Entenda o Código Florestal

Caros, após a aprovação do Relatório Rebelo na Comissão Especial do Código Florestal, nosso blogg tem recebido muitos acessos novos. A julgar pelos termos colocados nos mecanismos de busca e que trazem os leitores novos ao blogg e também por alguns contatos que recebi, as pessoas estão buscando por informação.

Muitos leitores do blogg são pessoas já familiarizadas com o tema do Código Florestal e têm um bom nível de conhecimento do assunto. Entretanto, muitos dos novos leitores são pessoas são leigas no tema.

Decidi então produzir uma espécie de roteiro básico que possa orientar pessoas que nunca ouviram falar no tema código florestal, ou que não sejam familiarizadas com o assunto, ou que estejam tentando escapar das fontes convencionais (ONGs verdes ou ruralistas) possam entendê-lo, conhecer suas contradições e os principais conflitos de aplicação da lei, podendo assim formar uma opinião consubstanciada e mais ou menos imparcial sobre ela.

Clique no botão abaixo e faça o download do texto em formato .pdf ao custo de um twitt.


É um texto de 14 páginas (grande demais para ser postado no blog) que fala um pouco da história do Código Florestal e da fundamentação de alguns dos seus institutos. O texto também mostra porque (e como) chegamos onde estamos, fala sobre o início e o desenvolvimento do entrevero político que resultou na aprovação do Relatório Rebelo e dá alguma perspectiva do que deve acontecer daqui para frente.

Obviamente o texto é vivo. Caso algum leitor neófito não consiga entender bem o tema, peço a gentileza de entrar em contato e solicitar um maior esclarecimento sobre o(s) ponto(os) mais obscuro. Dessa forma o texto poderá ser continuamente aperfeiçoado e poderá ajudar mais pessoas a entenderem o problema do Código Florestal. No texto há instruções de como proceder esse contato.

Agradeço ao Luiz Prado do Luiz Prado Blog pela revisão e pelas sugestões que fez do texto inicial. Algumas foram aceitas imediatamente, outras ainda não foram incorporadas ao texto por questão de tempo, mas brevemente o serão.

Espero que a iniciativa seja útil.

Comentários

Luiz Henrique disse…
Entender o Código Florestal não é tão difícil.
O mais difícil é entender a posição de certos parlamentares que se intitulam “de esquerda”, que por serem contra a livre iniciativa e a economia de mercado, bombardeiam o Agronegócio em detrimento de menor custo para a cesta básica, prejudicando a renda familiar de classes mais baixas.
Carina disse…
Sou estudante no ensino medio e estou muito satisfeita com as informaçoes postadas no texto Entenda o Codigo Florestal. Mas pude perceber ao decorrer da leitura, a flexibilidade do Codigo mais preocupada em favorecer o empreendedor rural ( que na minha opiniao só os com pequenas areas são merecedores de tal preocupação). E afinal, o objetivo do codigo não seria a proteção ambiental?
Anônimo disse…
Obrigado pelas informações e isso tem feito com que eu venha compreender o codigo.
Jair
Eng. Agr.
Goiânia-GO
Ja disse! disse…
Concordo plenamente com a Carina, Sou Tec. em Meio Ambiente, entendo os problemas dos empreendedores rurais, porem o codigo florestal não defende o trabalho rural, o Codigo florestal da apoio ao cumprimento do Artigo 225 da constituição Federal. Os Ambientalistas, que pensam no futuro da humanidade de forma plural, pode entender, e tentar resolver o problema Dos empreendedores rurais sem agredir a lei. Entretanto sabemos que os problemas dos empreendedores é egoista, fruto do capitalismo cruel, e de punho financeiro.
Angela disse…
Faço o curso técnico em meio ambiente e amanhã irei participar de um debate sobre o assunto, o texto foi muito esclarecedor, mas somente no final entendi sua parcialidade.
Eu entendo que o CÓDIGO FLORESTAL deva defender as reservas florestais em qualquer lugar seja particular ou não.
A lei que não foi cumprida no passado como você mencionou, já "deu" muito lucro para os empreendedores rurais, e agora temos que mudar a lei para não "pagarem" pelo erro? Não está havendo uma inversão de valores?
O LUCRO É DO PRODUTOR E AS FLORESTAS SÃO DA HUMANIDADE.
Ciro Siqueira disse…
Angela,

Vc precisou chegar ao final para ver a "minha parcialidde"?
Ela está exposta em todos os cantos do blog.
E a sua parcialidade, vc já enxergou? Não vai esperar chegar no final, heim!!
Você tem um estereótipo da cabeça, de um produtor que ganhou dinheiro destruindo a natureza, um bad guy, e acha justo que esse cara se vire para pagar pela preservação das florestas. Mas isso é um estereótipo. Existem milhares de produtores rurais (aliás, você conhece algum produtor rural de perto?) que simplesmente não tem como pagar por essa preservação.
Você acha que a melhor forma de preservar as "florestas da humanidade" e falindo produtores rurais?
Minha parcialidade acha que não. E a sua?
Marlizinha disse…
Simplismente esse novo código florestal nos envergonha e mostra como no Brasil o desejo de uma minoria pode prevalecer sobre a maioria.

Marli Cruz
ACADÊMICA DE BIOLOGIA.
Ramon disse…
Não é mudar o código, é fazer cumpri-lo, um propietário que herdou uma "terra" degradada e devastada não pode arcar sozinho, até porque muitas delas foram "dadas" pelo governo para serem desmatadas! O governo precisa assumir sua culpa e uma parcela dos gastos desses produtores. Évelyn Petrolina -PE
Ciro Siqueira disse…
Caro,

Eu comentário é contraditório. Fazer cumprir o Código Florestal implica em empurrar o ônus (com ou sem trocadilho) ao produtor. O Estado não assume nada com o Código Florestal.

