO EM BUSCA DE SEUS IDEAIS DE VIDA DEFENDENDO O POUCO QUE AINDA RESTA DA NOSSA FLORA E FAUNA (NÃO EM ZOOLÓGICOS...)COMPROVA A NECESSIDADE QUE VCS TÊM DE ALIENAR AS PESSOAS QUE SÃO SEUS ALVOS, PARA QUE ELAS CONCORDEM COM ISSO E LUTEM (NÉ....) POR UMA CAUSA MESQUINHA COMO ESSA.


JULIANA BROCHIER MARASINI
juliana_bmarasini@yahoo.com.br (aguardo resposta)
ALUNA DO CURSO DE GRADUAÇÃO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS, UFRGS (UNIVERSIDADE FEDERAL DO RS)
Ciro Siqueira disse…
Prezada Juliana,
Criticar as pessoas que estão indo em busca de seus idéias de vida é exatamente o que você fez como seu comentário. Nunca na vida defendi aumentar a áreas destinada à agricultura. Desafio você a apontar isso aqui no blogg eu em qualquer outro lugar. Você concluiu isso, apressadamente, pq tem as mãos cheias de pedras. O Código Florestal existe desde 1934 e toda a devastação da Mata Atlântica, do cerrado, do pampa, do pantanal, da caatinga e da Amazônia, ocorreram sub sua vigência. Ele nunca protegeu nada. Porque você acha que uma lei que nunca protegeu nada é boa.
O Código Florestal precisa ser modernizado para o bem da própria preservação ambiental. A modernização que eu defendo não é a mesma que você tem na sua cabecinha desorientada. Você fez vários outros pré julgamentos no seu comentário, nenhum deles tem qqr relação com a realidade. Vc não me conhece o suficiente para sustentar qqr deles.
Lutar pela preservação ambiental é importante demais pra ser feito só com paixão e vontade.
A mente da gente é como um paraquedas. Funciona melhor quando está aberto.
Grato por sua participação no blogg.
lozico disse…
Parabéns Prof. Ciro. Sua resposta ao desabafo descuidado da estudante Juliana serviu para todos nós. Existem algumas abordagens mais difíceis do que outras. Se a jovem Juliana estiver querendo o melhor, que também todos queremos, mostre sua tese participativa com o máximo interesse sem a eventual cegueira da paixão. Quem sabe ela terá muito a nos ensinará, pois o seu comentário, ainda que enfático, nada acrescentou.
Cristina disse…
Olá Ciro! É um prazer ver sua disposição em esclarecer muitas pessoas à respeito do Novo Código Florestal. Sou pequena produtora no Sul de Minas e faço Pós-Graduação em Educação Ambiental pela UFLA. Creio que há, além de muita desinformação e um pouco de má-fé de certos "ambientalistas", uma mistura de realidade e ideologia. Comentários imbecis como este desta moça lá do RS eu ouço muito da minha turma. As pessoas são contra sem nem saber o porquê. Ouviu alguém falar e como maritacas saem repetindo sem uma análise crítica da verdade. Por isso te parabenizo por trazer ainda mais informações sobre este assunto tão importante. Abs, Laysa.
Marco disse…
Caro Prof. Ciro:

Em primeiro lugar eu gostaria de parabeniza-lo pela iniciativa deste Blog com o intuito de esclarecimento.ulgam, investigam e
Sou Engenheiro Florestal formado Em Curitiba desde 1987 e Moro na Região Amazonica e trabalho desde 1989. Nos aqui sofremos a consequencia de uma legislação inadequada, de pessoas leigas quanto as questões tecnicas e praticas da resalidade local e de campo, que julgam, investigam e punem sem o menor cuidado com a dignidade do ser humano.
Sou um defensor arduo do cuidado com as questões ligadas ao meio ambiente, mas vejo muito radicalismo e pouca ação eficiente em relação a medidas mitigadoras ou compensatorias de passivos ambientais. Hoje a legislação coloca o produtor Rural dentro da marginalidade, numa região que o estado nunca esteve presente para orientar ninguem. Apenas punir. Passivos ambientais se corrigem com medidas reais dentro de uma realidade real e compativel com o que a realidade de campo nos permite. Multar ou prender pessoas não resolve o problema; E sim ações Reais e concretas. Parabens por esta sua iniciativa. Talvez ela permita que muitos possam vislubrar a verdade e não estas lendas fabricadas por interesses estrangeiros por cobiça e ou medo de que o Brasil se torne uma grande Potencia Mundial. Obrigado e Parabens.

