Se o estupro é inevitável, debata-se

A maior parte dos proprietários rurais da região de Ribeirão Preto, São Paulo, rejeitou acordo para averbar suas Reservas Legais no ano passado, aponta levantamento do Núcleo Gaema de Ribeirão Preto(Grupo de Atuação Especial do Meio Ambiente), do Ministério Público Estadual. Dos 77 donos de terras convocados para adequar suas áreas ao Código Florestal, 42 rejeitaram a proposta.

Outros 35 donos assinaram um TAC (Termo de Ajustamento de Conduta) com a Promotoria.
O promotor Marcelo Pedroso Goulart, diz ter encontrado resistência, principalmente entre grandes plantadores de cana-de-açúcar. Pequenos e médios proprietários e aqueles ligados ao café e à silvicultura (eucalipto) não impuseram resistência às averbações, afirmou o promotor. No caso de empresa familiar, é mais difícil.

Em tempo, a coisa funciona assim: A promotoria chama os produtores e diz: ou você assina o TAC ou eu te processo. Mais da metade dos convocados preferiram ser processados, os demais aceitaram a curra.

As informações são da Folha de São Paulo

Comentários

Luiz Prado disse…
QUE BOM SABER QUE MUITOS PROPRIETÁRIOS OPTARAM POR RESISTIR AOS CHILIQUES E ACHAQUES DO MP, DO TIPO "OU SEGUE A MINHA INTERPRETAÇÃO DA LEI OU SERÁ PROCESSADO". AGORA, OS PROPRIETÁRIOS PODERÃO UNIR-SE PARA DEFENDER OS SEUS PONTOS DE VISTA E OS SEUS DIREITOS NO JUDICIÁRIO, BEM COMO DÃO CLAROS INDIÍCIOS DE QUE SE UNIRÃO, TAMBÉM, PELA MUDANÇA NAS TRUCULÊNCIAS E ANACRONISMOS DO CÓDIGO FLORESTAL.
Luiz Prado disse…
PS - Acho que o titulo do artigo seria outro: "O Estupro Nâo é Inevitável! Organize-se e Reaja!"
Concordo.
Sugiro a leitura de artigo que publiquei no Beefpoint sobre a necessidade de união e reação doa produtores: http://www.beefpoint.com.br/?noticiaID=59168&actA=7&areaID=15&secaoID=127
Luiz Henrique disse…
Conheço um caso em que o estuprador se deu mal.
Não querendo citar nomes, mas no norte do Paraná, uma recém empossada promotora convocou todos proprietários da Comarca para que em reunião em grupos assinassem o tal TAC, ela foi transferida de Comarca logo em seguida e pelo que sei ninguém assinou.