As futuras gerações passarão fome

Enquanto os ambientalistas no Brasil lutam para preservar o Código Florestal e obrigar os produtores rurais brasileiros a destruirem áreas agrícolas para replantar sob seu ônus florestas nativas, cientistas ingleses fazem um alerta para a pequena disponibilidade de áreas agrícolas no mundo.

Fiscal do Ibama interrompe colheita e apreende máquinas
no Mato Grosso
O jornal britânico The Guardian trás nesse domingo uma reportagem sobre a publicação de 21 artigos pela Royal Society, a academia Real de Ciências, nos quais cientistas de várias disciplinas e países alertam para a existência de pouco terra agrícola adicional e que talvez seja necessários produzir carne in-vitro para atender a demanda global pelo produto até 2050.

A edição da Philosophical Transactions com os 21 artigos pode ser acessada no site da Royal Society www.royalsociety.org. A edição será aberta ao público e os artigos podem ser baixados gratuitamente.

O irônico é que os ambientalistas brasileiros gostam de dizer que são os caras que vêem o futuro, que se preocupam com as futuras gerações. Confiar as futuras gerações aos ambientalistas apenas é o mesmo que entregar duas bananas a um chimpanzé.

Leia aqui a reportagem do The Guardian: Artificial meat? Food for thought by 2050

Comentários

Luiz Prado disse…
E a FAO pesquisando a criação de insetos para alimentação humana, na mesma linhda de raciocínio.

Confiar as gerações futuras a ambientalistas que odeiam gente não é como dar duas bananas a um macaco, mas sim como tirar as duas bananas de uma criança para dar ao macaco... desde que eles possam ganhar um trocado de algum patrocinador para fazer isso.
Ciro,
isso é completamente insano... É como te garantir ar puro no futuro e não te dar a minima certeza que vais ter o que comer... Muito legal...
Eu, particularmente, prefiro respirar Cubatão e comer Picanha Mal Passada... e tú, o que preferes?
Willian, eu particularmente preferiria as duas opções, se não nos preocuparmos agora com nossas areas a serem reflorestadas não teremos nem uma nem outra condição a escolher. Por isso sou a favor de um consenso não somente dos Ambientalistas mas também da FAO na busca de alternativas. Já pensaste em um file de larva de borboletas mal passada e suculenta, sobrem a mesa por ter como pagar para isso.