Marco Antonio
Só hoje vi a Carta.

Parabéns pela iniciativa.

Parafraseando o Chacrinha, quem não se mobiliza se estrumbica.

Vinícius Nardi
léia disse…
Olá, meu nome é Léia e sou estudante de Gestão Ambiental,vim agradecer a iniciativa do prof.Ciro em esclarecer o entendimento do novo CFB.,POIS ESTOU INICIANDO MINHA FACULDADE AGORA E GOSTEI MUITO DOS ESCLARESCIMENTO,PORQUE EU ESTAVA MEIO PERDIDA.GRATA
solange disse…
Concordam em aumentar o desmatamento em área de APPs, próximos a rios lagoas e córregos?
Concordam que as propriedades não devem mais ter reserva legal.
Não acredito como meia dúzia de latifundiários, porque eta é a quantidade em relação apequenos produtores, conseguem fazer a cabeça da maioria.
Acordem!!Muita gente já sofreu por defender a natureza e os homens!!
Muita gente já morreu porque não cuidamos das nossas matas ciliares e construimos nos morros e encostas!!!
Só vão acordar quando seus filhos não tiverem mais água pra beber e a terra não conseguir mais reagir a tanta devastação!!
Será que vale tanto a pena ter o dinheiro que ganham hoje, e amanhã não ter mais futuro pra ninguém?

Pedro Cabral
Ciro Siqueira disse…
Caro Pedro Cabral, controle-se.

As APP de 30 metros tornam inviáveis a produção em pequenas imóveis com muitos córregos. É certo que reduzir a proteção ambiental é uma tolice, mas é uma canalhice pior não se importar que pequenos produtores se phodam para preservar o meio ambiente para vc.
As Reservas Legais devem ser públicas. Ônus público preservando benefícios públicos. A lei hoje exige que o produtor rural pague para outro se beneficiar.
Vê-se que seu tratamento é preconceituoso em relação a "latifundiários". A questão do Código Florestal é muito mais complexa do que meia dúzia querendo destruir o mundo contra os ambientalistas do bem. Esse tipo de vizãozinha míope tem levado o debate aos impasses comuns.
Estudo melhor a questão antes de sair por aí gritando sua fé.
Se há alguém dormindo aqui esse alguém é o Sr.

Pero Caminha.
Diego disse…
Acho q essa Juliana, ta estudando tanto q pirou e esta ficando cada vez mais burra,ou não passa d uma menina mimada q nunca colocou o pé na terra com medo d bactérias, é dificil colocar o futuro d um País sob um olhar d pessoas q nasceram onten e ouve um poquin d histório p boi dormir e ja acha q sabe tudo..Vai crescer Juliana, e c vc não entende d q vc esta falando, é melhor ficar quieta.
Adolfo Carlos disse…
falou bem o colega que defende os pequenos produtores , tem muitas propriedades pequenas que são retalhadas por sangas (coregos dágua)e por rios,como ficara se essa propriedade esta tomada de araucaria asveses sobrando no muito 5 porcento para cultivo pois arucaria esta proibido o corte. muitos proprietarios quando ve uma araucaria nacida logo a aranca pois quando a crecer não podera cortar , se o governo liberasse o0 corte da araucari averia muitos reflorestamento de araucaria que e uma madeira muito superior que a de pinos no entanto vem se desenvolvendo reforestamento de pinos e eucalipto (a araucaria desenvolve ao mesmo tempo que o pinos se cultivar igual)
Daniel disse…
Parabéns por essa iniciativa Prezado Ciro. Esse sim é um tema importante para nos produtores rurais; As pessoas devem ficar ciente, que não temos intenções de destruir, mas sim produzir com sustentabilidade para alimentar essa população mundial , que é crescente e para isso não necessitamos desmatar, somente melhor nossa eficiência em produzir....
Concordo que devemos modernizar nossa agricultura, usar técnicas e tecnologia que preserve o meio ambiente.
Renato disse…
Prof. Ciro

Não é pro que o Código é velho que devemos desrespeita-lo, Lei é para se cumprida ou mudada,concordo que o código deva ser revisto, no entanto precisamos reconhecer os serviços ambientais que ate então utilizamos de maneira indiscriminada, através de crimes ambientais realizados pelos produtores, o impacto que os produtores fazem , não generalizando, não pode comprometer a vida da sociedade e da biodiversidadade. O que querem os produtores é serem perdoados dos seus crimes, e mais aliviando sua pena para atividades compensatória que não retomarão o os serviços ambientais realizados , como também os processos ecológicos existentes nos ecossistemas.

