Se for eleita vetarei o projeto, diz Marina Silva

A candidata do PV à Presidência, Marina Silva, cujo vice é suspeito de crime ambiental, fez duras críticas ao projeto de lei aprovado na Comissão Especial da Câmara que prevê mudanças no Código Florestal Brasileiro. Marina disse que, se for eleita, vetará o projeto. A proposta é "um grande retrocesso na legislação ambiental e um desserviço ao País", disse Marina.

Pergunta que não quer calar: Se Marina não for eleita, mas se coligar com o Serra no segundo turno e o Serra for eleito, o que será que vai acontecer?

Comentários

Luiz Henrique disse…
Ciro, a troca de idéias e pensamentos é sempre saudável.
Provavelmente J. Serra terá o apoio de Marina no segundo turno, mas é bom lembrar, que desde o primeiro turno esta tendo o apoio do DEM e acho eu, da totalidade dos parlamentares ligados ao agronegócio. Enquanto do outro lado temos Sarneyzinho, Ivan Valente e outros deste naipe,é só ver de que lado estão os deputados Zabientalistas.
É Luiz,
O problema é que, em caso de coligação, a tendência é o Serra passar a área ambiental aos fundamentalstas do PV, incluindo o Sarneyzinho e cia. ltda.
O DEM apesar de ser governo vai preferir o controle ministérios mais ricos que o MMA.
A situação não é bonita, não, meu camarada. Acho que vamos ter quatro anos duros pelas frente,vença quem vencer.
v.nardi disse…
Eu acho uma incoerência a Marina dizer que é contra as alterações no Código Florestal que corrigem uma parte das injustiças impostas aos ruralistas pobres.

Como ela não fala em Pagamento pelos Serviços Ambientais, na verdade ela defende que os ruralistas (inclusive os pobres) paguem pela Preservação que é necessária para que os ricos consumidores continuem causando e usufruindo a devastação.

Onde está a preocupação social “genética” com os pobres?
v.nardi disse…
Pela forma como o Sr. Serra agiu como Governador de São Paulo, nesta questão ambiental ele é igual à Marina ou pior.

A Marina, embora incoerente, pelo menos tem a coragem de assumir suas posições de forma clara, enquanto o Serra diz de forma vaga que irá buscar o “entendimento”, quando na verdade, durante a governo Serra, o Estado de SP radicalizou interpretando e impondo o Código Florestal e as resoluções CONAMA da forma mais restritiva possível e imaginária.

O Estado foi além do que exige e permite a Lei, desmantelou a estrutura antiga do Licenciamento sem que a nova (unificada) estivesse estruturada, protelou injustificadamente as aprovações, etc.

Além disto, impôs Unidades de Conservação sem nunca ouvir os possuidores agindo de forma que se pode chamar de arbitrária e prepotente.

Pode-se-ia até dizer que tratam-se de formas arbitrárias e prepotentes de agir do agente público no âmbito administrativo, em que estaria adstrito ao que determina a lei (princípio da estrita legalidade).

Nesta questão ambiental, se o Serra não se posicionar claramente e ficar falando vagamente em “entendimento”, podem esperar que ele vai ser pior do que a Marina, pois ele vai precisar “provar que é ambientalista” e vai ser mais realista do que a rainha.

A Dilma já trombou de frente com a Marina e não precisa da aprovação dos "ambientalistas".