Em tempo, área desmatada não é sinônimo de devatação/degradação. Os melhores campos de produção do planeta não são áreas devastadas e, no entanto, foram "desmatados" ou tiveram seu ecossistema natural removido.
fausto disse…
Na verdade esse novo código não vai adiantar.Como disse o comentário 90por cento do produtores do Brasil estão na ilegalidade,outra coisa mesmo os 50por cento que antigamente era na amazônia ,os produtores que estão dentro do bioma amazônico não tem condição de pagar nem 80 e nem 50 por cento de reserva ,muitos não tem condição nem de roçar os pastos ,quanto menos repor floresta, a maioria ta querendo credito e para pagar suas dividas ,tu acha que ele vai plantar floresta.burrice em cima de ignorância ,alguém tem que pagar por isso ,e esse alguém e os países ricos que desmataram suas floresta,conheço centenas de produtores que tem 100 por cento de suas áreas desmatadas e todos numa só voz diz não tenho condição de repor e nem vou pegar empréstimo pra plantar floresta ,
fausto disse…
o comentário 90por cento do produtores do Brasil estão na ilegalidade,outra coisa mesmo os 50por cento que antigamente era na amazônia ,os produtores que estão dentro do bioma amazônico não tem condição de pagar nem 80 e nem 50 por cento de reserva ,muitos não tem condição nem de roçar os pastos ,quanto menos repor floresta, a maioria ta querendo credito e para pagar suas dividas ,tu acha que ele vai plantar floresta.burrice em cima de ignorância ,alguém tem que pagar por isso ,e esse alguém e os países ricos que desmataram suas floresta,conheço centenas de produtores que tem 100 por cento de suas áreas desmatadas e todos numa só voz diz não tenho condição de repor e nem vou pegar empréstimo pra plantar floresta ,
faganello disse…
A todos que estão aqui a criticar agricultores deveriam pensar em suas refeições , e agradecer a um agricultor...ao contrario do que muitos ''urbaninhos'' acham..a comida nao surge no mercado do nada.
ela necessita de terra para ser produzida.
se quer que pare de desmatar pare de comer e de fazer filhos.
Eliana disse…
Pare para pensar na seguinte frase:

"Já se alimentou hoje? Agradeça a um produtor rural!"

O produtor rural é batalhador, trabalhador, faz financiamentos sabendo dos riscos que corre devido ao tempo e à economia. Muitas vezes nem consegue o retorno necessário e se individa mais ainda. É claro, existem os que estão em melhor situação, que são uma minoria, e que também lutaram para chegar lá!
Tratar o produtor rural como bandido é uma tremenda ignorância! Infelizmente, muitos se levam pelos boatos dispersos por aí, propositalmente, muitas vezes sem nenhum embasamento técnico ou científico.

Que tal todo ser humano que vive no meio urbano ser obrigado a deixar 10% (ou 20%) do seu terreno permeabilizado, independente de ter que destruir uma área construída ou não? Afinal, isso aumentaria a infiltração de água no solo, colaborando para diminuição de alagamentos... não seria uma maneira de colaborar com o meio ambiente? Será que os "urbanos" iriam concordar com tal medida? Geraria alto custo para muitos, não geraria??
Além disso, será que todos esses que pensam tanto no futuro da humanidade reciclam 100% do lixo que produz? Uma medida muito importante, na qual nós, brasileiros, estamos muito atrasados.
É claro que me preocupo com o futuro da humanidade, que deve haver preservação sim! Mas devem haver critérios para que não ocorram grandes prejuízos, principalmente quando se trata de produção de alimentos!
Eliana disse…
Pare para pensar na seguinte frase:

"Já se alimentou hoje? Agradeça a um produtor rural!"

O produtor rural é batalhador, trabalhador, faz financiamentos sabendo dos riscos que corre devido ao tempo e à economia. Muitas vezes nem consegue o retorno necessário e se individa mais ainda. É claro, existem os que estão em melhor situação, que são uma minoria, e que também lutaram para chegar lá!
Tratar o produtor rural como bandido é uma tremenda ignorância! Infelizmente, muitos se levam pelos boatos dispersos por aí, propositalmente, muitas vezes sem nenhum embasamento técnico ou científico.