Creio que podemos entrar sim num consenso e nessa hora o dialogo é a melhor solução, mas crime é crime, lei é lei e criminoso tem de pagar. Todos acham e achavam que infringir a lei ambiental nunca seriam apenados, agora é a hora de no mínimo reconhecerem seus erros e não arrotarem justiça.
Abraço

Renato
Renato disse…
Prof. Ciro

Não é pro que o Código é velho que devemos desrespeita-lo, Lei é para se cumprida ou mudada,concordo que o código deva ser revisto, no entanto precisamos reconhecer os serviços ambientais que ate então utilizamos de maneira indiscriminada, através de crimes ambientais realizados pelos produtores, o impacto que os produtores fazem , não generalizando, não pode comprometer a vida da sociedade e da biodiversidadade. O que querem os produtores é serem perdoados dos seus crimes, e mais aliviando sua pena para atividades compensatória que não retomarão o os serviços ambientais realizados , como também os processos ecológicos existentes nos ecossistemas.

Creio que podemos entrar sim num consenso e nessa hora o dialogo é a melhor solução, mas crime é crime, lei é lei e criminoso tem de pagar. Todos acham e achavam que infringir a lei ambiental nunca seriam apenados, agora é a hora de no mínimo reconhecerem seus erros e não arrotarem justiça.

Publique...
Abraço
Renato
Ciro Siqueira disse…
Caro Renato,

O Sr. sabe de onde veio o arroz que o Sr. comeu hoje?

Imagine que ele tenha vindo de uma várzea agricultada com recursos e incentivos do governo. Quem é o criminoso? O produtor que plantou na várzea, ou o Sr. que comprou e comeu o arroz?

É um canalhisse moral viver na urbe tendo apenas o trabalho de esticar o braço para comprar comida em um supermercado e achar que apenas o produtor rural é criminoso.

Ademais, esse blog não se levanta a favor da destruição ambiental ou deste ou daquele relatório. Esse blog se levanta contra a canalhisse de atribuir a outro o "crime" que, no fundo, é de todos, é inerente a condição humana.

Grato por sua participação no blog.

Ciro Siqueira
sami_cml disse…
sou a favor de uma EVOLUÇÃO SUSTENTÁVEL, e isso significa sim evoluir e mudar as coisas para MELHOR, mas esse código não entra nesse requisito.

fácil provar como esse código oferecido não tem embasamento científico! faço apenas uma pergunta, VOCÊS SABEM PRA QUE SERVE A AREA EM VOLTA DOS RIOS, E COMO ELA É DENOMINADA ?? o nome se chama "área de alagamento".
acho que não preciso explicar muito, o GOOGLE está aí pra isso, aos que não tem conhecimento, procurem saber um pouco mais.
ajudar os micro-agricultores sim, mas tirando eles, esse código é ABSURDO.
então porque não lutam por uma reformulação do código atual ?
lutem pelos direito e não pelo dinheiro.
acho que uma reformulação com propósitos benéficos para os agricultores que sofrem com isso, seria uma grande evolução, mas esse novo código já é fora dessa realidade e objetivo.

todo mundo luta aonde lucra mais. e é isso o que vocês estão fazendo, sem pensar nas consequências.

"Quando a última árvore tiver caído,
quando o último rio tiver secado,
quando o último peixe for pescado,
vocês vão entender que dinheiro não se come"

Samantha Bueno
Aluna do curso de graduação de Oceanografia pela UNIVALI-SC
Ciro Siqueira disse…
Deus tenha piedade de nós!
Renato e Sami_cml,

O principal problema do Código Florestal é que ele NÃO TEM LEGITIMIDADE, pois foi feito de maneira autoritária e arbitrária.

