Veja com atenção

Entrevista do Deputado Aldo Rebelo ao jornalista Alon Feuerwerker.

Comentários

v.nardi disse…
Muito bom, mas também comete o equívoco de ignorar o que está acontecendo nas áreas urbanas onde milhões de brasileiros estão morando na informalidade porque as áreas Legais ficam fora do alcance dos pobres.
As Leis Ambientais valem também para as áreas urbanas e impedem o uso de muitas áreas nas periferias que poderiam ser usadas de modo sustentável com parte Preservada e soluções que compensassem o impacto ambiental.
As áreas que restam ficam escassas e caras, ficando fora do alcance dos pobres que, sem opções, são empurrados para a Ilegalidade.
As áreas “preservadas” são abandonadas, invadidas e acabam “devastadas”. Eu vi isto acontecer na Guarapiranga em São Paulo e estou vendo acontecer em outras regiões.
Está tudo errado, não dá para fechar os olhos e fingir que está tudo bem.
Enquanto isto, nas áreas urbanas privilegiadas as Leis Ambientais são simplesmente ignoradas e não vejo ninguém falando nada sobre isto, portanto todos, inclusive o Ambientalismo radical, estão sendo coniventes.

Mas o maior equívoco também é o de não focar na INJUSTIÇA que é o fato do ônus da Preservação ser jogada só sobre os possuidores de áreas a serem preservadas.
Leis injustas jogam todo o ônus da preservação sobre os possuidores de áreas a serem preservadas, na realidade confiscando sem nenhum pagamento.
Do outro lado não obrigam os consumidores a pagar o custo ambiental do que consomem.

Isto está errado. Pode ser Legal, mas é Imoral e ninguém pode ser conivente. Muitas injustiças já foram legais como, por exemplo, a escravidão, a segregação, proibição do voto para as mulheres, etc, etc. E sempre tinha quem defendesse estas injustiças com muitos argumentos.

O foco é simples e irrefutável.

A verdade é que a Legislação é Socialmente Injusta, Economicamente Inviável, logo não é Culturalmente Aceita pela sociedade local (que é quem vai, ou não, Preservar) e, no final, por não ter SUSTENTABILIDADE, não consegue atingir o objetivo Ecologicamente Correto.

Ninguém pode ser conivente com injustiças. Leis Injustiças tem que ser corrigidas.

Preservar é fundamental, mas precisamos Preservar de forma SUSTENTÁVEL.

Quem dá origem à devastação é o consumidor e é Justo que pague por isto.

Quem Preserva tem que receber um valor Justo, coerente com a importância da Preservação.

Vinícius Nardi
Luiz Prado disse…
A cada dia eu admiro mais o Aldo Rabelo!
Ana disse…
V.Nardi relata muito bem sobre problemas ambientais,quanto a Aldo Rebelo,o que seria de nós sem ele.