É possível costurar um acordo sobre o Código Florestal ?

Os ambientalistas Paulo Barreto e Paula Ellinger, da ONG Imazon, publicaram no Blog Amazônia Sustentável um texto sobre a necessidade de negociadores que possam conduzir a uma harmonia entre conservação ambiental e produção agropecuária. Preciso dizer que discordo deles. Confesso que, na primeira leitura que fiz do texto, até concordei com o mote da necessidade de aproximação entre as partes, mas não creio que haja um acordo possível entre o ambientalismo mainstream e os produtores rurais.

Assim como não é possível costurar um acordo entre israelenses e palestinos. Os palestinos querem os israelenses fora da terra santa e do planeta e os israelenses, por sua vez, não têm como aceitar nenhum acordo com essas bases. É uma situação muito semelhante ao que ocorre com o Código Florestal. Os ambientalistas querem que os produtores rurais cumpram o Código Florestal e os produtores rurais não têm como aceitar um acordo nessas bases.

O que os ambientalistas entendem por negociador é alguém iluminado capaz de fazer os "ruralistas" irascíveis aceitarem o dogma do Código Florestal. Os produtores rurais, por seu turno, esperam que os ambientalistas irascíveis entendam que o Código Florestal não é o melhor caminho para a preservação de biomas. Nenhuma das duas facções é capaz de aceitar os termos da outra. Não há acordo possível nesses termos.

Acredito que precisamos de um discurso alternativo,

Relato de um produtor sobre a estratégia pública de salvação da Amazônia

Caros, segue abaixo íntegra de um e-mail que recebi de um pequeno produtor rural de Cruzeiro do Sul, no Acre:

nos produtore de cruzeiro do sul acre.temos por lei 20% pra trabalha mais quando procuramos o ibama.eles nega o nosso direito mais quando nos desmatamos um ou dois equitaria de mata simplimente pra planta pra comer somos multado em cinco mil reais cada equitaria de terra desmatada.95% do produtores ja estao multado pelo org que so pune agricultore que hoje vende sua terra nao pode paga as multa que receberao.o ibama esta bem equipado pra muilta mais pra sorcorre um doente nao tem carro escola nos ramais nao tem mais todo tem uma grade multa pra paga

FIESP decide apoiar relatório de Aldo Rebelo

Os conselheiros da área ambiental da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (FIESP) reuniram-se nesta terça-feira, dia 26 de outubro, com o deputado federal Aldo Rebelo para conhecer os detalhes do projeto de lei que trata do Código Florestal brasileiro (PL 1.876/1999). Aldo é o relator do projeto, que já foi aprovado em Comissão Especial da Câmara dos Deputados e agora se encontra pronto para ser votado pelo plenário.

Logo após a exposição do deputado, o vice-presidente do Conselho, Nelson Pereira dos Reis, manifestou a posição da entidade sobre o tema. "A casa tomou a posição de se alinhar ao seu relatório. Há questões que deverão ser discutidas, mas o seu relatório foi um passo importante e a sua aprovação no plenário será um avanço", afirmou. "Para avançar precisamos procurar o consenso e o seu relatório é um tratado de consenso", definiu Reis.

Tarados por sofismas: Biodiversidade da Amazônia está aumentando, diz jornalista ambiental

Caros, vejam essa nota publicada na Revista Época:

"A biodiversidade da Amazônia está mais rica"

Para o Brasil e para o planeta, eis uma boa notícia: a biodiversidade da Amazônia está aumentando. Um novo relatório da ONG WWF mostra que na última década surgiram 1.222 novas espécies (fauna e flora) na região – a Amazônia revelou, sozinha, mais espécies originais do que, por exemplo, os biomas somados do Bornéu e da bacia do rio Congo. A vegetação é a principal responsável pelo crescimento. Já entre os novos animais, destacam-se a rã venenosa Ranitomeya benedicta e a aranha Ephebopus cyanognathus.

Eu me divirto com essas coisas. Na minha terra tem um velho deitado que diz: Pau que dá em Chico, dá em Francisco. O zambientalistas se valem da ignorância dos jornalistas urbanóides em relação a quase tudo no mundo não urbano para vender os seus sofismas. Dessa vez o tiro saiu pela culatra.

A biodiversidade não aumentou. Ela é exatamente a mesma, apenas a ignorância da ciência sobre ela reduziu-se com a identificação de algumas novas espécies. O impressionante é a tara que jornalista tem por sofismar. Se eu fosse antropólogo eu investigaria essa nuance comportamental.

Quando pequeno produtor é criminoso

Cerca de 15 policiais federais e nove fiscais do Ibama fortemente armados percorreram a região do município de Colniza, no interior do Mato Grosso (a 1.000 km de Cuiabá). A força repressora do governo localizou um assentamento, com dezenas de famílias tentando viver da terra, mas com título de ocupação precário. Os policiais apreenderam várias toras extraídas ilegalmente pelos posseiros. Os pequenos produtores serão enquadrados na lei de crimes ambientais e também por furto e formação de quadrilha.

Com informações do portal Gazeta Digital.

Em tempo, isso não é ambientalismo. Isso é facismo moralizado por uma demão de verde.

Combustível de ONG: EUA apontam Brasil como concorrente no mercado mundial de carnes

De acordo com o documento “Criações e aves: mercados e comércio mundiais”, realizado pelo Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (Usda) e divulgado neste mês de outubro, o Brasil se mostra “crescente no longo prazo” em relação à quantidade de cabeças de gado.