Além disto é SOCIALMENTE INJUSTO e ECONOMICAMENTE INVIÁVEL, portanto não respeita estes princípios básicos da sustentabilidade, logo NÃO É SUSTENTÁVEL.

Só por estes motivos já é imoral exigir o seu cumprimento, pois simplesmente ele é inaplicável.

Aqui, uma incoerência, pois ambientalistas de verdade são idealistas e, idealistas não compactuam com coisas arbitrárias, injustas e imorais. Logo, os que defendem este atula CF não são idealistas, nem ambientalistas de verdade.

Não deu problema antes por que não era exigida a sua aplicação, mas a partir do momento que foi exigida a aplicação verificou-se que não dá para aplicar.

Além disto é irracional e SEM FUNDAMENTOS TÉCNICO-CIENTÍFICOS, pois impõe límites iguais para locais totalmente diferentes.

Etc, etc...

Simplesmente não dá para "melhorar" pois está intrinsecamente errado.

Tem que fazer outro.
Elaine disse…
Faço ciências biológicas, filha de agricultor e sou contra a aprovação do novo Código, estava procurando noticias sobre o assunto quando me deparei com a seguinte frase aqui no blog " mas é uma canalhice pior não se importar que pequenos produtores se phodam para preservar o meio ambiente para vc." é lógico que eles são prejudicados sim, isso é um caso particular que teria que ser revisto e não " piorar" o que já é ruim, como o Ciro citou de que houve tanto desmatamento e que essa lei nunca foi realmente cumprida, só que se ela existindo já é feito pouco caso imagine como estaria nosso país hoje sem ela. E pra finalizar eu tive que rir da parte de "os pequenos produtores que se fo*** pra preservar o meio ambiente pra vc"... os ambientalistas defendem o bem de todos quanto a preservação e não o bem de um único individuo. Achei o blog bem interessante por que é sempre bom ouvir os dois lados de um assunto que gera tanta polêmica, só que quando vi esses comentários tive a iniciativa de " entrar" na conversa.
... disse…
Parabens Ciro!
Vejo que por aqui muitos defendem as leis absurdas que estão atando os pés e as mão de muitos produtores. A questão não é a existência ou não de uma LEI,a questão é que LEI COERENTE DEVE SER SEGUIDA POR TODOS, A final "TODOS SÃO IGUAIS PERANTE A LEI" CERTO? e uma lei COERENTE é aquela fundamentada em princípios que proporcionam o bem COLETIVO, COLETIVO MESMO( não daqueles que fazem diferente mas um dinheirinho por tras resolve tudo)... acontece que neste pais onde se leva dinheiro publico para casa dentro de cuecas em quanto pessoas não tem saude, educação, alimento etc nada funciona como se funcionaria em qualquer outro lugar onde as pessoas tem bom CARATER. Meus caros, abram os olhos! aqui reina é a impunidade, corrupção. a teoria é uma coisa mas na pratica são os pequenos produtores sim as principais vítimas, como se já não bastasse tanta burocracia e tantos impostos sobre seus humildes produtos. e centenas de dificuldades a mais que poderia relatar aqui. É claro que o meio ambiente vem em primeiro lugar, mas que isso aconteça de forma justa e igualitária, não como uma ferramenta política para "inglês ver", pra fazer bonitinho para os paises la de fora. Olha... é revoltante, como se já não bastasse lutarmos com os adversários de fora, nossos próprios compatriotas parecem gostar de ver este país cada vez mais entregue ao absurdo, ao imoralismo, a impunidade... Lamentável.
Ismael Francisco disse…
Olá, Sou estudante de Gestão Ambiental e em partes concordo com a Juliana. O ser humano, hoje, pensa muito no poder economico que esta ou aquela atividade possa ter. O mundo por um fio, por dúvida, aumentar a produção agrícola para alimentar a humanidade, ou preservar o pouco que nos resta da natureza. Se bem que o produtor agrícola brasileiro não está interessado em preservação ou se vai matar a fome de alguém. Está mais preocupado em quanto vai lucrar com a terra desmatada. Por outro lado, o código florestal em vigência não funciona. Uma lei que de nada adianta, pois tudo e todos querem ser maiores que elas. As penas para o crime cometido nesta lei não passa de papel. Mas porque ao invés de fazermos outra lei que gera uma polêmica e que a considero desumana, não fazermos funcionar o que já temos?
SE HOMEM DEIXAR DE EXISTIR A NATUREZA AGRADECE.
Mas como disse o nosso amigo Marcos, acrdito que ele não vê noticiários ou lê jornais, pois cada dia mais está crítica a situação ambiental mundial, que temos que preservar o que nos resta, pois esta situação é irreversível.