Que tal todo ser humano que vive no meio urbano ser obrigado a deixar 10% (ou 20%) do seu terreno permeabilizado, independente de ter que destruir uma área construída ou não? Afinal, isso aumentaria a infiltração de água no solo, colaborando para diminuição de alagamentos... não seria uma maneira de colaborar com o meio ambiente? Será que os "urbanos" iriam concordar com tal medida? Geraria alto custo para muitos, não geraria??
Além disso, será que todos esses que pensam tanto no futuro da humanidade reciclam 100% do lixo que produz? Uma medida muito importante, na qual nós, brasileiros, estamos muito atrasados.
É claro que me preocupo com o futuro da humanidade, que deve haver preservação sim! Mas devem haver critérios para que não ocorram grandes prejuízos, principalmente quando se trata de produção de alimentos!
jota disse…
J.Borges
Sou eng florestal e entendo tudo isso que estão falando. Tomando por base a Lei do código de 1966 e constatando que nunca foi levado a sério pelos sucessivos governos federal, estadual e nem municipal, exceto um reduzido número de voluntarios...toda discussão é bem vinda e torço pra que "pior do que tá, nun fica"
Felipe disse…
Sou Engenheiro Florestal, realizo trabalhos de Averbação de RL. As mudanças propostas pelo Deputado Rebelo vão apenas desviar o foco, amenizar a situação, porém, não solucionam o problema, eu entendo que para solucionar essa questão da irregularidade de produtores rurais, o proprio governo deveria subsidiar projetos de recuperação, a médio prazo, de maneira que o produtor entrasse em acordo e se comprometesse de maneira formal a cumprir os parametros de recuperação pré-estabelecidos pelo projeto.
bagda disse…
A verdade é que ninguém gosta de perder. Os ambientalista não podem deitar a cabeça no travesseiro sabendo que arvores estão sendo derrubas (ou já foram), e eles não podem fazer nada pra mudar isso. E o produtor rural sabe desde quando derrubou as áreas (ou quando adquiriu a terra nesse estado) que deveriam ser de reserva (RL ou APP), que estava infringindo a lei, também não pode dormir tranquilo sabendo que vai ter que arcar com o prejuízo que querendo ou não é dele mesmo. A lei tem que ser cumprida por “ruralistas”, “urbanistas”, “ambientalistas” ou qualquer outra nomenclatura que venha a surgir, mas não podemos tratar o produtor rural como bandido, as florestas não se formam da noite para o dia, deve-se chegar em um acordo que não inviabilize o ganha pão do produtor, porém não se esquecendo da defesa do meio ambiente, que convenhamos é dever de todos nós, independente se moramos no campo ou na cidade.
Ivo disse…
olha pessoal,não sei de nada so sei que esse tal de codigo florestal,vai dar pano pra manga.
Brincadeira essas desculpas de que não dá pra cumprir o código! Faz mais de 40 anos que se permite dividir as terras de forma descontrolada. Os pequenos produtores que não conseguem sobreviver da terra estão nesta situação porque a terra é pequena e não porque a lei está errada. Quem deveria ter cuidado disso era o governo não permitindo propriedades divididas em partes menores do que o módulo rural. Absurdo também dizer que devorando todas as florestas teremos alimentos mais baratos, ISTO É MENTIRA. Quem regula os preços é o mercado internacional. O Brasil exporta barato e vende caro no mercado interno, sempre foi assim. Não é culpa de ambientalista nenhum isso não. Amanhã ou depois podemos votar a favor do assassinato afinal tem tanta gente que não cumpre ele mesmo não é? Eu digo NÃO ao código anti-florestas!
Érica disse…
A nova proposta prevê que propriedades pequenas não precisariam manter essa reserva legal, isso acabaria abrindo uma brecha na lei, onde áreas grandes e médias poderiam ser divididas, no papel, e se tornaria propriedades pequenas sendo dispensadas de terem a reserva legal. E, infelizmente, no país em que vivemos podemos contar que isso irá acontecer.
Livraria Espiral disse…
bom, lendo os comentários abaixo, notei que praticamente ninguém entendeu qual o grande problema do novo código florestal: ele é IMPOSSÍVEL de ser realizado RADICALMENTE, como é proposto pelo governo, o que realmente deveira ser proposto é: algo que não "perdoe" os produtores pelo erro do desmate, e nem puna-os por algo que fora icentivado no passado, é ensiná-los a produzir o alimento sustentavelmente, e recuperar as suas APPs de forma barata e eficiente.
A minha proposta seria, mudar o código de maneira mais "light" digamos assim, e haver o insentivo do governo, distribuindo sementes ou ensinando a produzi-las de forma barata para refazer as APPs a longo prazo, sem que prejudique a economia do país.
Jose disse…
Olhe tenho visto muito se falar a respeito do Código Florestal, mas até agora não vi ninguém falar em INDENIZAÇÃO aos proprietários rurais, quando vai desapropriar qualquer propriedade na cidade logo se indeniza...E os produtores rurais??????? muitos não grilharam terras nem receberam de herança, nem ganharam de graça...se a sociedade quer que o homem do campo contribuia com 20% a 80% de sua propriedade, então porque não indenizar ...??????????
Elias Andre disse…
Se os imóveis são da união, e o produtor tem apenas o direito de uso deste bem, nós deveriamos sermos pagos por proteger as nascentes, o codigo como querem os ambientalistase até mesmo o vigente iria transformar 85% do teritorio nacional em mata e reservas (indigenas e de preservação), restando 15% para estradas, cidades e agricultura (isto dito por um secretário da EMBRAPA) e ainda querem alimento barato?
e sobre estes ativistas e Ong's, a maioria possui a base em outros paises, ou seja, querem fazer o que nossos colonizadores fizeram, enriqueceram seus paises e nos deixaram chupando prego!
Edson e Gabriela disse…
Em resposta a 'Ciro Siqueira'
No meu humilde ponto de vista a estrutura de grandes propriedades já perdeu qualquer possibilidade de argumentar a favor de tal. É verdade corriqueira o uso de grilagens, concessões ilegais concebidas em prefeituras locais, bancada de ruralistas norteada pelo lobby do agronegócio, coronelismo e mais uma centena de mazelas que podemos identificar como ataques ao código florestal e à constituição. Me desculpe, mas não encontro em que ponto o latifundiário não é ''um produtor que ganhou dinheiro destruindo a natureza''. A monocultura que consome os minerais do solo e provoca a sua morte, a produção com uso massivo de agrotóxicos, as culturas norteadas pela cotação no mercado internacional são,respectivamente, também ataques ao ambiente, à saúde e ao salário das maiorias brasileiras que são obrigadas tradicionalmente a lidar com os altos preços dos alimentos importados (contradição absurda. Temos mais terras 'limpas' para a agricultura no MS do que na França inteira, e paradoxalmente compramos alimentos deles) provocados pela monocultura de comodities e pela especulação fundiária (há mais terras ociosas do que produtivas, se não me enganam os dados).