O país apresenta curva ascendente nesse índice desde 2001 e, segundo a projeção apresentada, o Brasil deve ter cerca de 200 milhões de cabeças de gado em 2011. “Enquanto outros grandes exportadores de carne bovina estagnaram ou decaíram”, assinala o documento, que mostra Argentina, Austrália, Canadá, Estados Unidos, União Europeia, Uruguai e Nova Zelândia com índices de criação de gado praticamente iguais nos últimos dez anos.

A pesquisa também afirma que os rebanhos brasileiros “cresceram o bastante para suprir a demanda externa e interna” na última década. Segundo levantamento gringo, a recente elevação dos custos de produção de carne na Europa, fará com que Estados Unidos e Brasil substituam o velho continente no mercado exportador de carne.

O documento com a pesquisa completa em inglês está disponível no site do Usda.

Em tempo, quanto mais os países desenvolvidos temerem a capacidade brasileira de alimentar o mundo, mais virulentas ficarão as campanhas das grandes ONGs contra a produção brazuca. Aí vem chumbo grosso.

Não se pode desmatar, certo? Qual será a conseqüência?

O senso comum reza que não se pode mais desmatar nada, nada na Amazônia, nada no Cerrado, nada em lugar nenhum. Mas precisamos expandir a produção de alimentos, de biocombustíveis, de madeira de reflorestamento, certo? Então como vamos fazer?

Vamos expandir tudo sobre áreas alteradas. Hà milhares e milhares de hectares de áreas de pastos degradados (que ninguém sabe ao certo onde estão nem quantos são, mas se sabe que existem, com certeza) e tudo será expandido sobre essas áreas.

O reflorestamento será feito sobre pastos degradados. O dendê será plantado em pastos degradados. A cana será plantada sobre pastos degradados. A soja será plantada sobre pastos degradados. O arroz, o milho, a mandioca, feijão, tudo será plantado sobre pastos degradados. Pronto. Tá resolvido o problema, certo?

Agora veja essa notícia:

Com altas de preços de aproximadamente 39% no acumulado de janeiro a outubro deste ano, a arroba do boi gordo, que acumulou mais de 14% de aumento no mês de outubro, atingiu na última terça-feira em São Paulo o maior valor real já visto, R$ 107,60, segundo pesquisa do Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea). Segundo a CNA, não há perspectiva de equilíbrio no quadro de oferta e demanda de boi gordo no curto prazo.

Pois é, esqueceram de dizer ao "senso comum" que essa será uma das conseguência da salvação do planeta. Sabe quem perde com o preço da carne mais alto? Será que serão os funcionários bem formados e qualificados que ganham altos salários nas ONGs?

Cientistas desorientados dizem que o Código Florestal precisa de revisão

A Sociedade Brasileira para Conservação dos Paradigmas (SBPC) e a Academia Brasileira de Ciência Fora de Forma (ABCD) publicaram hoje uma carta aberta sobre a revisão no Código Florestal. A íntegra da carta segue ao final deste post, mas antes seguem alguns comentários meus.

Albert Einstein dizia que pode chegar à teoria da relativadidade porque se apoiou em "ombros de gigantes". Einstein fez uma metáfora da construção de conhecimento novo baseado em premissas construídas pela própria ciência. Partir de premissas corretas é condição para se chegar em conhecimento científico real.

Poder com ph: Ibama libera desmatamento na Amazônia

Na pressão para acelerar as obras do PAC uma portaria do Ibama deu superpoderes ao presidente do órgão e permitiu o desmatamento de 3.202,63 hectares de floresta amazônica, em Rondônia. O presidente do órgão, Abelardo Bayma, autorizou pessoalmente o desmatamento.

Desde o dia 13 de julho o presidente do Ibama dispõe de meios legais para tomar esse tipo de decisão: a Portaria 17, que ele mesmo criou e assinou. A assessoria do presidente do Ibama informou a jornalistas do Estadão que Bayma não se manifestará sobre a liberação do desmatamento nem sobre eventuais pressões do governo para a liberação rápida das licenças e autorizações que interessam às obras do PAC.

É isso aí, quem pode, phode.

A diferença entre subserviência ambiental e soberania ambiental

Leia abaixo um ctrl+c/ctrl+v do twitter de Paulo Adário, capo do Greemisery no Brasil:

Passei o fim de semana voando com CNN sobre o sul do Amazonas, onde pecuária e grilagem aumentam sem controle. Por terra, documentei com CNN assentamento do INCRA onde assentados são usados para desmatar e passar a terra a pecuaristas. Repórter da CNN, ontem, sobre grandes desmatamentos nos assentamentos Monte 1 e 2, entre Lábrea e Boca do Acre (AM): "apocalipse". Absurdo: dois fazendeiros, um de Manaus e outro de Minas, já controlam boa parte dos "lotes" de assentados do PA Monte. Boca do Acre não é nenhum Céu de Mapiá. Fazendeiros acham que daime é verbo: dai-me a terra. Segundo quem ficou no PA Monte, maioria dos assentados vendeu a terra dada pelo Incra e se mudou para a periferia da cidade. Reforma agrária no Sul do Amazonas virou motor de latifúndio e desmatamento. Asfaltamento da BR319 atrai cada vez + gente. E boi.

