Exercitando a cafetinagem ambiental II

Ontem o Estadão noticiou que o desmatamento de florestas na Amazônia em 2009/2010 caiu 47% depois de uma queda de 42% no período anterior. O desmatametno de florestas na Amazônia está acabando.

Hoje em seu twitter o ambientalista gourmet Bob Smeraldi - que se amarra num tonrnedor alto ao ponto com mussarela de búfalo - escreveu em seu twitter: "É incorreto afirmar que desmatamento caiu 47%. DETER não foi feito para MEDIR desmatamento."

Para quem não acompanha contidianamente este blogg, cafetinagem ambiental é a prática do zambientalistas de lutar pela não solução de um problema ambiental como forma de garantir sua razão de ser. Fundamentalista do ½ ambiente vive do problema ambiental. Onde não há problema ambiental, não há trabalho para fundamentalista do ½ ambiente.

Resolver problema ambiental, embora interesse às pessoas, não interessa às ONGs radicais. É disso que elas vivem. Há todo um esforço pra mostrar que os problemas continuam e que as ONGs precisam de mais dinheiro para continuar combatendo-o.

Comentários

Luiz Prado disse…
Zambientalista de boutiques, meio como hippies velhos mas já sabendo onde pode estar o dinheiro, vendendo preservação de florestas escritas em propostas levadas na algibeira, como mascates, para grandes geradoras de eletricidade com carvão e petroleiras.
João Lima disse…
Os opostos se atraem. Essa é a constatação da discussão bipolar acerca das questões ambientais. O cabo de guerra favorece o estado das coisas. Zambientalistas que protegem seus interesses e nos fazem comer farinha de mandioca produzida no Paraná, quando vivo na ex-terra da farinha de Bragança. Ruralistas que dizem não causarem danos ambientais e nos deixam desempregados, sem terem um técnico cuidando do seu rebanho.
O agravante é a sociedade que não dá um basta nisso. Mas espere. Esses ambientalistas e ruralistas são gente da nossa sociedade. Erramos é como povo.
Luiz Prado disse…
Há uma diferença, João Lima: "zambientalista" não produz absolutamente NA-DA. Quem produz gestão de recursos ambientais são os profissionais de meio ambiente que forçam as industrias a desenvolvierem novas tecnologias de controle de poluição, os agrônomos que trabalham com silvicultura agro-pastoril e de conservação dos solos, os cientistas e engenheiros que desenvolvem turbinas eólicas mais eficientes ou sistemas de captação da energia das ondas e marés. e por aí afora. Zambientalistas preferem a posição confortável da acusação dos outros sem propostas de solução efetivas.