Luíz Henrique, o fim do latifúndio, começando pela desapropriação de terras de quem pratica grilagem e possui terras ociosas não é mais uma questão meramente da esquerda, como tradicionalmente se faz a ligação. A reforma agrária hoje é também uma questão crucial para combater a inflação, combater a inundação de dólares, valorizar a produção nacional, abaixar os preços dos alimentos e redistribuir renda.
ago.oleinski disse…
Edson e Gabriela
Baixar mais ainda os preços dos alimentos???
Com certeza vocês não tem conhecimento da crise que enfrenta o setor arrozeiro no SUL do Brasil!!!
O custo de produção esta em 28 reais e o preço pago ao produtor é de 18 reais!!!
Voce acha isto justo????
E alem disto o novo codigo florestal quer nos tomar as varzeas!O Brasil deixara de ser um grande produtor e tambem exportador para importador.Isto é um absurdo!!
ARGENTINA E URUGUAI AGRADECEM!!!!
Meu nome é Gilberto e sou produtor rural.
Tatiana disse…
Estudos recentes da ONU/FAO mostram que se a produção de alimentos não aumentar até 2050, a população mundial passará fome. Ou seja, a tendência da demanda alimentar só irá aumentar. E o cenário atual se modificou de tal maneira que, o atual código florestal não dá conta das necessidades não só do produtor rural, mas inclusive daqueles que moram nas cidades! Imagine como deve ser difícil para um produtor rural ter que seguir essas exigências sendo que sua demanda de sobrevivência é infinitamente maior que a de 50 anos atrás? Se o problema é o desmatamento, este por sua vez aconteceu sempre (com código novo ou não). E não acredito que vai ser agora que as coisas irão “piorar”. É claro que muita coisa precisa ser melhorada e analisada, mas dar o primeiro passo ao encontro do avanço social e ambiental justo é fundamental para o Brasil...
catea disse…
O novo código florestal tornou se necessário para regulamentar algumas questões bem como cobrar o cumprimento da lei, mas todos os cometarios que ouvi, seja da imprensa ou em conversas, são em relação ao produtor rural. Acaso não tem responsabilidade sobre o meio ambiente os habitantes das cidades?
Produzir maças ou café em morros é ilegal, mas construir bairros, muitas mais populosos do que alguns municípios brasileiro, isso é permitido. Gostaria que alguem me mostrasse a APP do Rio Tiete.
Gostaria que alguem me mostrasse qual ONG Ambientalista é mantida pro brasileiros, ja que a Europa e EUA destruíram suas areas de preservação e agora estão se sentindo ameaçadas pela crescente produção de alimentos no Brasil, é barato financiar campanhas como estas em que o produtor rural e colocado como bandido do que recompor suas próprias florestas, e isto pra não citar as riquezas que a biopirataria está tirando de nossas matas.
A todos que acho que o produtor é um bandido, sugiro que venham trabalhar produzindo alimentos de segunda a segunda,não importando se chove, faz frio, se o preço pago pelo produto é justo, ou ao menos cobre o custo de produção, para somente então emitir uma opinião.

Catea Casarotto
Marechal Cândido Rondon- PR
Filha de agricultores, neta de desbravadores, e uma brasileira que sente orgulho de todos os produtores rurais, diariamente fornecendo alimentos a nossa mesa.
Rosá Lima disse…
oi eu sou estudante de Eng. Florestal e o seu texto me ajudou muito, me esclarecendo algumas duvidas.
Laryssa Galdino disse…
Excelente Postagem! Precisamos entender a polêmica que envolve o Novo Código Florestal e também sobre a Base que aprovou que estados legislem sobre APPs. Sou Matogrossense e Mato Grosso é o estado com o maior índice de casos de desmatamento. De acordo com o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), o estado teve 480,3 km² dos 593,0 km² de desmatamento detectados entre março e abril na região da Amazônia legal.
AloKa disse…
Esatava lendo os comentários e notei que muitos aí falam que a comida não vai para a mesa atoa. Os latifundiários não são os agricultores que botam a comida em nossa mesa..quem bota sçao os pequenos e médios agricultores! Esses não são beneficiados com o código, e sim os ricos latifundiários, que visam exportar!
marcio disse…
Esses brasileiros urbanos acham que os pequenos agricultores ñ fazem diferença na economia do Brasil, eu sou filho de um pequeno agricultor e se a produção dos pequenos agricultores não fosse fornecida para vocês urbanizados, vocês comeriam miojo o dia todo. Esses grandes produtores tem disponibilidade de ceder grandes territorios de terra para preservação, mas pensem bem pois os alimentos produzidos por eles é totalmente destinado para a exportação, por isso eles possuem maior ganho na venda. Agora vocês vão sentir na pele o que os pequenos agricultores passam a anos, se nós temos uma divida com o governo, nos devemos pagar a todo custo com juros e outros acréscimos. Já esses grandes latifundiarios que estão sendo beneficiados com o tal codigo florestal fecham as estradas quando a divida deles com o governo começa a gerer muito juros, e o governo perdoa as dividas.
Pense Bem em que lado voce está, qual seu ponto de defesa.
-- Land -- disse…
Já que certas pessoas não entendem o custo de se manter 20% ou 35% de sua propriedade sem poder plantar sequer uma batata...Elas deveriam pra começar, pegar o imovel onde moram e inutilizar 20% da área, plantar florestas e mantê-las. Ou alquem acha que pra construi-la ninguem cortou floresta. Não confundam devastaçao com desmatamento... existe um trade-off positivo para a maioria.
Blog da Cris disse…
Sou estudante de agonomia na UCS, pra mim é muito importante estar por dentro dessas questões, mas é dificil saber que posiçao tomar.
O tempo é curto pra pesquisas e as informações são muitas. Por isso gostei do teu texto, claro, curto e objetivo.
Continuarei acompanhando seu blog e as novidades sobre o Código Florestal.