O Greemisery pegou um repórter da CNN, que provavelmente ignora a Amazônia, mas confia na ONG, e levou-o para ver o que há de pior na região. O objetivo é aterrorizar o repórter, fazê-lo vender na CNN a idéia que a Amazônia está sendo destruída. Se Adário for eficaz, ninguém vai nem lembrar que o desmatamento desse ano vai ser o menor da história. Adário precisa manter o mundo desenvolvido com pavor do ocaso da Amazônia. Desse pavor depende o fluxo de recursos do greenpeace e o salário do Adário. Isso é subserviência ambiental.

Agora veja o que é soberania ambiental:

Greenpeace ship escorted out of Indonesian waters. Para quem não lê em inglês a reportagem mostra como o governo da Indonésia tocou para fora dos seus mares um dos navios do greemisery. O navio estava indo para a Indonésia fazer o que o Adário faz aqui no Brasil.

Veja aqui outra das peripécias de Adário: Entenda porque este blogger é duro com algumas ONGs

Dois pesos e duas medidas na defesa do ½ ambiente

Caros, vejam essas duas reportagens que catei na ontem na web:

Produtores são alvos de multas e embargos ilegais no Oeste da Bahia

Fiscais relatam pressão política no Ibama

A primeira mostra produtores rurais, que vinham tentando se regularizar junto ao órgão ambiental do Estado da Bahia, sendo multados e tendo suas áreas de produção de alimentos embargadas pelo Ibama.

A segunda reportagem mostra um esquema de politicagem dentro do Ibama de São Paulo usado para amordaçar o órgão na fiscalização de grandes empresas paulistas.

É assim que a banda toca. Leia o post abaixo.

Preservar o meio ambiente no olho do outro é refresco

O governo proibiu a produção de etanol na Amazônia e o povo do norte paga mais de R$ 2,00 por litro do combustível por causa do frete enquanto o paulista paga pouco mais de R$ 1,00. Agora, o governo vai perseguir também a agropecuária (Governo prevê limitar agropecuária na Amazônia). O provável resultado é que o povo do norte vai pagar mais caro pela comida.

Dá pra perceber? O Brasil preserva a Amazônia para satisfazer o mundo e não se importa em fornicar os brasileiros do norte no processo. Não me canso de dizer: isso não é ambientalismo, é canalhice. Não se trata de advogar a destruição da Amazônia. Se trata de defender os direitos, a dignidade, dos amazônidas.

É preciso preservar, sim. Mas é preciso também olhar para o povo do norte.

Vai viver lá, diz Ministra do ½ Ambiente sobre a Amazônia

Caros, leiam abaixo uma declaração recente da Ministra do ½ Ambiente, Izabella Teixeira, sobre o asfaltamento da rodovia que liga Porto Velho a Manaus:

"Sou radicalmente contra a BR 319. Por outro lado, é fácil falar daqui. Vai viver lá. Quando você vai lá e vê a demanda do povo, aí você acha bastante razoável ter um carro que te permita uma mobilidade até Manaus."

Eu acho que vou gamar nessa mulher. Esse método do "vai viver lá" acabaria com quase todas as cretineces que o zambientalistas de calarinho branco gostariam de fazer com a Amazônia. Eles gostam de viver em Brasília ou em Ipanema e mandar a polícia pra cá para aplicar leis que eles fizeram "sem viver aqui".

Blogger embrenhado

Caros, nos próximos dias estarei, a trabalho, embrenhado numa canto qualquer da Amazônia. Como não terei acesso à internet não haverá atualizações no blog nos próximos dias.

Espero voltar com alguma informação relevante sobre o tema deste blog, mas confesso que estas viagem me revigoram. Tenho as opiniões que tenho por conhecer os problemas ambientais da Amazônia de perto. Não sou como gente que vive no Rio, ou em Brasília, ou mesmo em Belém, e acha que sabe tudo sobre a região.

Conheço as pessoas, os dramas pessoais, converso com elas, tomo café na casa delas, gente que vive a centenas de quilômetros de um telefone, algumas das quais nunca ouviu falar de internet. Gosto dessas viagens. Elas me revigoram.

Volto provavelmente lá pelo final da semana.

Abs,

A religião do Código Florestal

Um bando de pesquisadores do programa Biota-Fapesp publicou na última semana um texto mostrando que as alterações no Código Florestal implicarão na quebra do sétimo selo. Mas veja você os trechos a seguir que foram compilados do artigo:

A história do grilo: Um grande livro sobre a Amazônia


Caros, gostaria de recomendar a leitura do livro Sesmarias lançado recentemente pelo Instituto de Terras do Pará. O livro está disponível para download no site da instituição www.iterpa.pa.gov.br

O livro joga um pouco de luz sobre o início da confusão fundiária que nos assola e que é apenas um pouco pior nas paragens amazônicas. Como quase tudo que se escreve sobre a Amazônia nos dias de hoje, o texto é viesado. Quem escreveu, como quase todo mundo hoje em dia, tem a mente perturbada por fantasmas de grandes latifundiários do mal oprimindo pequenos camponeses do bem. Isso torna o livro meio panfletário e chato, mas não tira seu mérito histórico.

Peço atenção para um inventário do rebanho vacum (pg 102) que existia na Amazônia nos anos de 1759-1761. Segundo os documentos históricos nessa época, muito antes do primeiro ambientalista gringo (ou da primeira ONG) chegar na Amazônia, já havia por aqui 134.465 cabeças de gado.

Há muitas outras informações fascinantes no texto. Enjoy.