Ismael F. dos Santos
ifs@catalao.com
JOSÉ ROBERTO disse…
Todo brasileira deveria tomar vinte por cento de seus bens e registra-los como bens indisponíveis por conta de causas ambientais. Quanto as APPs deveriamos começar desmanchando a Marginal Tiete, Pinheiros, Av. do Estado, Anhangabaú,etc e plantando vegetação como era antigamente, observe: são areas de APP, intocáveis. As margnes de todos os corregos que são aconpanhados por avenidas, tira-se o asfalto e planta-se vegetação original da area. E o principal, os rios que chegam limpos até as areas urbanas deveriam quando saem do outro lado estarem limpos como vieram das nascentes. Acredito que todo morador urbano queira cumprir com o codigo florestal, portanto iniciem uma campanha solicitamdo a adequação das APPs nas areas urbanas e parem de culpar que produz alimentos com responsabilidade, sem pequenos produtores familiares ou latifundiários . Vaca não dá leite em caixinha como muitos acreditam, porque é o único leite que conhecem e nunca sairam da cidade grande pra ver com que dificuldade o homem do campo consegue produzir o seu alimento. Aprendam a respeitar quem com sacrificio poe seu alimento na mesa.
Tatiana disse…
Deixo aqui uma pequena sugestão: só deveriam criticar aqueles que REALMENTE leram o relatório de Aldo Rebelo. E nem precisa ir até o final não, já nas primeiras páginas pode-se perceber o porquê da reforma!! Depois disso, me diga quem está sendo mesquinho...
Me desculpem, mas a postura cega e moralista da ELITE que se diz ambientalista é o que é hipocrisia!!!
Se mesmo após ler (e compreender) alguém achar que a reforma do CF NÃO é necessárin (é óbvio que não é perfeita, e por isso que deve continuar sendo D-I-S-C-U-T-I-D-A) e tiver argumentos inteligentes, fundamentados, úteis e realistas, por favor, aí sim, venha postar seu comentário...

Tatiana Reis
Bióloga;
Especialista em Educação, Meio Ambiente e Desenvolvimento - UFPR;
Mestranda em Agroecossistemas - UFSC
Fábio disse…
Pensando em tudo que ja foi dito, pergunto aos amigos desse blog, e a preservação das ares desmatadas da cidade??? Onde sera a reserva legal das cidades?? Pq so os agricultores devem preservar e a cidade continuar a desmatar e morar nas barrancas dos rios e encostas de morros??
Sera que esses ambientalistas nao tem um pingo de vergonha na cara?
Sou agricultor do estado do Rio Grande do Sul e acho uma tremenda bobagem esse codigo, pois ainda nao vi em nenhuma linha escrito que as cidades tambem vao ter que preservar!!
Fábio,

Está escrito sim, que o Código Florestal (CF) tem que ser cumprido nas áreas urbanas das cidades.

O artigo 2º do CF define as Áreas de Preservação Permanente (APPs), ou seja, áreas que não podem ser desmatadas ou utilizadas, sendo que no seu parágrafo único assim prescreve:

“No caso de áreas urbanas, assim entendidas as compreendidas nos perímetros urbanos definidos por lei municipal, e nas regiões metropolitanas e aglomerações urbanas, em todo o território abrangido, obervar-se-á o disposto nos respectivos planos diretores e leis de uso do solo, respeitados os princípios e limites a que se refere este artigo.”

Já é entendimento pacífico no meio jurídico que o texto “RESPEITADOS OS PRINCÍPIOS E LIMITES A QUE SE REFERE ESTE ARTIGO”, significa que nas áreas urbanas as leis municipais PODEM SER MAIS RESTRITIVAS, mas NÃO PODEM SER MENOS RESTRITIVAS DO QUE O CF.