Abraços

Cristina Moschen
Walisson Lucas disse…
Enfim... Tristes noticias virão, sabedoria de menos, ganância e interesses econômicos de mais cegam os parlamentares e a política brasileira, 8 maior potência econômica a que preço?
Até quando viveremos este velho dilema? Será até restar apenas "ilhas" ecológicas igual aconteceu com a Mata Atlântica?
Que pena que ambientalistas não tem poder suficiente pra impedir isso. Maldito progresso que ta levando este “miserável rico país as ruínas” ecologicamente falando. Só lamento pelas futuras gerações que não verão essa magnífica Floresta intacta...
Walisson Lucas disse…
não aguenta uma boa critica?
só lamento...
Ciro Siqueira disse…
E onde é que está essa boa crítica?
Max Barros disse…
Todos os dias vejo essa preocupação com o Meio Ambiente "temos q deixar um mundo melhor para nossos filhos", entretanto não pensamos q, proporcionalmente falando, devemos deixar filhos melhores para o mundo. A educação ambiental começa em casa, com separação do lixo, quem separa latas de alumínio, pets, papéis e etc do lixo orgânico? E o consumo de água, é consciente? E as luzes, são acesas sem necessidade? Em casa se começa o processo. Qto ao código florestal, concordo com o autor, o governo deve assumir o erro do antecessor, punir sumariamente produtores seculares de APP's, por exemplo, é de uma arbitrariedade absurda. Porém, é uma excelente forma dos maiores esmagarem todos os menores, e de certos políticos tirarem "algum" dos grandes q estão irregulares. Este é o nosso Brasil.
AMBIENTAL disse…
Estamos tentando mudar o código florestal principalmente por três motivos:
1) Garantir renda para agricultura familiar e pequenos produtores;
2) Não ferir a competitividade do Brasil frente a produção dos outros países;
3) Não prejudicar as plantações que estão consolidadas em APPs, como arroz, maça, etc..

Vale a pena ler! A Aldo Rebelo usa nossa ignorância para favorecer os GRANDES e GANANCIOSOS PRODUTORES

Item 1) Pequenos produtores e agricultura familiar.
Esses merecem, merecem mesmo! São verdadeiros heróis que ocupam 1/4 da área cultivada na país e respondem com até 80% da produção nacional com a mandioca. Estes 24,3% de área são divididos em 4.367.902 estabelecimentos que correspondem a 84,4% dos estabelecimento do Brasil, os restantes 15,6%, ocupam 75,3% das área cultivadas na País. Ou seja, POUCOS COM MUIT0S e muitos com pouco!
Agora, vamos ter bom senso, pequeno produtor com módulo de até 400 HECTARES, isto é piada! Estão querendo usar uma Bandeira que não é deles para mudar o Código. O Objetivo é favorecer produtores que não dependem da terra.

Item 2) Diminuir a Produção de Alimento. Mais uma MENTIRA, é possível desenvolver uma agricultura com menor impacto sobre o meio ambiente e MAIOR PRODUTIVIDADE. Isso é o que a Marina Silva queria. Lembro que uma vez saiu uma matéria dizendo que o Japão disse ao Governo Brasileiro que somente com as área que margeiam as beiras das nossas estradas eles poderiam solucionar a fome do mundo. PRECISAMOS DE TECNOLOGIA E NÃO DE DESMATAMENTO E DESTRUIÇÃO.

Item 3) O Código irá acabar com algumas culturas. BOBAGEM! É possível "licenciar estas culturas", o que não é possível é mudarmos toda uma Lei em virtude de 5% (no máximo) da produção nacional. A proposta mudar 100%, permitindo o cultivo em área de APP, por causa de 5%. Isto é BURRICE ou muita MALANDRAGEM!

A PROPOSTA DO NOVA CÓDIGO FLORESTAL QUER ACABAR COM A VIDA!