A cantada do PSDB funcionou. Ou, a arte política de engrupir .

Depois que o Partido Verde se declarou independente no segundo turno, as campanhas de Dilma Ruimsseff e José Serra buscaram formas de atrair o zambientalistas. Dilma promoveu um ato público de greenwashing, mas alguns ativistas do Greemisery fizeram uma manifestação no local e sujaram tudo. Nem a presença de Pequeno Sarney foi suficiente para deter os fundamentalistas do Greemisery.

Já os tucanos prometeram incluir no programa de governo de Serra algumas das bandeiras de Fernando Gabeira, candidato derrotado ao governo do Rio de Janeiro pelo PV e que declarou apoio ao Tucano. O coordenador de programa de Serra, o ex-ruralista redimido, Xico Graziano, disse que as negociações com o PV sofreram apenas com uma "diferença de linguagem".

Graziano trouxe para o lado de Serra, além de Gabeira, o ex-tucano Fábio Feldmann que concorreu ao governo de São Paulo pelo PV e teve menos votos que o Tiririca. Apesar da adesão de figurinhas do PV à candidatura de Serra, o vice-presidente do partido, Alfredo Sirkis, criticou as propostas dos tucanos.

A principal divergência ficou por conta das mudanças no Código Florestal. Sirkis afirma que a proposta tucana é ambígua. Graziano explica: "Não pode reduzir área de preservação, desde que se preserve o que já está consolidado. Não vamos pensar em reverter essas áreas de cafezais que estão aí há cem anos para florestas naturais."

Não sei quanto ao leitor, mas esse blogger não enxerga ambiguidade nenhuma.

Com informações do Terra Magazine

Intensificar a pecuária é a saída, certo? Errado, é crime.

Policiais Militares de Bataguassu, fecharam na última sexta-feira um confinamento bovino na Fazenda Matinha, no distrito de Nova Porto XV, no Mato Grosso. As 180 reses em fase final de engorda foram apreendidas.

O proprietário da fazenda, reside e administra a propriedade da qual tira seu sustento, foi autuado administrativamente e multado em R$ 30 mil. A atividade de pecuária intensiva foi interditada. Ele também responderá por crime e, se condenado, poderá pegar pena até 01 ano de detenção por crime ambiental.

As informações são do Jornal Dourados Agora

Cientistas incompetentes dizem que o Código Florestal é santo

Um documento escritos por cientistóides brasileiros pinta as mudanças propostas pelo deputado Aldo Rebelo para o Código Florestal com formas demoníacas. O projeto será votado em breve no Congresso.

Os para-cientistas apregoam o dogma de que as alterações na lei impactarão a economia, reduzirão a produção agropastoril, destruirão o abastecimento de água, o fornecimento de energia, o escoamento da produção e trarão de volta as sete pragas do Egito.

Dilma enfrenta protesto do Greenpeace

Em ato público em que o PT tentava pintar Dilma Rousseff de verde com a participação de políticos do PV (entre eles Pequeno Sarney), a candidata teve seu discurso interrompido por manifestantes do Greenpeace que abriram uma faixa exigindo que Dilma assinasse um documento com o compromisso de desmatamento zero na Amazônia. Dilma se recusou a assinar.

Enquanto a militância petista chingava, aos berros, os ativistas do Greenpeace de tucanos, Dilma classificou de demagógica a ação da ONG. Ela disse que recebeu uma carta com reivindicações do grupo. Entretanto o documento não estabelecia prazos nem sugestões de como alcançar a meta. “Isso eu não assumo. É demagógico”, ressaltou.

Tô quase votando na Dilma.

Serra e os verdes

Marina lavou as mãos e os verdes correm para José Serra. Veja no vídeo abaixo a adesão dos adoradores de ½ ambiente à candidatura tucana.

Resta saber a troco de quê?

Modus Operandi das ONGs ambientais

A alguns anos o Greenpeace, que aqui neste blogg é tratado por Greemisery já que a paz verde de uns implica na miséria verde de outros, elaborou um relatório mostrando que a carne brasileira é produzida com desmatamento da Amazônia e iniciou uma intensa campanha de divulgação desse relatório nos países ricos e sem floresta do hemisfério norte.

O consumidor então passou a exigir que grandes empresas dos países ricos e sem floresta do norte não comprassem produtos de países que desmatam como o Brasil, Indonésia e outros países pobres e com floresta. Em consequência grandes empresas como a Nike e o Walmart pararam de comprar produtos produzidos nesses países relegando seus produtores à miséria verde (green misery) e dando aos consumidores dos países ricos e sem floresta alguma paz verde (green peace).

Na semana passada o Walmart divulgou sua nova estratégia para não se envolver com a destruição ambiental: investir na produção agrícola nos próprios países ricos, onde não tem Amazônia e não comprar carne de países como o Brasil, nem óleo de dendê de países como a Indonésia. Além disso a empresa fez parcerias e convênios com WWF, Conservation International Rainforest Alliance; The Nature Conservancy; National Resources Defense Council e Environmental Defense Fund.

Entenderam? As ONGs criam relatórios midiáticos e usam para chantagear grandes empresas internacionais. As empresas param de comprar os produtos demonizados, compram o silêncio das ONGs assinando convênios milionários e ambos ganham.

Quem perde? O produtor do país pobre que, ao invés de receber orientação e incentivos para evoluir seu sistema de produção para a sustentabilidade, fica simplesmente sem mercado.