Acontece que o interesse dos falsos ambientalistas é impedir a produção agrícola, logo eles querem obrigar as áreas rurais a cumprirem o CF, mas não se importam com o que acontece nas áreas urbanas onde o CF é descumprido com a conivência dos falsos ambientalistas e das autoridades.

Isto, além de configurar uma enorme injustiça social, mostra claramente qual é a verdadeira intenção dos falsos ambientalistas e das autoridades.

Vinícius Nardi,
Preservação e Desenvolvimento Justos, Sustentáveis e Eficientes
Leticia disse…
Ai... ai.... como em tudo na vida cada um tem uma opnião! Sou um mero estudante de curso técnico em MA do IFF santa Rosa, bom claro sou contra a redução de RL e App no geral, porém mesmo trabalhando com preservação do Meio ambiente não podemos deixar de lado a questão humana, afinal nosso objetivo é ou deveria ser trabalhar para melhor a vida das pessoas..... Isso passa pela preservação de rios, florestas, fauna e flora como um todo... Mas também acredito que devemos estudar cada situação separadamente, as propriedades maiores não deveria ser mudado nada, mas o pequeno produtor que em grande parte das vezes herda suas terras como vai fazer se perde boa parte de sua fonte de renda em função de apps e RL???? deixa morrer de fome?Vai pra cidade viver subempregado?
Bom isso que a grande maioria dos "ambientalistas" sem conhecimento dos 2 lados da moeda ignoram...
Ai entra a questão do bom senso tão difícil de encontrar, se queremos preservar mantenhamos o codigo atual e façamos valer! Porém do mesmo modo temos de proporcionar condições de vida a estas famílias de depedem das terras afetadas, pq não criar uma fundo de compensatório para estas pessoas, se eu tenho minha propriedade dentro das condições exigidas recebo por isso ( ai entra uma complexa questão orçamentária) ou então criar alternativas de manejo financeiramente viáveis para a utilização dessas terras dentro do codigo atual.
Devemos lutar pela preservação ambiental, mas sem perder a dignidade humana de vista.
No momento está é minha percepção, talvez no futiro mude afinal cada dia que passa apreendo e mudo meus paradigmas.
Abraços.
Letícia, você está certa. Para consolidar sua percepção, veja reportagem do Globo Rural no município de Extrema, sul de MG, que, sem querer, mostra como deveria ser a nova Legislação Ambiental (LA) e como é injusta, sem fundamentos técnico-científicos, arbitrária, irracional, ineficaz, etc, a atual LA.

A propriedade dum agricultor pobre, Seu Galdino, tem 24,0 ha (hectares), mas se seguisse o atual Código Florestal (CF), restariam apenas 1,2 ha.

Restariam 1,2 ha porque não aplicaram total a resolução CONAMA 303/2002 que deveria só regulamentar “Topo de Morros”, mas Legisla Ilegalmente ao incluir “Conjunto de Morros” e “Linha de Cumeada” que pegam não só o “topo” mas todo o morro e não restaria nada.

Seu Galdino teria que encerrar as atividades e ser removido com a família, pobres, sem recursos e sem qualificação para atividades urbanas.

É UM CONFISCO TOTAL DAS ÁREAS RURAIS, SEM COMPENSAÇÃO, DEIXANDO FAMÍLIAS DESAMPARADAS E NA MISÉRIA.

Quem tem um mínimo de boa fé não pode aceitar isto.

Sorte que em Extrema as autoridades não aplicam a atual LA ao pé da letra. Usam o bom senso e dão exemplo de como DEVERIA SER a NOVA LA, pois:
1) permitem o uso de parte das APPs com compensações e técnicas que viabilizam o uso econômico da área (Desenvolvimento) e a Preservação Sustentáveis e Eficientes;
2) pagam pelos projetos, obras e plantios necessários para recuperar e proteger as APPs;
3) efetuam o Justo Pagamento pelos Serviços Ambientais (J-PSA) prestados pelas áreas efetivamente preservadas;

Comprove vendo o vídeo no You Tube – Serviços Ambientais em Extrema – Parte 02/04
http://www.youtube.com/watch?v=UacCg7yUGhU&feature=related

Veja como foi acomodada a situação do Sr. Galdino para que ele não tivesse que encerrar as atividades