Não precisar pensar muito! a Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência e a Associação Brasileira de Ciência são contra as mudanças propostas no Código Florestal e diz que será um DESASTRE! É simples um DESASTRE! Talvez alguém pense que os cientistas não sabem o que é o campo. Pergunto: Será que um produtor planta ser sem técnica, de maneira aleatória, ou, não realiza correção de solo adubação, isto também é ciência.
ESTAMOS PRESTES A COMETER UM ERRO GRAVISSIMO!
ThisIsMannu disse…
O problema é que no Brasil uma lei é aprovada e muito pouco é colocada em prática. Claro que os agricultores nos ajudam cultivando alimentos, mas a questão é se eles estão fazendo isso corretamente.Se eles desmataram pra plantar e não possuem recursos financeiros para reflorestar, cabe a esses agricultores forçar o governo brasileiro pra que eles recebam ajuda financeira para fazer o reflorestamento.Agora o que não pode é deixar um buraco no meio de uma mata e abandoná-la sem o mínino de consideração para recuperá-la.
Fer disse…
Se eu não me engano, no pantanal alguns pequenos proprietários rurais estão recebendo ajuda do ESTADO para recuperar as áreas que os ancestrais degradaram antigamente, área recuperada essa que os ajudam tirar 4 tipos de produtos por ano sem degradar o meio ambiente, aumentando a própria renda. Exportar pra países quem nem possuem código florestal,se exportássemos pra países que tem preocupações ambientais verdadeiras o mundo seria favorecido, então quem não cuida do próprio meio ambiente certamente tomaria uma posição e muito seria feito. Pra variar o dinheiro fala mais alto, enfim. Pra variar,o grande erro da humanidade é colocar o dinheiro em primeiro plano. Falam que os pequenos proprietarios rurais são desfavorecidos, que aumentariam a produçao aumentando a area que poderiam desmatar na propria propriedade. Há tanta area improdutiva no país, porque não há leis e incentivos financeiros decentes que ajudem as pessoas a tornar essas terras produtivas? Governo não quer por a mão no bolso, é onde mais dói. Acho um absurdo diminuir a mata ciliar, implantar a reserva legal nas app. Acho um absurdo maior ainda "generalizar" o codigo para todos os biomas brasileiros, deveria haver codigos florestais especificos para cada bioma em nosso país. Sem contar a nossa fauna e flora com grande numero de espécimes em extinção
E gostaria de saber quem foram os autores desse novo código florestal. Se eles tem algum conhecimento especifico na área do meio ambiente. Como acadêmica de Engenharia Sanitarista Ambiental estou muito preocupada com os recursos hídricos que possuímos, e o que esse novo código os afetará.
patao10 disse…
a minha dúvida é que quando só tiver matas no Brasil como querem esses ambientalistas (fundamentalistas) nós teremos que comer folhas das arvores e aí começará tudo de novo?
Roberto Porpino disse…
Roberto Porpino disse...
Os ambientalistas xiitas são contra tudo que proporcione o crescimento do Brasil. São contra a produção agrícola,hidrelétricas,Usinas nucleares,industrialização,rodovias,ferrovias,portos,hidrovias,enfim… absolutamente tudo! Eles estão pouco se lixando com a miséria de milhões de brasileiros e com a transformação social que o desenvolvimento propicia. São verdadeiros traidores à serviço de ONGs internacionais e à submissão da nossa pátria aos interesses dos países de primeiro mundo, que querem nos manter eternamente pobres e dependentes. Por que esses xiitas não pregam APPs e reseva legal na Europa,EUA,Canadá,China,Russia,Austrália,Japão,Argentina e no restante do mundo ? O motivo é que eles seriam escurraçados à pauladas !!!! Somente um povo idiota como o nosso, dá ouvidos à essas ONGs e à esses ambientalóides nacionais que querem nos manter na miséria, enquanto TODOS OS PAÍSES RICOS, plantam cada centímetro quadrado das áreas agrícolas disponíveis.Acorda Brasil !!! Mesmo após a reforma do código florestal, felizmente aprovado na câmara dos deputados,nenhum lugar do planeta tem leis tão draconianas e de lesa-pátria como o nosso infantil país.
Roberto Porpino disse…
Roberto Porpino disse...
Os ambientalistas xiitas são contra tudo que proporcione o crescimento do Brasil. São contra a produção agrícola,hidrelétricas,Usinas nucleares,industrialização,rodovias,ferrovias,portos,hidrovias,enfim… absolutamente tudo! Eles estão pouco se lixando com a miséria de milhões de brasileiros e com a transformação social que o desenvolvimento propicia. São verdadeiros traidores à serviço de ONGs internacionais e à submissão da nossa pátria aos interesses dos países de primeiro mundo, que querem nos manter eternamente pobres e dependentes. Por que esses xiitas não pregam APPs e reseva legal na Europa,EUA,Canadá,China,Russia,Austrália,Japão,Argentina e no restante do mundo ? O motivo é que eles seriam escurraçados à pauladas !!!! Somente um povo idiota como o nosso, dá ouvidos à essas ONGs e à esses ambientalóides nacionais que querem nos manter na miséria, enquanto TODOS OS PAÍSES RICOS, plantam cada centímetro quadrado das áreas agrícolas disponíveis.Acorda Brasil !!! Mesmo após a reforma do código florestal, felizmente aprovado na câmara dos deputados,nenhum lugar do planeta tem leis tão draconianas e de lesa-pátria como o nosso infantil país.
Erik Bravim disse…
Sou Eng° Agr°, e sei bem da situaçao da agricultura. Produtores falidos pela falta de politicas voltadas para o setor agricola, e ainda vem com essa historia de Codigo Florestal. concordo plenamente que as areas de florestas devam ser preservadas. Mas isso nao é responsabilidade dos proprietarios rurais, falta é responsabilidade do governo em fiscalizar, impedir e punir madeireiros e produtores que estao destruindo s areas de preservaçao que ainda existem. Agora querer falar que produtor o produtor rural esta infringindo a lei, porque da duro no campo pra tentar sobreviver, tambem sou produtor e sei que trabalhamos no setor por amor a profissao porque a lucratividade é baixa, os riscos sao enormes (desastres climaticos, pragas e doenças das culturas etc.) se fosse pra ganhar dinheiro eu seria eng° de Petroleo, pq é a unica coise que é valorizada nesse pais. Na minha propriedade tenho os 20% de RL e algumas areas de APP's. Porem aq ES se forem transformar todads as areas com declividade acima de 50% por exemplo, em APPs vai mais de 30% de toda a area agricultavel do estado.
Alem disso principalmente os pequenos agricultores, reflorestando, vao passar fome, pq sou vizinho de area de reserva e sei muito bem o que é nao poder criar uma galinha pq rapoza e gamba comem tudo, ter que ficar espantando papagaio e piriquitos das plantaçoes para poder comer e vender alguma coisa, gastar uma fortuna com pesticidas em lavouras de maracuja pq as abelhas inviabilizam todas as flores e etc.

Ambientalistas, é uma classe de que esta longe da realidade vivida pelo Pais, que acham que floresta vai matar a fome de aguem.

Na Minha opiniao a soluçao é: O governo entrar com uma politica forte de preservaçao aonde ainda nao foi desmatado, e apoiar a agricultura, a pesquisa, para que possamos produzir mais sem precisar de aumentar a area plantada.

Isso é preservaçao, e preservaçao consciente, mas o governo quer é fazer marketing, do meio ambiente para poder roubar mais um pouquinho, principalmente jogar a responsabilidade do Governo sobre a poppulaçao, mas esse é outro assunto que se for discutir vai muito tempo ainda.
AMBIENTAL disse…
Para quem realmente quer saber a VERDADE, pesquise no google o Artigo de Título: A falsa dicotomia entre a preservação da vegetação natural e a produção agropecuária, e LEIA, VALE A PENA! O artigo demonstra claramente que é uma FALSIDADE justificar a mudança do Código Florestal em virtude de FALTA de ÁREAS para PRODUÇÃO DE ALIMENTO, e os autores não são qualquer um não...
Ciro Siqueira disse…
Só falta dizer quem está a justificar a mudança do Código Florestal em virtude de FALTA de ÁREAS para PRODUÇÃO DE ALIMENTO.