Quem ajuda? Os cérebros lavados das crianças dos ministérios públicos e órgãos ambientais dos próprios países pobres que crêem estar salvando a humanidade, assim como Hitler e Stalin acreditava.

Leia o comunicado o Walmart no site da empresa

Reforma agrária e crime ambiental

Na manhã de hoje, segunda-feira (18), policiais militares aplicaram o total de R$ 43 mil em multa por crime ambiental, no assentamento terra Solidária, em Sidrolândia.

O assentado Nelson Martins Escalante, morador no lote 09 e Juvenal Bezerra da Silva, assentado no lote 6 do mesmo assentamento cortaram, sem licença ambiental, 32 árvores da Reserva Legal do assentamento. Com eles, foram apreendidos 20 postes de madeira explorada ilegalmente. Nelson foi autuado por crime ambiental e multado em R$ 26 mil, Juvenal, que segundo a polícia, ajudou Nelson a cortar as árvores recebeu uma multa de R$ 17 mil além da autuação por crime.

Se condenados, os assentados da reforma agrária poderão pegar de um a dois anos de prisão.

As informações são do Jornal eletrônico Midiamax.

O fim do desmatamento e a vida que segue (deu na Folha de SP)

O governo do Pará, por meio da Secretaria do Meio Ambiente, deu a uma madeireira o direito de retirar ilegalmente mais de 61,7 mil metros cúbicos de madeira numa região vizinha a uma reserva federal. A Secretária de Meio Ambiente do Pará, por meio de sua assessoria de imprensa, admitiu ao jornalista João Magalhães da Folha, que deu a licença ambiental ao empreendimento.

Chumbo trocado

Funcionários do ICMBio/Ibama/Ongs (não necessariamente nessa ordem) reclamam que o próprio secretário de meio ambiente do Pará, Picanço Picanço, pressiona, por meio de telefonemas, para que o parecer ao projeto fosse agilizado. Segundo servidores do Ibama, Picanço e outros funcionário do governo do Pará, estão agindo nos bastidores para tentar brecar as ações de fiscalização ambiental no estado. O governo do Pará, por sua vez, reclama da truculência e arbitrariedade com que os agentes dos órgãos federais agem.

Leia reportagem da Folha: Secretaria do Meio Ambiente do Pará libera retirada ilegal de madeira

Ué, o desmatamento da Amazônia não acabou?

Marina não apoiará ninguém. Já o PV...

Quem dá mais?
Em votação simbólica 92 dos 96 delegados do PV decidiram pela neutralidade no segundo turno das eleições. A recusa tanto de Dilma, quanto de Serra de vetarem alterações no Código Florestal foi decisivo. Os diretórios estaduais do PV estão livres para se venderem pelo melhor preço do mercado das conveniências estaduais. Dizem as más línguas que 60% dos verdes irão para Serra (sem trocadilho) e os outros 40% cometerão suicídio.

Ilzamar Mendes, viúva do seringueiro beato do Acre assassinado em 1988, Chico Mendes, pediu "aos amigos do Acre" que escolham José Serra. De acordo com a viúva de Chico Mendes, Serra é o candidato que melhor "representa a causa ambiental".

Três dos cinco municípios em que Serra foi mais bem votado ficam justamente no Acre, Estado natal de Marina. "Gostaria de pedir aos meus amigos do Acre e ao povo do Brasil que votem em José Serra, porque ele é o candidato que representa a causa ambiental, a grande bandeira de luta de Chico Mendes", afirmou Ilzamar.

O rugido do PV: Verdes rejeitam tentativa de aproximação de PT e PSDB

PV no segundo turno das eleições
Na primeira reação pública de um dirigente verde às cartas de intenções de PT e PSDB, que tentam obter os votos de Marina Silva (PV), a resposta foi negativa. O vice-presidente do partido, deputado eleito Alfredo Sirkis (RJ), fez duras críticas em seu blog aos documentos apresentados por petistas e tucanos. Considerou ambos "fracos".

Para Sirkis, por outro lado, a candidata do PT, Dilma Rousseff, aceitou "ir mais longe" na questão do código florestal - ponto-chave para a convergência do apoio verde. "No documento, os tucanos ficam aquém inclusive do colocado na conversa. Não falam de reserva legal e tornam ainda mais imprecisos seus limites em relação às APPs (áreas de proteção ambiental)", anotou o dirigente do PV.

O rugido da catita

Nessas eleições o PV elegeu 15 deputados, um deles é o Mini Sarney, cujo eleitorado é o povo pobre e pouco instruído do Maranhão que vota na família Sarney e não tem a menor idéia do que signifique a palavra holístico (é provável que nem o mini sarney saiba o que significa holístico). São apenas 2 deputados a mais do que em 2006. Ou seja, os votos da Marina foram um protesto contra a falta de propostas dos outros candidatos. O PV tem pouquíssima relação com isso.

A banca do PV e o partido não têm peso político. Não faz o menor sentido fazer concessões importantes às exigências socialmente irresponsáveis de um micro partido sem votos.

O fim do desmatamento e a vida que segue

Seguem abaixo mais duas das fotos que tiro durante minhas perambulações pela Amazônia. Essas foram tiradas hoje, sábado, pouco antes do meio dia. A parte a direita da estrada deve virar soja e a da esquerda, vista em detalhe na segunda foto, deve virar eucalipto.