Comprove vendo o vídeo no You Tube - Serviços Ambientais em Extrema - Parte 03/04
http://www.youtube.com/watch?v=Ip3bxp1BGy0&feature=related

Vinicius Nardi
Preservação e Desenvolvimento Justos, Sustentáveis e Eficientes
v.nardi@ig.com.br
Caro Ciro ,primeiramente gostaria de parabenizo-lo pela coragem de ter postado o cartaz dos agricultores de Ohio em seu blog.Nos dias de hoje é muito perigoso, a CIA pode alegar que você é terrorista e pode querer invadir a sua casa na calada da noite:). Se existe alguma piada é o comentário da menina Juliana ,que apesar de conterrânea, deve morar em algum apartamento de Porto Alegre,com papai e mamãe(bancando tudo é lógico),deve ter postado seu comentário do seu laptop em seu quartinho com ar-condicionado, não deve gostar de "mato",de enlamear os seus saltos altos,de ter que andar sem brincos, colares e pulseiras ,de sujar a mão de terra , de sentir cheiro de "bicho", de meter a mão em esterco,de ficar com dor nas costa depois de roçar o dia inteiro.Enfim essas coisas básicas que quem estuda ou estudou não gosta de fazer porque "não estudou para isso". Estudou para ficar junto com os ambientalistas de apartamento e as ONGS do G8 , países onde não tem como ter APPs,RLs e etc pois simplesmente já foram completamente desmatados e no caso dos EUA, onde já existem imensas áreas cultivadas, gerando bilhões para esses países e querendo gerar ainda mais as custas dos outros. Não entendo como várias pessoas ditas universitárias ainda acreditam no conto da carochinha de que existe alguma preocupação ambiental envolvida aqui. A questão é puramente econômica, dinheiro mesmo. O capital não está nem aí para questões ideológicas, capital não tem pátria, nem sangue e nem berço.Para o capital o pequeno tem que ser extinto pois além de ir contra "seus princípios" , incomoda e resiste. Em 1500 esse país era só floresta ,se vamos enquadrar todo mundo no novo CF vamos retroagir até lá. Acabem com tudo e devolvam o país aos índios, seus verdadeiros donos. Ou melhor , porque não pedimos logo ao Obama para sermos uma nova Porto rico e passar a ser mais um estado dos Estados Unidos da América, pelo menos ganharíamos em dolar e poderíamos pertubar outros países, invadi-los por terem "armas secretas",por não preservarem o 1/2 ambiente,por poluirem o planeta ou simplesmente por discordarem de nós. Pelo menos teríamos algum direito como cidadãos americanos. O pior é ser colonia,novamente, e não ter direito algum e ficar sustentando suas majestades de além-mar. Não mais as lusitanas mas as anglo-saxs agora.
Ticiano disse…
A Juliana longe de um computador e com a boca fechada é uma verdadeira Safo, poetiza grega, só não se jogue do penhasco.
Ticiano disse…
A Juliana longe do computador e com a boca fechada é uma verdadeira Safo, poetiza grega; Mas, por favor, NÃO SE JOGUE DO PENHASCO>
José Nascimento disse…
Não vou falar da Juliana, vou falar da igreja católica, que agora esta se posionando contra o Novo Código Florestal. No passado, esta mesma igreja ná externou sua posição na época da caças às bruxas,no regime da escravidão no holocausto Judeu e em outros episódios da História. Sabemos o resultado. Hoje, vem pedir desculpas para a sociedade. Acorda Brasil, chega de hipocresia. José Nascimento
Ana disse…
Prezado Ciro! Somente agora tomei conhecimento sobre os comentários e fiquei pasma com alguns, vindos de estudantes. O que os mestres estão fazendo com seus discípulos?Estão emitindo opiniões completamente desconexas.Talvez o quintal deles esteja em área de preservação e não sabem, mas querem mostrar a tese mal fundamentada em terreno alheio.
Sobre comentários fora de cogitação, você teve muita paciência, ainda mais que Jesus, que diante de uma comunidade inculta foi logo dizendo: " Não se atira pérolas aos porcos", e você desfiou o rosário inteiro, mas garanto que não entenderam porque o cérebro é de azeitona.
Abraços!