Eu nunca fiz isso.
Manuele Ferreira disse…
Concordo que o código florestal não se preocupa com os produtores rurais, mas tenho que dizer que o autor desse texto não viabilizou soluções para um equilibrio entre produtores rurais e meio ambiente. Não se pode devastar as matas e desrespeitar áreas de APP's, mas também não podemos parar de produzir, temos que encontrar uma solução para não prejudicar os produtores rurais e para preservar o que temos atualmente.
Leny Morais disse…
na verdade não precisamos de nenhum code florestal para abrirmos nossos olhos pra saber como esta a situação do nosso planeta. O codico só foi uma referencia onde pequeno e grande proprietario de terra pode fazer a sua parte, e agora pergunto e nossos grandes consumidos urbanos fazemos a nossa parte? só posso falar q somos pobres em conciencia e sabemos so reclamar. O que custa começar a reciclar em sua casa, depois em seu bairro, assim começas a fazer pra consumir e assim podemor fazer para preservar...=D
Alexandre Torres disse…
Eh uma vergonha e totalmente manipulatica a pesquisa sobre os filés x desmatamento. Porque não posso por a culpa exclusivamente no produtor que desmatou ? Lixo de site, lixo de blog, nunca mais volto aqui!
Ciro Siqueira disse…
Manipulática é boa.
O pior é que ele pode tirar a culpa de si mesmo botando a culpa só no cara que desmatou.
Gonçalves disse…
O que o novo código representa, é simplesmente a imposição do interesse econômico sobre os interesses e o bem estar do povo brasileiro como um todo.

Os falaciosos discursos a favor do agronegócio salientam o "altruísmo" de alimentar o mundo e movimentar a economia. Será mesmo que o agronegócio está cumprindo bem esta tarefa? Será mesmo que o cálculo da produtividade e do PIB agrícola não está seguindo uma ideologia tendenciosa?

Na verdade meus caros, a lei do Novo Código Florestal pretende alavancar os interesses do setor agroindustrial criando um elo de dependencia através do modelo técnico-produtivo de monoculturas. A sustentabilidade interna da propriedades agrícolas em relação à renovação cíclica dos insumos (sendo somente possível em um contexto onde a ecologia local é respeitada), cederá lugar à linearidade e dependência por insumos externos.

O que é buscado por essa nova lei, é a transformação de modelos agrícolas sustentáveis por modelos viciados. O campesinato sobrevive das relações ecológicas das culturas com a biodiversidade local, que promove a fertilidade do solo e renovação dos recursos. Mas no contexto do Novo Código Florestal, o meio de vida do camponês chega ao fim e o o mesmo é obrigado a seguir o modelo da agroindústria sem chances de sucesso.

Em relação a anistia, os latifundiários vão sorrir atoa, já que principalmente no Centro-Oeste o cerrado perdeu espaço para o deserto verde da soja.

Além disso, que tipo de estudo científico justifica uma mata ciliar de 15 metros? Já trabalhei com rios de 9-10 metros de largura que mantinham distância de inundação de até 45 metros!

Definitivamente o o Novo Código Florestal que deve ser aprovado é uma vergonha nacional...
Ciro Siqueira disse…
Mais um sonhático que provavelmente não leu o texto.

O comentário serve bem ao propósito de mostrar como o ambientalismo, a legítima luta pela preservação ambiental, está impregnada com o velho esquerdismo. Muitos "ambientalistas" não passam de viúvas de marx, sem bandeira.
TT.... disse…
Estou abismada.
Se um papel com uma nova lei valesse nesse Brasil estaríamos salvos. Existem muitas leis boas ambientais no Brasil, só que papel não fiscaliza, não vai atrás dos traiçoeiros que cobram dinheiro para favorecer um licenciamento ambiental, igual no norte de Minas (há uma denúncia). Refazer uma lei que já era boa para o Brasil, é gastar dinheiro público à toa. E justificar que os pequenos produtores tiveram que abandonar suas terras pois não conseguiam produzir sem licenciamento ambiental devido a APP's...Ora, convenhamos que isso é problema do próprio orgão público que permite robalheira em seus setores de fiscalização, que atravancam o progresso de pequenas agriculturas, substanciais a várias regiões do país.
Vivo nesse meio de licenciamentos e exploração, e para um dono de fazenda pequeno produtor, que se vê obrigado a passar 5 mil reais para o cara liberar um FCEI ( que é de graça) ai já é o cúmulo do absurdo. Mas existe, essa é a realidade dos menos favorecidos de Minas Gerais.
Tá ai meu desabafo.
Fazer dessa luta uma luta de poder político é começar a criar mentes que só pensem em si e nos próprios ideais, e não no bem conjunto, na sociedade, garantido na nossa Constituição (Direito de todos).
Ciro Siqueira disse…
Convenhamos que você não sabe do que está falando. O Código Florestal vigente é uma péssima lei, não funciona, oprime produtores que não podem arcar com custos que ele impõe, separa os que pagam pela preservação (produtores rurais) dos que se beneficiam dela, por exemplo você.