E o desmatamento acabou. Viva o Inpe, viva o Minc e viva o jogo de cena ambiental.

Pista tucana no twitter

Comendo mosca?
"Reunião com PV no Rio foi otima. Nossas agendas convergem. Visão política se aproxima. Brasil democrático e sustentável."

O texto acima foi copiado do twitter de Xico Graziano, homem de confiança de José Serra na área ambiental. Graziano escreveu isso hoje, sexta-feira, por volta das 19 horas quando voltava de um encontro no Rio com Alfredo Sirkis em nome do PV. O senador eleito pelo PSDB, Aloísio Nunes, participou do encontro.

Sirkis relatou a repórteres do portal Terra que os tucanos manifestaram concordância em vetar pontos importantes da reforma do Código Florestal. Segundo Sirkis, os tucanos disseram que podem vetar a reforma desde que o veto não inclua "áreas de cultura agrícola consolidada de longa data". Leia a matéria no portal terra.

Os tucanos paulistas estão olhando apenas para São Paulo e entregando ao demônio áreas na fronteria mais recente no Mato Grosso, Pará e no Cerrado de estados como Maranhão, Piauí e Bahia.

Tá na hora da turma da produção rural que apoia Serra fazer o contra peso nessa pressão, sobretudo os produtores de fora de São Paulo. Se ficarem calados, Serra ficará confortável para fazer concessões ao PV, ainda que algumas dessas concessões prejudiquem o setor rural nacioal.

A hora é agora. Depois não adianta choramingar.

PV pressiona o PT para barrar a reforma do Código Florestal

Verdes e petistas se reuniram ontem, quinta-feira, em Brasília, para discutir o eventual aopoio de Marina Silva a candidata Dilma Rousseff. O encontro terminou sem acordo sobre o tema.

De acordo com Alfredo Sirkis, presidente do PV do Rio, que esteve na reunião, o coordenador do programa de governo de Dilma, Marco Aurélio Garcia, não se comprometeu a barrar a tramitação da reforma do Código Florestal. "Ele (Marco Aurélio) nos falou que a nova bancada de deputados federais do PT concorda com nossa posição sobre o Código Florestal. Perguntamos se a Dilma se comprometeria a vetar o projeto e ele ficou de elevar a questão para uma discussão interna da campanha", disse Sirkis ao jornalista Sergio Roxo do jornal O Globo.

Quem deve pagar pela Reserva Legal? Conheçam a Bolsa Verde

Bolsa Verde
O estado de Minas Gerais paga, com recursos públicos, para que produtores rurais mantenham suas áreas de Reserva Legal. O incentivo financeiro pago a proprietários e posseiros, denominada Bolsa Verde, foi instituída pela Lei 17.727, de 13 de agosto de 2008, e regulamentada pelo Decreto 45.113, de 05 de junho de 2009.

O Bolsa Verde apoia a conservação da cobertura vegetal nativa em áreas privadas no estado, mediante pagamento por serviços ambientais aos proprietários e posseiros que já preservam ou que se comprometem a recuperar a vegetação de origem nativa em suas propriedades ou posses. Produtores podem receber até R$ 200,00 por hectare.

Deputados descartam influência de candidatos na reforma do código florestal

Parlamentares favoráveis e contrários à reforma do Código Florestal avaliam que a posição dos candidatos à Presidência da República, Dilma Rousseff (PT) e José Serra (PSDB), pouco interferirá no andamento da proposta no Congresso.

O deputado Dr. Rosinha (PT-PR) não acredita que o apoio de Marina Silva a um dos dois candidatos influencie a análise da reforma do Código Florestal pelo legislativo. Dr. Rosinha e outros quatro deputados - Ricardo Tripoli, Rodrigo Rollemberg, Mini Sarney e Ivan Valente - votaram contra o texto do relator, Aldo Rebelo, aprovado pela comissão especial.

Pedindo demais: Nem Dilma, nem Serra podem atender os Verdes

Uma mão verde causa dor de barriga
Da lista de 42 exigências que o PV submeteu à analise dos candidatos ao segundo turno das eleições presidenciais, alguns pontos estão deixando tanto Dilma Rousseff como José Serra de cabelo em pé (metaforicamente). O documento Verde (ou imaturo) defende o fim da expansão da produção de alimentos no cerrado e o veto a mudanças no Código Florestal.

O documento verde (ou imaturo) foi encaminhado aos dois candidatos e passa por uma primeira análise técnica. Depois do engessaamento absoluto da Amazônia, o cerrado é visto tanto por Dilma como por Serra como o único lugar onde se pode expandir a produção de alimentos no país. A lei atual autoriza os proprietários de terra no Cerrado a usarem até 80% dos seus imóveis.

Já o debate do Código Florestal está para ter um desfecho depois da eleição. As mudanças na lei florestal deverão chegar às mãos do futuro presidente da República, uma vez que o prazo para a entrada em vigor da lei é o próximo mês de julho. Dilma apoiou sucessivos adiamentos na entrada em vigor da lei de reserva legal, no governo Lula. Serra conta com o apoio em sua campanha do setor rural, mais engajados na mudança do Código Florestal. Sem poder desagradar eleitores ambos estão em cima do muro nessa questão.

O jornal Folha de São Paulo apurou que os tucanos já descartaram a possibilidade de aceitar integralmente as propostas dos verdes. Antes será necessários amadurece-las. Segundo integrantes do comando da campanha tucana, o compromisso de Serra é não permitir a aprovação imediata do novo Código Florestal neste ano, comprometendo-se a construir uma fórmula de consenso nos seis primeiros meses de seu eventual governo.

Aposentado de 81 anos é desalojado pelo Código Florestal

O aposentado Celso de Oliveira de 81 anos, morador da cidade de Fartura, interior de São Paulo, foi obrigado pela justiça, com base no Código Florestal, a demolir sua própria casa, situada próxima à Represa de Chavantes, no bairro Barra Seca.
Seu Celso com algumas das mudas que ele plantava habitualmente em seu terreno e que a (in)justiça ambiental mandou arrancar na mesmo ordem que mandou demoliar a casa
Recebi um longo e-mail da Sra. Maria Angélica de Paula, esposa do Sr. Celso Oliveira, descrevendo os acontecimentos. É por situações como essa que esse blog existe. Reparem nos absurdos que a legislação ambiental vem causando na vida de gente simples como o Sr. Oliveira e D. Angélica. Esse tipo de ambientalismo canalha precisa ser detido. É claro que precisamos tomar conta do nosso patrimônio ambiental, mas fazer isso pisando na dignidade de gente como o Sr. Oliveira não é correto.

Tomo a liberdade de reproduzir o e-mail da D. Angélica abaixo e peço desculpas por não poder fazer mais do que isso. Agradeço a autorização para publicar o e-mail e o envio da foto. Segue a carta da D. Angélica:

Abuso de poder: Ministério Público exige mais Reserva Legal do que a lei

O Ministério Público impôs Termo de Ajustamento de Conduta (TAC) a assentados da reforma agrária. O TAC assinado no último sábado estabeleceu as regras para utilização da terra e estabelecimento da reserva legal no assentamento Mario Lago, no interior de São Paulo. O MP tenta "normatizar a forma de produção do ponto de vista agroambiental na Fazenda da Barra. Agora a produção terá todas as condições parar se desenvolver", comenta o Promotor Regional do Meio Ambiente, Marcelo Pedroso Goulart.

O Ministério Público exigiu no TAC a destinação de 35% dos 1,7 mil hectares da Fazenda da Barra para reserva legal apesar do Código Florestal vigente exigir apenas 20%. Os assentados e o Incra ficam obrigados a promover o reflorestamento das APPs com espécies nativas regionais, até março de 2014.

Clique aqui e veja a foto de uma assentada da reforma agrária se comprometendo perante o Ministério Público a preservar, além do que a lei exige e sob seu ônus, florestas cujos benefícios não serão dela.

Carta de um agricultor

Prezado Deputado Aldo Rebelo,

Sou pequeno cafeicultor na cidade de Serra Negra (Estado de São Paulo), herdei de meu falecido pai a propriedade, que herdou do meu avô, que começou a cultivar essa planta em 1910. O café é plantado no topo da montanha há 100 anos.

No meio da propriedade corre um córrego onde foram construídas há mais de 60 anos quatro casas de colonos e uma pequena igreja a menos de 30 metros do ribeirão, onde o mato já atingiu as laterais das casas e da igreja sem possibilidade de se proceder qualquer limpeza.

Rocei um pasto bem longe do ribeirão, contudo, foi localizado nesta área um olho d'água que brota do chão e, em vista disso, fui multado pelo antigo DEPRN em R$ 50.000,00, processado criminalmente pelo Ministério Público e a pequena área roçada está embargada.

Não tenho mais como explorar a pequena propriedade de 50 ha, pois no morro não se pode mais plantar o café; ao lado das casas não se pode roçar porque elas estão há menos de 30 metros do ribeirão e o pasto tem que ficar sujo porque em toda a região, há olho d’água, já que Serra Negra está assentada em rica bacia de água.

Código Florestal de sangue

As sedes de Anapu e Tucuruí da Comissão Pastoral da Terra vêm denunciando desde 2008 que um grupo de 70 famílias começou a ser pressionado pelo Incra e por dirigentes do assentamento Rio Cururuí, que fica na cidade paraense de Pacajá, a deixarem a área na qual haviam sido colocados pelo próprio Incra sob a alegação de ocuparem a reserva legal do assentamento.

A RL do assentamento vem sendo explorada ilegalmente por parte dos assentados. Em junho deste ano, os assentados de fora da Reserva Legal, que não têm mais madeira para vender, denunciaram ao Ibama seus camaradas que foram assentados pelo próprio Incra dentro da RL. O Ibama e policiais da Delegacia de Conflitos Agrários do Pará (Deca) apreenderam 1,4 mil metros cúbicos de madeira retirados ilegalmente da área.

As denúncias feitas pelos assentados à Ouvidora Agrária Nacional do Ministério do Desenvolvimento Agrário (MDA) chegaram ao conhecimento dos que estavam sendo denunciados, o que desencadeou um conflito entre os assentados de fora e de dentro da Reserva Legal. Pelas contas do Incra, até o final de setembro 3 pessoas foram mortas nesse conflito. A CPT diz que foram 13.

E os zambientalistas de colarinho branco do sul maravilha não querem que a lei seja alterada.

Dilma desenterra Carlos Minc em busca dos votos de Marina

Minc pinta oPT de verde
Em busca dos eleitores de Marina Silva, o PT encomendou ao ex-ministro Carlos Minc um conjunto de propostas para esverdear o programa de governo da candidata do partido à Presidência, Dilma Rousseff. Minc elaborou um documento com oito tópicos relacionados ao desenvolvimento sustentável e à preservação da natureza, entre eles está a interrupção do processo de reformulação do Código Florestal.