E exatamente pelo fato do Código Florestal vigente ser uma péssima lei que a reforma está tendo tanto apoio no Congresso.
Felipe disse…
Eu não sei porque quando falam em destruir o meio ambiente só criticam a agricultura, como fosse o vilão de todo o problema, porque você antes de fazer alguma critica olhe onde você mora?, talvez esteja morando a menos de 15 metros de um rio, aahh mas me esqueci que na cidade não tem rio, ou melhor esta escondido para esconder o esgoto. Reclamam que os produtos estão caros, mas esperam que aprovam o novo código ai a produção vai diminuir fazendo com que os produtos fiquem mais baratos HAHA!.Observe o problema que VOCÊ gera ao meio ambiente antes de criticar as pessoas que te alimentam.
Mayra disse…
Vejo que literalmente a algumas pessoas que nasceram dentro de uma caixinha que tem apenas quatro cantos, e que sentaram em uma sala de aula e olharam apenas os livros, convido a todos que dizem que é hora do pequeno agricultor devolver o que pegou, a conviverem com uma familia rural apenas uma semana e ver como funcionam as coisas. ou melhor estão prontos para me sustentarem com seu salário e comerem salgadinho o dia todo? ou então pagarem caro, por alimento sendo importado de outros países?


" VOCÊ JÁ SE ALIMENTOU HOJE? ENTÃO AGRADEÇA A UMA FAMÍLIA RURAL"


Literalmente vejo como tem gente de mente pequena neste país, sim por que é pequena, se não fosse, informações tem o suficiente para entender.

Convido a cada um que julga tanto a nós agricultores que pelo menos analise o quando de lixo, contaminação... tem em sua residencia por semana.
LuizHTC disse…
Perdão pela minha ignorância, mas não consegui acessar o roteiro...
Felipe disse…
Cada estado deveria ser responsável por atender as suas necessidades ambientais e produtivas, tanto o novo código quando o código em vigor não faz isso. Quem melhor que o órgão estadual para definir parâmetros de preservação? Vale lembrar que os parlamentares estão ai para criar, alterar e eliminar leis, porém alguns possuem visão uniforme. Não me considero leigo, mais acredito e defendo o ponto de vista em que cada estado deveria ter uma câmara técnica, composta por diversos profissionais da área, talvez seria um processo mais ágil e simplificado.
Daniela disse…
O desmatamento ocorre por areas devastadas para a produçao dos alimentos a humanidade. E tbem aos cortes das arvores sem controle. O dinheiro para reflorestamento deveria vir do governo e das Ongs, ja que nao esta acontecendo de outra maneira. Cade uma Ong que ao inves de escrever documentos e ter seu escritorio de primeira, que cultiva as plantas nativas e planta arvores de verdade. Numero grandes de devastaçao tem que ser acompanhado por numero grande de reflorestamento. Cada um faz a sua parte.

Chega de reclamarmos do produtor dos alimentos ou daqueles que usam a madeira para produçoes dos minerais necesarios para produçao dos crro que todos nos usamos e gostamos.

Vamos coordenar um projeto lindo que refloresta com arvores nativa.

Afinal o EUCALIPTO eh terrivel, gasta os nutrientes do solo, causando a erradicaçao do solo. O uso deste solo passa a ser impossivel.
A melhor maneira em muitos casos eh a vegetaçao nativa. Pode ser mais complicado, mas tudo muito facil acaba nao sendo sustentavel e fazendo sentido a longo prazo, ou seja, estamos perdendo tempo criando nossos filhos, pois mais adiante teremos gasto tudo do planeta por pura ignorancia, ganancia, preguiça e egoismo.
Ciro Siqueira disse…
A saída é o infanticídio. Silogismos desemendados são um perigo.
Daniela disse…
"Silogismos desemendados são um perigo." A quem se refere?
Seja mais especifico!
Jorge Luiz disse…
Se o governo impedir a votação do Código amanhã dia 10/04, muita dificuldade vai ter o campo em produzir. Se isto ocorrer sugiro ao Governo, PT e PMDB, que nas próximas eleições, peçam votos no USA, Europa e Japão, lá certamente terão pessoas mais satisfeitas com isto.
Jorge Luiz disse…
Se o governo impedir a votação do Código amanhã dia 10/04, muita dificuldade vai ter o campo em produzir. Se isto ocorrer sugiro ao Governo, PT e PMDB, que nas próximas eleições, peçam votos no USA, Europa e Japão, lá certamente terão pessoas mais satisfeitas com isto.
Gilberto disse…
Caro Gritão, não vejo necessidade alguma de gritar. Mas vejo a necessidade de que não seja recusada a leitura deste artigo, não como LINK! Mas para você procurá-lo, pois o interesse é seu. Então la vai uma reflexão bem SENSATA, com pros e contras como o senhor mesmo disse "...podendo assim formar uma opinião consubstanciada e mais ou menos imparcial sobre ela..." (SEM PUXAR A SARDINHA PARA O "BODE" OU PARA "HOMEM"). Então la vai... procure o seguinte documento: "A revisão do Código Florestal brasileiro" - Autores: Gerd Sparovek; Alberto Barretto; Israel Klug; Leonardo Papp; Jane Lino. Se não achar me diga que eu lhe envio por e-mail. Até logo.
Ciro Siqueira disse…
Que será o Gritão a que ele se refere?

Se for eu, não cola. Conheço bem o artigo. Já falei sobre ele aqui no blog. Cientistas reforçando o conhecimento corrente e tapando com uma peneira as fissuras do paradigma.
No fundo, não é ciência.
Eu não tenho nenhum tipo de rede social, ou seja, por esse motivo não consigo baixar o conteúdo comentado do Novo Código Florestal! Como faço?
Maxwell Amâncio disse…
Gostaria de lembrar a todos que com a implantação do novo código, a produção brasileira vai diminuir e com toda certeza vai encarecer, pois muitas áreas produtivas hoje vão ter que ser reflorestada. O produtor rural precisa ser indenizado pelo governo e incentivado a reflorestar com programas sérios, com fornecimento de mudas, com assistência técnica para que possa dar resultados, mas isso custa caro e todos têm que pagar esta conta.