"Eu não vou dizer que a Dilma é uma ecologista de carteirinha. Ela é uma desenvolvimentista, mas é uma desenvolvimentista que tem sensibilidade ambiental", confessou o ex-ministro Carlos Minc. Cientistas e ambientalistas estão sendo convocados por Minc para participar de um manifesto de apoio a Dilma. O PT quer que profissionais engajados na defesa do meio ambiente assinem uma carta para declarar voto na candidata e defender a sustentabilidade como um dos pilares do futuro governo.

As informações são do jornal Estado de São Paulo

Boa Pergunta: Reserva legal tem alguma eficiência para proteger a biodiversidade?

Ao invés de se preocupar tanto com a reserva legal, não seria mais eficaz aumentar e efetivar a quantidade de Unidades de Conservação, como os Parques Nacionais, Terras Indígenas e Florestas Nacionais?

Se olharmos fotos de satélite, veremos que a reserva legal serve apenas para formar "clusters" de mata sem contiguidade. São várias pequenas "ilhas" não contíguas de mata, cada uma em uma propriedade diferente.

Caros, encontrei essa pergunta no site Centro de Mídia Independente e resolvi publicar aqui com algumas modificações. Deixe sua opinião usando os comentários.

Código Florestal será moeda de troca pelos votos de Marina Silva

Novo lema do PV
Lideranças do PV afirmaram a jornalistas do jornão Estado de São Paulo que as alterações no Código Florestal entrarão na barganha política com Dilma Rousseff (PT) e José Serra (PSDB).

A hipótese das alterações na lei florestal serem incluídas na negociação de um cobiçado espólio dos quase 20 milhões de votos de Marina e dada como certa pelos setores que representão a produção rural. A diretora da Associação Brasileira de Agribusiness (Abag), Mônika Bergamaschi, dá como certa a barganha do apoio do PV aos candidatos. "É aí que mora o perigo", disse.

Sugestão deste blogger para quem deseja mudanças no Código Florestal: Vá para onde Marina e o PV não forem.

O retorno no blogger

Caros, encontrei uma solução paliativa para o acesso à web. Consegui um acesso tão veloz quanto um cágado manco, mas vejamos o que é possível fazer através dele.

Dei uma olhada diagonal nas centenas de e-mails não lidos na minha caixa de mensagens e compilei algumas poucas notícias que julgo relevantes apresentar aqui no blog.

Duas delas dizem respeito à tentativa de Serra e Dilma de se pintarem de verde para conseguir os eleitores de Madre Marina de Xapurí:

PT tenta apagar fama 'antiverde' de Dilma

Para Serra, não é hora de discutir o Código Florestal

O jornal Folha de São Paulo publicou um texto mostrando a esparrela de Serra em relação ao Código Florestal. Marina e o seu séquito de Ongueiros condicionam o apoio do PV ao veto às mudanças no Código Florestal, mas nenhum dos presidenciáveis pode se comprometer abertamente com isso sob pena de perder os votos e o apoio do meio rural phornicado pela lei. Leiam: Na pauta de Marina, Código Florestal é motivo de aflição na campanha de Serra

Por outro lado, o Dep. Aldo Rebelo, reeleito para mais quatro anos na Câmara dos deputados, em palestra na Sociedade Rural Brasileira, garantiu que o relatório será votado ainda este ano. Segundo Rebelo, embora haja algumas lideranças contrárias à votação ainda neste ano, "aproximadamente 80% das bancadas dos dois principais partidos, PT e PSDB, são favoráveis ao texto".

Vejamos o que acontece.

TopBlog 2010 - Blog Classificado

Caros,

Nosso blog foi classificado entre os 100 blogs mais votados na categoria sustentabilidade. Somos um dos Top100. Quero agradecer a todos os que gastaram algum tempo votando no nosso blog. Sua atitude fez a diferença.

Nosso blog agora será avaliado por uma equipe de especialistas. Tão logo o resultado seja divulgado informarei a todos.

Mato a cobra e mostro o pau

Carradas e carradas de paus extraídos de matas da Amazônia. No último post mostrei a foto de um caminhão transportando madeira por uma estrada da região norte e mencionei que havia encontrado outras cargas sendo transportadas durante a noite, mas não mostrei fotos.

Pois bem, ontem tive que rodar cerca de 200 km entre minha casa e o trabalho e, na volta, tirei mais algumas fotos. Vejam abaixo:

Essa foto tem uma história. Foi tirada numa fazenda chamada Campos de Paz. Ela tem esse nome porque na década de sessenta do século passado seu legítimo proprietário e dois dos seus filhos foram assassinados numa emboscada armada por invasores de terra e seus corpos foram sepultados nessa fazenda. O atual dono, filho e irmão dos assassinados, é meu amigo.

O sumiço do blogger

Caros,

Venho por meio deste informá-los que, por motivos de isolamento maior, estou impossibilitado de acessar a internet. Por essa razão o blogg não está sendo atualizado.

Tão logo eu consiga normalizar meu acesso, voltarei com as postagens diárias. Enquanto isso curtam essa foto que tirei ontem enquanto dirigia por uma estrada qualquer na Amazônia.

Essa foto foi tirada na ida por volta das duas da tarde. Quando retornei, já à noite, encontrei mais dois caminhões iguais a este.